Consciência

Por uma Pelotas mais sustentável

Seis meses após ampliação da coleta seletiva, média mensal passou de 132,2 para 237,14 toneladas

15 de Janeiro de 2020 - 08h49 Corrigir A + A -
Consciência: Flávia já separava os materiais e exigia o mesmo de sua família  (Foto: Carlos Queiroz - DP)

Consciência: Flávia já separava os materiais e exigia o mesmo de sua família (Foto: Carlos Queiroz - DP)

Dias após completar seis meses de ampliação, a coleta seletiva já tem muito o que comemorar: a quantidade dos resíduos coletados mensalmente aumentou cerca de 80%. Esse número é reflexo da contribuição diária dos moradores das 19 novas áreas que foram abrangidas pela iniciativa. Além de cooperar com o meio ambiente, a população que separa e destina corretamente o seu lixo movimenta uma indústria que gera emprego e renda para a cidade.

De acordo com o diretor-presidente do Sanep, Alexandre Garcia, apesar de uma parte da população ainda não separar e descartar os resíduos corretamente, o. dejetos orgânicos se misturam com os recicláveis e isso acaba gerando perda de toda a carga. Para a coleta seletiva conseguir atingir toda a população é necessário contar com ela, seja através da separação correta ou da tentativa de conscientizar familiares e amigos que ainda não entenderam a importância do ato. “Quanto maior a participação popular, maior o resultado”, salientou Garcia.

Em uma comparação referente ao segundo semestre de 2018 e ao segundo semestre de 2019 é possível afirmar que a média mensal, de julho a dezembro, passou de 132,2 para 237,14 toneladas de resíduos separados e coletados corretamente. Segundo Garcia, esses dados também são resultados de uma conscientização das regiões que já contavam com a coleta, pois nesses locais também observou-se mais engajamento da população na hora de reciclar. “É um sinal de que está dando certo”, disse. Para 2020, ainda não há planos de mais uma ampliação. De acordo com o diretor-presidente, é preciso completar o ciclo de um ano, analisar os resultados e depois pensar em expandir. Ele lembra que além de 80% da cidade ser contemplada com a coleta de porta em porta, outras maneiras de segregar e descartar o lixo existem, como os ecopontos e a coleta agendada.

Quem agradece a ampliação é Flávia Schulz. Proprietária de uma ferragem na Santa Terezinha - região contemplada com a expansão da coleta seletiva - , a empresária já tinha o hábito de separar o lixo seco do orgânico, mas sem a facilidade do recolhimento na porta era complicado realizar o descarte. Agora, tudo está mais fácil. Segunda e sexta-feira, por volta das 15h30min a música anuncia: “Hoje é dia de coleta seletiva”. No momento em que ouve o chamado ela se desloca até a frente do comércio para fazer a entrega dos resíduos aos trabalhadores responsáveis pela coletagem, que hoje já são conhecidos no estabelecimento. “Eu apoio muito essa iniciativa e chamo a atenção da minha filha para fazer o mesmo”, disse. A ampliação do serviço também ampliou a consciência de Flávia, que além de separar o seco do orgânico, agora entrega vidro, plástico, metal e papel separadamente.

O resíduo coletado na ferragem da Flávia, nos ecopontos e na coleta agendada são encaminhados para seis cooperativas conveniadas ao Sanep. Lá, os cooperados são responsáveis pela triagem e comercialização dos dejetos. O convênio com o órgão municipal garante despesas como água, luz e também mantimentos de trabalho, como óleo hidráulico e combustíveis. Além disso, cada cooperado recebe um auxílio financeiro por mês. Garcia diz que o objetivo da parceria é garantir estabilidade do serviço prestado e desenvolver um programa de apoio social e organização econômica entre as mais de 100 famílias envolvidas. “A coleta seletiva movimenta um ciclo e gera inclusão social”, completou.

Outras formas do descarte consciente

Além da coleta seletiva, que hoje abrange cerca de 80% do município, existem outros formatos que garantem o descarte correto dos materiais recicláveis. A coleta agendada ocorre duas vezes por semana em locais que ainda não recebem o caminhão da seletiva. Para agendar basta telefonar para o (53) 3025-3810 e marcar um horário para o caminhão do Sanep buscar os resíduos. Este formato é válido para regiões como Sítio Floresta, Vila Princesa, Vila Jacob Brod, Jardim de Alah, Dunas, Vasco Pires, Arco-Íris, Sanga Funda e áreas do Fragata. Quatro ecopontos estão habilitados para receber os resíduos recicláveis. Eles estão localizados na Balsa, Laranjal, Areal e Fragata. Além disso, mais de 80 escolas participam do projeto Adote uma Escola e também estão disponíveis para o recebimento dos materiais. Ainda há a opção de levar os resíduos - vidro, plástico, metal e papel - diretamente às cooperativas que recebem os produtos e transformam em fonte de renda para mais de cem famílias.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados