Vento e chuva

Pelotas e região contabilizam estragos do temporal

Uma pessoa morreu em Rio Grande, três ficaram feridas em Pelotas e mais de 200 mil ficaram sem luz

12 de Janeiro de 2021 - 20h18 Corrigir A + A -

Pelotas e região tiveram uma noite de pânico na segunda-feira (11). Esperada para refrescar o forte calor, a chuva causou junto ao vento danos às cidades, pânico e desconforto à população e, principalmente, uma morte. De acordo com a prefeitura, Laranjal e Balneário dos Prazeres foram as localidades mais atingidas pelo temporal. Três pessoas ficaram feridas e, em Rio Grande, uma morreu.

De acordo com a Agromet, foram registrados 31 milímetros de chuva e ventos de 96 km/h. A CEEE informou que mais de 200 mil pessoas chegaram a ficar sem luz desde o início da noite da segunda-feira na região - 180 mil só em Pelotas e 40 mil em Rio Grande. Na manhã desta terça, a companhia informou que esse número total havia diminuído para 75 mil. Na atualização seguinte, às 15h, eram 68 mil as unidades sem fornecimento.

Por conta da falta de energia elétrica, e também de desabamento de postes próximos às estações de tratamento de água, muitas pessoas ficaram também sem este abastecimento em pontos como Guabiroba, Fragata, Laranjal, Areal, Dunas, Sanga Funda e Monte Bonito. Ao longo da noite de segunda-feira o acesso a telefone e internet também foi diminuindo, deixando parte da população praticamente incomunicável, sem alcançar ajuda e sem ter como se comunicar com pessoas próximas.

Ao final da manhã, o Sanep informou que o fornecimento de energia elétrica estava normalizado na ETA Sinnott, responsável pelo abastecimento de água em localidades como Monte Bonito, Pestano, Sanga Funda, bairro Areal, Jardim Europa, Cohab Tablada, Sítio Floresta, Santa Rita de Cássia e Getúlio Vargas. Duas horas depois, o bombeamento do reservatório R8 foi retomado, normalizando a situação no Areal e no Dunas.

Pela cidade

No Fragata, os danos foram mais severos por extrapolarem o material: os dois ocupantes de um carro ficaram feridos após o veículo ser atingido por um eucalipto na avenida Duque de Caxias, próximo ao campus Leiga, da UFPel. Eles foram encaminhados para o Pronto Socorro de Pelotas (PSP) e liberados após procedimentos médicos - assim como uma criança de oito anos atingida por estilhaços de janela em local não confirmado.

Ainda no Fragata, a Assessoria Especial de Resiliência e Proteção à Defesa Civil do município registrou que um chalé precisou ser interditado por apresentar riscos de desabamento. A família precisou ser deslocada para casa de parentes, o que também acabou sendo feito com pelotenses que tiveram a casa atingida por uma árvore no Balneário dos Prazeres. O Corpo de Bombeiros recolhia na manhã de terça uma segunda árvore caída na Duque de Caxias, em frente ao Cemitério Ecumênico São Francisco de Paula.

O Bairro Cidade ainda viu o CTG Thomaz Luiz Osório ser afetado pelo temporal. O prédio foi destelhado durante a noite e há ainda o receio de que mais estragos venham a acontecer. Nesta terça-feira mesmo, a entidade deu início a uma campanha para doações com o intuito de recuperar os prejuízos e restaurar o que foi destruído. Mais informações no telefone (53) 99936-2104.

Na Vila Farroupilha, onde restos de telhas permeavam boa parte do solo, a família da vendedora Daiane Mendes teve de lutar contra a água, que invadiu a casa após o vento levar embora o telhado. Móveis e eletrodomésticos como geladeira foram perdidos e ela conta que a noite foi de pânico, principalmente para manter seguro o pequeno Arthur, de um ano. O medo dela, e de toda a população do local, é com curtos-circuitos. O vento envergou postes, derrubou fios e deixou outros próximos ao chão. Até o final da manhã, CEEE e Defesa Civil não haviam estado no local.

No Laranjal, o clima era ainda de preocupação durante a manhã, após o temporal causar estragos em casas, derrubar árvores e principalmente deixar postes sob a iminência da queda. Só na rua Novo Hamburgo eram dois na mesma quadra, o que deixou apreensivo o aposentado Abílio Pinheiro. "Foi apavorante. Eu estava com o carro aqui na frente e não conseguia sair para tirar. O vento levou o telhado e a chuva entrou em casa", relata, apontando na sequência para uma grande árvore caída em frente à residência.

Na rua Tapejara, a apreensão estava principalmente com a família do professor universitário Luiz Antônio Chies. Ele conta que tudo foi muito rápido até o momento em que a casa foi destelhada. "Quando vi já estava tudo no chão. Todo o telhado da parte de cima foi embora, mas ainda não conseguimos contabilizar os prejuízos, que certamente haverá. Acabamos ainda ficando incomunicáveis, sem luz, sem telefone, sem internet. Os bombeiros e a Defesa Civil vieram, mas como não há vítimas entenderam que não havia muito o que fazer" relata. Até o final da manhã ele aguardava que a CEEE fosse ao local fazer o desligamento de fios que acabaram ficando comprometidos durante o temporal, representando risco.

Prédios públicos

A prefeitura informou que, devido aos prejuízos causados pelo temporal, a UBS Barro Duro está fechada até quinta. As UBSs Guabiroba, Pestano e Laranjal também não estão atendendo. A previsão é reabrir nesta quarta, se normalizado o abastecimento de água e luz. Também sofreram danos a Casa de Passagem, o abrigo Arco Íris e o Creas II (Osório). O Instituto de Menores também foi atingido.

Em Rio Grande

Uma morte foi registrada durante o temporal em Rio Grande. A informação repassada pelo secretário executivo da Defesa Civil Municipal, Anderson Montiel é de que uma mulher, de 31 anos, teria se abrigado da chuva em um ponto de ônibus, quando sofreu a descarga elétrica, próximo ao Círculo Operário, na Avenida Buarque de Macedo, nas imediações da Rua Teixeira Junior.

Além disso, a travessia entre a Noiva do Mar e São José do Norte também foi afetada. O temporal em Rio Grande ainda causou estragos em dois locais específicos: um deles é o Praça Shopping, localizado na Vila São Miguel. Lojas foram danificadas por conta de as portas de entrada não conseguirem conter a força do vento e da chuva. Após um mutirão de trabalhadores de limpeza, o estabelecimento foi aberto ao público.
A Santa Casa da cidade também foi atingida. Em nota, o hospital afirmou que os prejuízos foram grandes, porém se limitam à estrutura, não havendo vítimas. "Até o estabelecimento pleno da energia, todas as unidades do complexo estão funcionando com geradores. Alguns serviços podem ser prejudicados nos próximos dias devido ao processo de reestruturação", prossegue o texto.

Em Herval

Conforme levantamento prévio realizado nesta terça pela manhã pelas equipes da prefeitura e da Defesa Civil de Herval, três casas foram atingidas nas localidades da Nova Herval e Carvalho de Freitas. Também houve de registros de árvores caídas. Foram cerca de 38mm de chuva, com rajadas fortes de vento e relâmpagos, segundo a Secretaria de Agropecuária. A Defesa Civil também deu início à entrega de lonas.

O temporal ainda deixou estragos em cidades como São Lourenço do Sul, Pedras Altas e Morro Redondo, onde um raio ocasionou incêndio posteriormente controlado pelo Corpo de Bombeiros.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados