Retorno

Obras na ETA São Gonçalo devem ser retomadas em breve

Após notificação, consórcio executor já está em Pelotas para dar sequência ao trabalho

02 de Dezembro de 2020 - 09h25 Corrigir A + A -
As intervenções no local começaram em 2015 e atualmente a obra está 69,97% concluída (Foto: Carlos Queiroz - DP)

As intervenções no local começaram em 2015 e atualmente a obra está 69,97% concluída (Foto: Carlos Queiroz - DP)

As obras Estação de Tratamento de Água (ETA) São Gonçalo estão, enfim, próximas do retorno. O Sanep notificou o consórcio executor da obra, para que retomasse os trabalhos em outubro e, na última segunda-feira, uma reunião acertou os detalhes do retorno, que deve ocorrer em breve.

A paralisação ocorreu em março por conta da pandemia do novo coronavírus - um decreto municipal, à época, proibia utilização de mão de obra de fora do Rio Grande do Sul, como é o caso da Enfil, oriunda de São Paulo. Porém, o dispositivo foi revogado no dia 14 de outubro, não havendo mais justificativas para que a empresa não retomasse os trabalhos. Com isso, o Sanep optou por notificar o consórcio pedindo o retorno.

De acordo com a diretora-presidente da autarquia, Michele Alsina, as empresas já se encontram em Pelotas e realizaram uma reunião juntamente com a equipe técnica do Sanep com o objetivo de estabelecer um cronograma, que deverá ser entregue à autarquia nos próximos dias, para a retomada da obra. “A intenção é efetuarmos um planejamento eficaz para que o retorno seja imediato”, frisa.

Michele prossegue, salientando que as atividades principais da construção da ETA São Gonçalo já foram executadas, mas não são visualizadas, como o percurso da adutora. “Ademais, só com a instalação das bombas já adquiridas, e correções de pequenas atividades, o percentual de execução do contrato pode atingir 80% em dois meses de trabalho dedicado.”

Atualmente, o índice de conclusão é de 69,97%. Entre as atividades de responsabilidade do consórcio que restam ser feitas estão a finalização a parte civil da área de captação e das caixas de inspeção no percurso da adutora; painel elétrico do sistema de ventilação que a ser adquirido pela empresa contratada; instalações elétricas e instrumentação do transmissor de vazão, transmissor ultrassônico, analisador de turbidez e analisador de flúor; entre outras. Pelo Sanep, faltam a travessia do arroio Moreira, a travessia da malha ferroviária e obra simplificada no R1 para reativação.

Relembre

A obra da ETA São Gonçalo teve o contrato assinado em 2014, com prazo de conclusão estipulado em dois anos e valor total de R$ 40 milhões oriundos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). O objetivo é que a estrutura trate 500 litros de água por segundo, se tornando responsável por 40% da distribuição na cidade.

Os trabalhos iniciaram em 2015, mas ao longo do tempo a obra passou por contratempos diversos. Entre eles, alterações no projeto , reorganizações junto à Caixa Econômica Federal e, agora, a pandemia do coronavírus. Além disso, por diversas vezes houve problemas relacionados ao consórcio vencedor da licitação, como atraso no pagamento de salários e constantes insatisfações do Sanep quanto ao ritmo dos trabalhos.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados