Desenvolvimento

Santa Casa e IFSul devem firmar parceria

Convênio deve garantir a realização de atividades em três áreas: ensino, pesquisa e projetos; bom para os estudantes, melhor ainda para o hospital

23 de Julho de 2018 - 19h35 Corrigir A + A -

Por: Michele Ferreira
michele@diariopopular.com.br 

Representantes das duas instituições se reuniram na tarde desta segunda-feira (Foto: Jô Folha - DP)

Representantes das duas instituições se reuniram na tarde desta segunda-feira (Foto: Jô Folha - DP)

Grupos de trabalho devem intensificar tratativas que apontem as prioridades já nos próximos dias (Foto: Jô Folha - DP)

Grupos de trabalho devem intensificar tratativas que apontem as prioridades já nos próximos dias (Foto: Jô Folha - DP)

Um convênio a ser firmado entre Santa Casa de Misericórdia e Instituto Federal Sul-rio-grandense (IFSul) permitirá o desenvolvimento de parceria em três áreas: ensino, pesquisa e projetos. De um lado, estudantes ganharão mais um campo de estágio e fonte de conhecimento. De outro, o hospital receberá a possibilidade de - a partir destes resultados - modernizar espaços, realizar manutenção de equipamentos e treinamento de equipes, otimizar a gestão e, ao final, melhorar o atendimento ao público.

Um encontro, na tarde desta segunda-feira (23), reuniu representantes das duas instituições. A expectativa é de que o trabalho prático possa começar no mês de setembro, tão logo assinado o convênio. Cursos como Engenharia Elétrica, Saneamento Ambiental, Computação, Mecânica, Comunicação Visual, Vestuário e Alimentos - considerada também a estrutura do Campus Pelotas Visconde da Graça (CaVG) - devem se transformar em algumas das fontes para troca de experiências.

Nos próximos dias, grupos de trabalho já devem intensificar tratativas que apontem as prioridades das duas instituições. "A gente tem que se desafiar, correr atrás e fazer acontecer. Não dá para ficar aguardando apenas as condições ideais para agir", enfatizou o provedor da Santa Casa, Lauro de Melo, que aproveitou a cerimônia para apresentar dados e cifras que demonstram a dimensão do hospital.

Alguns dos projetos que estão nos planos da Santa Casa

- Investimentos em iluminação - A intenção é substituir lâmpadas fluorescentes pelas de LED, mais econômicas. O que, teoricamente parece simples, em um ambiente hospitalar - com mais de 30 mil lâmpadas - requer avaliações técnicas e cuidados, já que conforme as características de cada ambiente há um tipo específico de luminosidade a ser emitida para facilitar a atuação dos profissionais e não causar prejuízos aos pacientes.

- Nova cozinha - Integra o projeto de modernização de espaços da Santa Casa de Pelotas. Além de qualificar ainda mais o preparo das refeições, a parceria com o IFSul poderia contribuir ao aprimoramento do processo de descarte de sobras.

- Ampliação de leitos - É uma das metas a médio e longo prazos. O hospital tem capacidade para chegar a um total de 328 leitos. Para isso, entretanto, precisará realizar melhorias em salas que dependem de revisão elétrica e hidráulica para poderem voltar a acolher pacientes, já que são áreas muito antigas.

A dimensão do hospital

- 171 anos de história
- 270 leitos em funcionamento
- Fluxo de 1,5 mil pessoas por dia, entre visitantes e pacientes
- 11 mil cirurgias e dois mil partos por ano
- 1.128 funcionários
- 450 médicos no corpo clínico
- 41 especialidades médicas
- 1.050 refeições servidas por dia
- 42 toneladas de roupa lavadas por mês
- Banco de sangue 24 horas, com 11 mil coletas e 16 mil transfusões por ano

O que eles disseram 

- Lauro de Melo, provedor da Santa Casa: "Acreditamos que juntos poderemos desenvolver projetos inovadores. Com isso, o hospital poderá qualificar a sua gestão e ganhar em economicidade", destacou. E, com transparência, abriu dados que revelam o esforço para reduzir o déficit histórico. Hoje, apesar da economia mensal de R$ 187 mil, o hospital ainda fecha o mês com cerca de R$ 1,3 milhão no vermelho. O rombo, todavia, já se aproximou dos R$ 2 milhões por mês.

A ampliação de espaços como a Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) poderia contribuir na elevação de receita. Só neste caso, poderiam cair no caixa do hospital em torno de R$ 320 mil a mais por mês. Uma projeção otimista, mostra a instituição com superávit a partir de 2019.

- Flávio Nunes, reitor do IFSul: "Às vezes, ficamos fechados no nosso espaço e nos nossos muros. Acreditamos que, com parcerias como esta, podemos ajudar a comunidade onde ela está precisando." Ao se pronunciar, o reitor demonstrou entusiasmo com o processo que está por vir através do convênio. Acompanhado de integrantes da equipe do IFSul, Flávio já começou a identificar possíveis projetos, como o desenvolvimento de sistemas para controle de dados gerados a partir dos prontuários dos pacientes.
Reuniões daqui para frente devem passar a definir os cursos técnicos, de graduação e de pós-graduação que poderiam se engajar à parceria. Atividades de extensão também poderão contemplar o hospital.

Cemitério também deve se transformar em ponto de estudo
O Cemitério Ecumênico São Francisco de Paula, administrado pela Santa Casa, também deve ser contemplado com o convênio a ser celebrado com o IFSul. Investimentos em comunicação visual, para orientar os visitantes, e os cuidados com o chorume estão entre as prioridades.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados