Consciência

Para jogar no lixo, de maneira consciente

Leocádia e Dunas foram contemplados com a 4ª edição do Dia do Bota Fora

27 de Fevereiro de 2020 - 20h30 Corrigir A + A -
Restos de materiais de construção e galhos de árvores foram alguns dos resíduos coletados pelas equipes (Foto: Jô Folha - DP)

Restos de materiais de construção e galhos de árvores foram alguns dos resíduos coletados pelas equipes (Foto: Jô Folha - DP)

Diminuir cada vez mais o lixo nas ruas, e de forma correta. Esse é o objetivo do Dia do Bota Fora. A iniciativa concluiu a quarta edição, que desta vez ocorreu na Leocádia, no Areal. Além de lá, a rua 20 do loteamento Dunas também foi contemplada com um mutirão de limpeza. No total, 26 cargas foram levadas para o aterro sanitário licenciado ou para o transbordo.

O projeto foi instituído por meio da lei nº 6.193, desde julho do ano passado. A ação disponibiliza aos moradores a oportunidade de descartar todo tipo de resíduo que não é coletado semanalmente como galhos de árvores, sobras de materiais de construção, colchões, móveis desmontados e eletrodomésticos. Esses resíduos são aceitos nos quatro ecopontos da cidade, por isso, preferencialmente, a Secretaria de Serviços Urbanos e Infraestrutura (Ssui) contemplará bairros que não possuem o serviço.

A diretora operacional da Ssui, Lúcia Amaro, conta que mensalmente, 600 cargas são recolhidas das ruas. Então, a iniciativa visa unir o trabalho diário da Secretaria, mais a soma dos ecopontos, e então descartar tudo de maneira correta. O Dia do Bota Fora sempre é divulgado antecipadamente, pois espera que os moradores já coloquem seus resíduos na frente de casa - um dia antes - para ser recolhido pelas equipes. "É a única forma legal para descartar lixo na rua", alertou. Outro ponto destacado pela profissional é como o projeto e os mutirões auxiliam na hora das cheias. "Se não fosse recolhido iria entupir canais e bueiros", disse. Ela lembra que em meio a seca ninguém recorda que resíduos descartados de forma incorreta são causadores de enchentes. "É preciso prevenir".

O pedido que Lúcia faz à população é que fiquem atentos à próxima edição e participem. Desse modo, e com cada um fazendo sua parte é possível pensar em uma cidade com cada vez menos lixo nas ruas. O chefe de departamento da Ssui, Arnaldo Silva, acompanhou o dia de coletas e aprovou a colaboração dos pelotenses. "Estamos satisfeitos", garantiu. A Ssui disponibilizou seis e caçambas e seis retroescavadeiras para o dia de coletas. Na parte da manhã ficou concentrada na Leocádia e à tarde deslocou-se até o Dunas.

Mesmo não possuindo nada que fosse possível descartar naquele momento, Altemir Antônio Nunes, morador do Dunas, observou o trabalho das equipes e classificou como boa a ação. Porém, alertou que há cerca de três meses não havia nenhum tipo de limpeza na rua, e garante que o acúmulo de resíduos é grande naquela região. O pedreiro de 51 anos pede que, a partir de agora, os moradores da redondeza colaborem para manter a via limpa. "Cada um precisa fazer a sua parte", falou.

Os ecopontos

Unidade Areal - Avenida Juscelino Kubitscheck de Oliveira, 3195
Unidade Laranjal - Rua Bom Jesus, 95
Unidade Fragata - Rua Epitácio Pessoa, 915
Unidade Balsa - Paulo Guilayn, 201

As unidades funcionam de segunda a sexta-feira das 8h às 12h e das 14h às 18h. Aos sábados das 8h às 12h e das 13h às 17h, exceto a Unidade Fragata.

 


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados