Educação Popular

Pré-Universitário Desafio tem vagas abertas

Preparatório atua desde 1993 e beneficia anualmente 200 alunos de baixa renda

13 de Maio de 2022 - 08h30 Corrigir A + A -
45 vagas são ofertadas para a turma presencial, onde as aulas acontecerão no Anglo. (Foto: Carlos Queiroz - DP)

45 vagas são ofertadas para a turma presencial, onde as aulas acontecerão no Anglo. (Foto: Carlos Queiroz - DP)

Estão abertas, até a próxima terça-feira, as inscrições para o Desafio Pré-Universitário Popular. O preparatório está abrindo turmas de aulas presenciais e remotas, o que marca o retorno às salas de aulas após dois anos. O Desafio, atua há quase três décadas, oferecendo aulas preparatórias para alunos de baixa renda de forma gratuita, visando à inclusão na universidade pública.

Com o início das inscrições para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) desde a última terça-feira e com o Programa de Avaliação da Vida Escolar (Pave), no fim do ano, muitos estudantes já estão se preparando para as provas. Ingressar na universidade é um desejo comum em grande parte da população, mas, para pessoas de baixa renda, ter acesso a locais de estudos e aulas preparatórias pode não ser uma tarefa fácil nem acessível. Dessa forma, esse sonho acaba se tornando mais difícil.

E foi pensando em mudar essa realidade, que em 1993, alunos da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), criaram o projeto. No início, a proposta era voltada para a alfabetização, mas com o tempo ganhou novos objetivos e tornou-se um preparatório para o Enem. Passou a ser batizado de "Desafio Pré-Universitário Popular''. Mas o Desafio só viria a se tornar um projeto de extensão ligado à universidade em 1997, quando foi institucionalizado.

A coordenadora geral do projeto, Cátia Carvalho, conta sobre os objetivos do Desafio. "Educação popular e de qualidade. Temos aí um acúmulo de quase 29 anos de história. Esse projeto tem se construído com um território educativo e de resistência para que possamos ter cada vez mais pessoas em situação de vulnerabilidade social, filhas e filhos de trabalhadores, jovens de periferia, dentro da universidade", destaca. "E assim criarmos outras realidades possíveis, a partir de uma prática mais includente e dialógica", compartilha Cátia.

Desde então, as aulas são ministradas por equipe de estudantes universitários voluntários, à tarde e à noite. Mas como diversos outros setores, com a pandemia de Covid-19, o pré-vestibular precisou se adequar às medidas restritivas. E foi nesse período que o Desafio passou a ofertar videoaulas com turmas online, através de suas redes. Após dois anos ofertando, então, aulas remotas, neste ano o pré-vestibular voltará a oferecer atividades para o Enem e Pave, com turmas presenciais e remotas. Sendo uma turma presencial com 45 vagas à tarde e uma turma remota à noite com vagas ilimitadas.

Atualmente o curso chega a beneficiar cerca de 200 alunos anualmente, oferecendo aulas de matérias como: Biologia, Filosofia, Física, Geografia, História, Língua Estrangeira - Espanhol, Língua Estrangeira - Inglês, Literatura, Português, Redação, Matemática e Geometria, Química e Sociologia.

Novas turmas, nova sede
Durante os anos de funcionamento, o projeto já esteve em diversas sedes. A última foi no prédio Salis Goulart, localizado na rua Tiradentes esquina com Félix da Cunha. Mas agora o Desafio terá sua própria sala no Campus Anglo. "Estamos organizando a casa para receber os alunos numa nova estrutura, tudo está sendo pensado para trabalhar um sentimento de pertencimento, o sentimento de que a universidade deve ser dele", enfatiza a coordenadora. E ainda compartilha o sentimento para este ano: "Um misto de emoção, espera e ansiedade. Temos um desafio grande pela frente, esse é um projeto bastante transgressivo e ousado. Como temos essa proposta de educação popular e de ser agente transformador social, a gente precisa reinventar nossas práticas, tendo essa esperança de que a educação reinvente o mundo", finaliza.

O pontapé inicial

Em seus mais de 20 anos de história, o Desafio já foi casa para muitos estudantes. Como Patrícia Bilhalva e Elena Abreu. Quase 15 anos separam o período em que ambas foram estudantes do pré-universitário, mas para as duas o Desafio foi um pilar fundamental para um mesmo objetivo: ingressar na faculdade.

Patrícia Bilhalva, 37, é filha de jardineiro e no 3º Ano do Ensino Médio a mãe ficou tetraplégica. A partir disso, como precisava cuidá-la, Patrícia não conseguiu se dedicar inteiramente aos estudos para o Enem. Mas apesar dos empecilhos, depois de se formar e com mais tempo, a jovem decidiu que era hora de tentar entrar na faculdade. "Eu precisava de uma motivação e ajuda para conseguir aprovação no vestibular. Me inscrevi no Desafio no ano de 2002, cursava o curso à noite e cuidava da minha mãe para meu pai trabalhar", relata a professora.

Para Patrícia, ingressar no Desafio foi uma porta para novas chances acadêmicas e ela relembra desse tempo. "No Desafio fazíamos aulões e tutoria com os professores. Me ajudou a ingressar no Ensino Técnico e no mercado de trabalho", diz. Durante o período em que esteve no cursinho, a hoje professora, começou a cursar Química no Instituto Federal Sul-Rio-Grandense (IFSul) e em 2005 entrou no curso de Engenharia Industrial Madeireira pela UFPel. Após isso, ela continuou estudando e fez mestrado e Doutorado na Espanha, através de bolsas de estudos.

Atualmente, Patrícia é professora do Centro de Engenharias (Ceng) da UFPel e, mesmo com uma longa trajetória repleta de êxitos, atribui as oportunidades alcançadas ao Desafio. "Foi graças à minha formação inicial que fui tendo as oportunidades de seguir nos estudos. Naquele momento todos vivíamos o sonho do Ensino Superior e hoje pensar que cheguei até aqui graças a alguns jovens estudantes ( professores do Desafio), que compartilhavam seus conhecimentos de forma voluntária, que passavam suas noites dando aula e finais de semana com os aulões".

Outra jovem que também passou pelo Desafio foi Elena Abreu, 23, atual aluna de Jornalismo pela UFPel. Em 2018, a estudante tinha terminado o Ensino Médio através da prova do Encceja e, como muitos outros jovens, queria se preparar para o Enem. "E no momento não tinha condições financeiras, até que comentei com uma amiga e ela me comentou que ia fazer o Desafio. E essa opção apareceu no melhor momento", pontua Elena.

Após um ano participando das aulas e aulões, Elena realizou o Enem e, em 2019, ingressou no curso de Jornalismo. Uma etapa importante para essa conquista: "Meu processo dentro do Desafio foi de muito aprendizado e conhecimento muito além do que tive durante o Ensino Fundamental e Médio. Até o momento mais esperado, que era o Enem, tive todo suporte, aulões mensais. Com certeza, o Desafio me fez ver o estudo com outros olhos, me agregou muito conhecimento e não faltou motivação em nenhum momento", finaliza.

Para quem tem interesse

As inscrições para as aulas presenciais irão até o dia 17 e devem ser feitas presencialmente de segunda a sexta-feira, das 9h às 11h e das 14h às 17h, na secretaria do Desafio: sala 313 / 3º andar do Campus Anglo, na rua Gomes Carneiro, 1 na Zona do Porto, em Pelotas. Não há custos.

Os documentos necessários e mais informações estão disponíveis no edital. Acesse o bit.ly/edital-desafio.

Em relação às aulas remotas, não é necessário realizar inscrição, pois não há limite de vagas.

Para mais informações acesse as redes sociais do Desafio. @desafiopreuniversitariopopular


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados