Agronegócio

Retomada da umidade no solo favorece plantio da soja

Monitoramento feito pela Emater estima que cultivo já chega a 80% no Estado

06 de Dezembro de 2021 - 11h19 Corrigir A + A -
Desenvolvimento. Plantas estão em germinação e crescimento no RS (Foto: Jô Folha - DP)

Desenvolvimento. Plantas estão em germinação e crescimento no RS (Foto: Jô Folha - DP)

Caracterizada pelo predomínio de temperaturas elevadas e tempo seco, com chuvas de duração e intensidade variada no Estado, a última semana de novembro provocou a retomada da umidade dos solos. O resultado disso, conforme o Informativo Conjuntural produzido Emater/RS-Ascar foi o favorecimento do plantio da soja, cuja estimativa já alcança 80% do previsto, estando em sua totalidade em germinação e desenvolvimento vegetativo.

O acumulado de chuvas registradas nas últimas semanas, somado com as do período entre os dias 22 e 28 de novembro ajudaram nas práticas culturais e favoreceram também os cultivos em floração e enchimento de grãos do milho. E já inicia a maturação das lavouras semeadas cedo. O plantio chega a 88% da área total estimada no Estado, estando 47% em germinação e desenvolvimento vegetativo, 26% em floração, 26% em enchimento de grãos e 1% já em maturação.

No trigo, a colheita avançou para 98% das lavouras, o que significa 1,09 milhão de hectares. Em geral, de acordo com os técnicos da Emater, o balanço da safra é positivo, com boa produtividade e qualidade do produto, além da boa remuneração. Os 2% restantes do cereal estão em fase de maturação.

Olerícolas

Na regional da Emater/RS-Ascar de Bagé, as condições climáticas foram adequadas, com exceção do forte calor, especialmente na Fronteira Oeste. Em Uruguaiana, com a elevação das temperaturas, o ciclo das culturas em ambiente protegido se reduziu, mas aumentou a incidência de insetos, com destaque para tripes nas folhosas e lagartas e pulgões no pimentão. Na Campanha, as chuvas nos dias 25 e 28 de novembro foram benéficas para as lavouras de coentro e cebola para sementes, considerando que o teor de umidade nos solos estavam se reduzindo consideravelmente devido às altas temperaturas e aos ventos fortes constantes.
Nos próximos dias devem ser realizadas as últimas pulverizações de fungicidas nas lavouras de cebola, com colheita prevista para a segunda quinzena de dezembro. As de coentro estão entrando na fase de maturação, com a colheita tendo iniciado a partir da sexta-feira passada. A expectativa de rendimento é de 1,5 mil quilos por hectare, considerada muito boa. Porém, o receio de técnicos e produtores é de que haja redução de preços, maior quebra no beneficiamento e resultados inferiores nos testes de germinação, situações frequentes em safras com grande produção.

Frutícolas

Na regional de Ijuí, segue a colheita do melão e da melancia. Frutos com bom calibre e sabor bem adocicado. A colheita do pêssego se encaminha para o fim, com baixa incidência de mosca-das-frutas. Cultivares de morango de dias neutros têm boa produtividade e as cultivares de dias curtos com diminuição da produção.

Pastagens

A ocorrência de chuvas favoreceu o rebrote e crescimento das pastagens. As espécies de verão, tanto as perenes (tífton e jiggs), como as anuais (capim sudão e milheto), aumentaram a oferta após as chuvas, uma vez que vinham apresentando dificuldade de se desenvolver devido à falta de umidade no solo, altas temperaturas e radiação solar.

Na maioria das regiões, mesmo com chuvas, o rebrote do azevém é quase nulo. Os campos nativos vêm aumentando a forragem, proporcionando condições de pastejo. Os produtores aproveitaram a umidade no solo para fazer a adubação nitrogenada em cobertura, para acelerar o crescimento das forrageiras.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados