Meio Ambiente

Pelo fim das sacolinhas

Projeto Plástico Zero começa neste sábado nas feiras livres

30 de Maio de 2020 - 18h59 Corrigir A + A -

Por: Redação
web@diariopopular.com.br

Ação tem a meta de reduzir o volume desses resíduos no ambiente (Foto: Jô Folha - DP)

Ação tem a meta de reduzir o volume desses resíduos no ambiente (Foto: Jô Folha - DP)

Neste sábado (30), desde as 8h, o Sanep deu início ao projeto Plástico Zero, uma iniciativa que busca abrir caminhos para uma nova e importante mudança de hábitos em Pelotas: a troca de sacolas plásticas por alternativas sustentáveis e responsáveis ambientalmente. A ação terá início nas feiras livres das avenidas Bento Gonçalves e Dom Joaquim, com uma proposta aos consumidores: a de trocar os saquinhos de plástico por ecobags de pano, para que elas sejam reutilizadas nas feiras.

Serão realizadas 15 atividades educativas em cinco feiras do município para informar à população sobre as mudanças que são projetadas pela Secretaria de Desenvolvimento Rural, parceira do projeto. Através de regulamento proposto aos feirantes, haverá alteração no formato atual e não será mais realizada a distribuição gratuita de sacolas plásticas nas feiras, com substituição inicial por sacos de papel, a partir do dia 18 de junho. Depois disso, haverá um trabalho gradual para manter o processo sem sacolas plásticas.

O diretor-presidente do Sanep, Alexandre Garcia, salienta que o formato adotado em Pelotas vai inverter a lógica do que tem acontecido em outras cidades do país e que apresenta poucos resultados a longo prazo. "Em vez de simplesmente proibir o uso de sacolas plásticas, nós decidimos trabalhar a conscientização antes, para que a população entenda e vá criando esta consciência sobre a importância da iniciativa e vá mudando seus hábitos. Vamos distribuir ecobags aos consumidores nestas ações e orientá-los para que sigam usando sacolas de tecido nas feiras. Não queremos impor uma mudança, queremos que seja gradual e vire um hábito", salienta Garcia. O investimento da autarquia no projeto é de aproximadamente R$ 100 mil.


Destinação atual das sacolas preocupa

O diretor-presidente também explica que estas sacolas praticamente não são recicláveis. Muitas vezes, seu destino acaba sendo o sistema de drenagem da cidade, causando entupimentos e, consequentemente em dias de chuva, alagamentos. Desta forma, o projeto complementa outros dois programas de limpeza iniciados pelo Sanep, voltados aos canais de macrodrenagem e bocas de lobo do município, uma vez que sacos plásticos são os mais recorrentes nestas desobstruções.

Por isso, além de limpar mais de 80 quilômetros de canais e mil bueiros em Pelotas, a autarquia investe em dois princípios da sustentabilidade: a redução e a reciclagem, com a ampliação da coleta seletiva, e o projeto que transforma óleo de cozinha usado em produtos de limpeza, por exemplo. Inicialmente, o Plástico Zero estará em feiras orgânicas e livres da cidade, com a expectativa de que ele torne autossustentável com o tempo.

Iniciativa inicia no mês do Meio Ambiente

As mudanças no formato do uso de sacolas plásticas nas feiras livres iniciam no mês em que se comemora o Dia Mundial do Meio Ambiente - 5 de junho. As sacolas plásticas levam cerca de 400 anos para se decompor na natureza. De acordo com o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, o planeta produz cerca de 300 milhões de toneladas de lixo plástico por ano, sendo que, até o momento, somente 9% dos resíduos plásticos gerados foram reciclados. Ainda segundo o órgão, oito milhões de toneladas de plástico são despejadas nos oceanos anualmente, o que projeta maior incidência deste material nas águas do que de peixes, em 2050.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados