Pandemia

Pelotas chega 596 mortes por Covid-19

Boletim divulgado pela prefeitura confirmou mais seis óbitos em decorrência do coronavírus

07 de Abril de 2021 - 17h31 Corrigir A + A -

Por: Henrique Risse
henrique.risse@diariopopular.com.br 

Além dos óbitos, mais 169 novos casos foram confirmados. Os positivos têm idades entre três meses e 96 anos

Além dos óbitos, mais 169 novos casos foram confirmados. Os positivos têm idades entre três meses e 96 anos

Pelotas se aproxima da triste marca de 600 mortes em decorrência da Covid-19. Com os seis óbitos confirmados nesta quarta-feira (7), o município chegou a 596 vidas perdidas em função do novo coronavírus. Os novos registros são referentes a quatro mulheres (62, 64, 67 e 78 anos) e dois homens (70 e 85 anos).

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) também informou 169 novos casos da doença. Os positivos têm idades entre três meses e 96 anos. Com estes números, Pelotas chega a 29.227 casos de pessoas contaminadas pelo vírus. Desse total, 26.175 são consideradas recuperadas e 2.456 estão em isolamento. A SMS aguarda os resultados de 513 exames que estão no Lacen/RS, na Unidade de Diagnóstico Molecular Covid-19 HE/UFPel e, também, em análise pelo programa Testar RS.

Apesar dos números de mortes e contaminações continuarem muito altos, o município apresentou uma leve queda nas internações. No dia 1º de abril, Pelotas tinha 173 pacientes hospitalizados. Até às 14h de ontem, este número caiu para 158. Houve também uma queda na taxa de ocupação dos leitos de UTI, que chegou a ter 64 pessoas internadas no sábado e agora tem 54 pacientes.

Lockdown no final de semana
Na manhã de terça-feira (6), a prefeitura divulgou uma nota sobre a reunião do Comitê de Enfrentamento ao Coronavírus. Nela, a prefeita Paula Mascarenhas (PSDB) sugeriu ao grupo que fosse analisada a manutenção do fechamento das atividades aos finais de semana. A tendência, no entanto, é que o lockdown aos sábados e domingos seja mantido no munícipio enquanto o mesmo se mantiver em bandeira preta no modelo do Distanciamento Controlado do Rio Grande do Sul.

“Fizemos uma reunião para debater vários assuntos, mas o fim do lockdown não esteve em pauta. Na verdade foi ao contrário. Nesse final de semana ainda terá lockdown em Pelotas e a gente não tem data para isso terminar. A posição da UFPel é a mesma, que o lockdown por pelo menos três semanas seria necessário. Mesmo já tendo baixado o número de casos, a gente ainda está trabalhando com lotação de enfermarias e UTIs”, disse a professora adjunta da infectologia da UFPel, Danise Senna Oliveira.

Representante da Aliança Pelotas no comitê, o presidente do Centro das Indústrias de Pelotas (Cipel), Amadeu Fernandes, confirmou a intenção da prefeitura em manter o lockdown nos finais de semana. “A princípio, a posição da prefeita é de continuar com o lockdown, mas esse tema não foi discutido. Ele não foi colocado em discussão na última reunião, até porque depende do decreto estadual. A posição da Aliança vai sempre olhando o lado do setor produtivo, dos negócios, olhando o lado empresarial, o setor de geração de empregos e de renda, e por isso somos favoráveis a abrir com todos os cuidados do distanciamento. Mas evidentemente que os outros setores que compõe o comitê, como o setor da saúde, não são favoráveis”, destacou.

Nota técnica
Na tarde desta quarta-feira, o Comitê UFPel Covid fez um alerta para os riscos da flexibilização precoce do distanciamento. Segundo a nota técnica, “é fundamental que o mês de abril tenha como foco a substancial redução das internações por Covid-19, de forma a evitar a confluência entre as internações da epidemia de Covid-19 e da Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) sazonal. É importante também reduzir o número de casos para um quantitativo manejável pela vigilância epidemiológica”. A nota completa pode ser conferida no site https://portal.ufpel.edu.br/.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados