Estudo

Pelotas fará parte do Projeto Atitude

Iniciativa tem como foco identificar fatores comportamentais ligados à continuidade da transmissão de infecções sexualmente transmissíveis

21 de Novembro de 2020 - 11h09 Corrigir A + A -
No município serão entrevistadas 365 pessoas maiores de 18 anos  (Foto: Carlos Queiroz - DP)

No município serão entrevistadas 365 pessoas maiores de 18 anos (Foto: Carlos Queiroz - DP)

O município de Pelotas foi selecionado para participar do Projeto Atitude, estudo desenvolvido pelo Hospital Moinhos de Vento de Porto Alegre, em parceria com a Secretaria Estadual de Saúde do Rio Grande do Sul e apoio técnico do Ministério da Saúde, através do Programa de Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (PROADI-SUS).

O projeto visa conhecer os fatores comportamentais associados à continuidade da cadeia de transmissão das Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST), fornecendo informações importantes para o planejamento de ações para o enfrentamento da situação epidemiológica do HIV, sífilis e hepatites virais no Rio Grande do Sul. “Será uma fonte importante de informações que poderá ser usada para o direcionamento de políticas públicas e para o controle da epidemia de HIV/AIDS, sífilis e hepatites virais no estado, fortalecendo a vigilância epidemiológica dessas doenças”, esclarece Eliana Wendland, médica epidemiologista do Hospital Moinhos de Vento, responsável técnica do Projeto Atitude.

O Rio Grande do Sul apresenta um contexto único quanto à epidemia de HIV/AIDS e IST. O Estado é a unidade com maior prevalência de HIV e Hepatite C. Traz ainda um panorama epidemiológico diverso do de outras regiões, com uma maior proporção de mulheres e de indivíduos jovens afetados.

Em todo no RS foram selecionadas 57 municípios, com uma amostra total de 8.232 participantes. Os indivíduos serão maiores de 18 anos, de ambos os sexos. No município de Pelotas farão parte do estudo 365 participantes.

Conforme a coordenadora técnica, a obtenção de dados ocorrerá por meio de uma entrevista em tablet em plataforma de dados própria do estudo; também será coletado uma amostra de sangue capilar para realização de testes laboratoriais de HIV, sífilis e hepatites virais.

Os profissionais que farão a coleta de dados estarão devidamente identificados com colete, chapéu e mochila com identidade visual do projeto. Os coletadores cumprirão os protocolos de biossegurança relativos à Covid-19, além de serem testados e apresentarem resultado negativo para Covid-19 antes de ir a campo.

A equipe do projeto está à disposição para maiores informações pelo telefone (51) 3537-8092, e-mail shayanne.dasilva@hmv.org.br.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados