Educação

Projeto Uergs 20+ marca o início de uma nova fase da Universidade

Projeto foi pensado em três áreas estratégicas: energia e mobilidade; recursos naturais e sistemas alimentares e espaços digitais e sistemas produtivos

27 de Julho de 2021 - 09h22 Corrigir A + A -

Por: Redação
web@diariopopular.com.br

(Foto: Gustavo Mansur) (Foto: Divulgação - DP)

(Foto: Gustavo Mansur) (Foto: Divulgação - DP)

Na abertura das comemorações de seus 20 anos, em uma cerimônia realizada no início deste mês, a Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (Uergs) recebeu do governo do Estado um imóvel para instalação da reitoria. Na ocasião, o governador Eduardo Leite (PSDB) reafirmou a intenção de destinar à instituição os demais bens que compõem a estrutura da Fundação de Ciência e Tecnologia (Cientec) em Porto Alegre e em Cachoeirinha. Como contrapartida, a universidade apresentou o Projeto Estratégico Uergs 20+, que propõe um rearranjo institucional e a ampliação dos serviços prestados, em sintonia com a Política Estadual de Inovação, Ciência e Tecnologia.

O Uergs 20+ é composto por 70 projetos agrupados em três áreas estratégicas identificadas como portadoras de futuro: energia e mobilidade; recursos naturais e sistemas alimentares; e espaços digitais e sistemas produtivos. “Essas áreas foram priorizadas a partir da nossa disponibilidade de recursos humanos qualificados na universidade e da infraestrutura de laboratórios e de pesquisa da Cientec. Também são áreas tecnológicas transversais e estratégicas para o desenvolvimento sustentável nas próximas décadas”, explica o pró-reitor de Pesquisa e Pós-Graduação da Uergs, Rafael Haag.

A proposta começou a ser construída em setembro do ano passado, por uma comissão especial designada pelo reitor Leonardo Beroldt e coordenada por Haag. “A Uergs se desafiou a pensar nas possibilidades e oportunidades que essa nova estrutura, uma vez incorporada à universidade, poderia promover como expansão ou consolidação das atividades atuais nos campos do ensino, da pesquisa e da extensão”, conta o reitor.

O trabalho envolveu cerca de 30 profissionais de diferentes áreas, divididos em grupos de acordo com as áreas estratégicas e eixos norteadores, que elaboraram projetos e aprimoraram iniciativas que já estavam em andamento tanto na Uergs quanto na Cientec. “As ações propostas vão muito além da continuidade dos serviços já prestados pela Uergs e Cientec. A proposta oportuniza criar uma estrutura completamente nova, muito diferente de apenas uma soma de serviços já executados por dois órgãos distintos”, enfatiza Haag.

De acordo com o reitor, esse é um projeto ainda em construção, que inicialmente busca responder às necessidades da área de Ciências Exatas e Engenharias, pouco desenvolvida na Universidade em função das dificuldades em investimentos. “Vislumbra-se uma expansão dessa área a partir do aporte dessa nova estrutura à Uergs, mas não é só isso, porque o projeto e a nova estrutura abrem caminhos, criam novas oportunidades para a universidade. Com essa estrutura da Cientec e com o projeto Uergs 20+, a universidade também amplia as suas possibilidades de parcerias”, projeta Beroldt.

“Mesmo que o núcleo da proposta tenha a infraestrutura da Cientec como ponto de partida, que obviamente implica num olhar mais voltado para as áreas tecnológicas, o projeto Uergs 20+ pretende ir além e discutir as demais áreas do conhecimento que também são importantíssimas para o desenvolvimento”, complementa Haag.

A elaboração do projeto foi orientada por uma visão de longo prazo em que a universidade se reposiciona como protagonista em ações inovadoras e sustentáveis para o desenvolvimento científico e tecnológico do Rio Grande do Sul.

“A Uergs tem a inovação no seu DNA. Fomos pioneiros na proposta de cursos de graduação, como Engenharia de Energia, por exemplo. Também inserimos metodologias pedagógicas inovadoras, como as salas de aula em formato de ilhas com propostas ativas de aprendizagem, entre outras inovações que apenas agora algumas instituições de ensino estão adotando”, conta o pró-reitor.

Além disso, com o Uergs 20+, a universidade propõe que o Estado diversifique sua matriz produtiva, incentivando novos arranjos baseados numa economia de produtos mais complexos e tecnológicos.

“O projeto Uergs 20+ significa muito mais do que o aproveitamento de uma estrutura de prédios, laboratórios e pessoal qualificado. Significa um reencontro com as origens da própria Uergs e uma oportunidade única para o Rio Grande do Sul utilizar o imenso potencial da sua única universidade estadual como agente propulsor do desenvolvimento sustentável, baseado no conhecimento e em tecnologias transversais estratégicas”, projeta Haag.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados