Coronavírus

Pelotas e região permanecem com bandeira laranja

Atualização do sistema estadual de distanciamento controlado não alterou patamar da Zona Sul, mas reduziu restrições em outras áreas

23 de Maio de 2020 - 18h33 Corrigir A + A -

Por: Redação
web@diariopopular.com.br

Captura de Tela 2020-05-23 às 18.29.57

Zona Sul foi mantida como região com risco médio de disseminação do vírus e sobrecarga da rede de saúde (Foto: Reprodução Governo RS)

O governo do Estado divulgou no começo da noite deste sábado (23) a atualização da classificação das 20 regiões no modelo de distanciamento controlado. Pela terceira semana consecutiva, Pelotas e demais municípios da Zona Sul permanecerão com a bandeira laranja, sem alterações em regras voltadas ao comércio, serviços e outras atividades.

Nas demais áreas do Rio Grande do Sul, foram três alterações: Uruguaiana, Capão da Canoa e Santa Cruz do Sul passaram da bandeira laranja para a amarela. Com isso, o Estado passa a ter oito regiões consideradas com risco baixo para a disseminação do novo coronavírus e sobrecarga do sistema de saúde.

Em todas as demais 12 divisões do território foram mantidas as bandeiras laranjas, consideradas de risco médio, sem que houvesse aumento no nível de alerta (bandeiras vermelha ou preta).

As novas classificações e os protocolos que regram o funcionamento ou não de atividades econômicas são válidas a partir de segunda (25) até o domingo (31).

Nova metodologia de cálculo

A mudança anunciada durante a semana pelo governador Eduardo Leite (PSDB) no cálculo do distanciamento controlado, que seria adotada somente a partir da próxima rodada, já foi aplicada neste sábado. Com isso, apenas os casos de Covid-19 que geraram hospitalização foram usados para medir a propagação do vírus levando em consideração os seus locais de residência.

Até então, o governo vinha usando todos os casos confirmados por testes moleculares (RT-PCR) para medir dois dos 11 indicadores usados no cálculo de risco: velocidade do avanço, que mede o número de novos casos confirmados em relação aos casos anteriores, e incidência de novos casos na população, que mede os novos casos nos últimos sete dias para cada 100 mil habitantes.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados