Pandemia

Número de casos é dez vezes maior do que o notificado em Bagé

Estimativa faz parte do primeiro relatório do estudo populacional da Covid-19 realizado em uma parceria entre Unipampa, UFPel e prefeitura

20 de Maio de 2020 - 19h54 Corrigir A + A -

Por: Michele Ferreira
michele@diariopopular.com.br 

Participantes do estudo fazem o teste rápido, para identificar se possuem anticorpos à doença (Foto: Giovana Pereira)

Participantes do estudo fazem o teste rápido, para identificar se possuem anticorpos à doença (Foto: Giovana Pereira)

O total de casos confirmados de Covid-19 é dez vezes maior do que o oficial, em Bagé. A estimativa integra o primeiro resultado do estudo populacional que une Universidade Federal do Pampa (Unipampa), Universidade Federal de Pelotas (UFPel) e prefeitura. Outras três rodadas para coleta de dados ainda estão por vir. Nesta quinta (21) e sexta-feiras (22), as equipes estarão mais uma vez nas ruas para identificar a velocidade com que o novo coronavírus se propaga e contribuir para tomada de decisões do Poder Público no enfrentamento à doença.

O primeiro relatório indicou: a prevalência de contaminação é de 0,3%. Ao projetá-la para o total da população - de 121 mil habitantes - é possível afirmar que cerca de 363 pessoas já tenham sido infectadas, em Bagé. Se considerado que o número de casos registrados até o momento é de 35, o estudo permite sustentar que o cenário da pandemia é, pelo menos, dez vezes maior do que o notificado no município.

"O estudo reflete o número de pessoas que apresentaram anticorpos para o vírus, o que indica que houve exposição sem necessariamente terem ocorrido sinais clínicos", explica a professora da Unipampa, Débora Pellegrini.

Saiba mais
- O estudo desenvolvido em Bagé segue a mesma metodologia adotada na pesquisa que avalia o comportamento do novo coronavírus no Rio Grande do Sul.
- Ao todo, quatro saídas de campo irão verificar o panorama em Bagé.
- Em cada nova rodada, 400 domicílios serão visitados e a escolha se dá por sorteio.
- As pessoas que participam do estudo respondem entrevistas e fazem o teste rápido.
- A cidade foi dividida em 40 zonas censitárias e o alvo está centrado na zona urbana.
- A pesquisa é custeada pela prefeitura de Bagé. "É de extrema importância este trabalho realizado, pela Unipampa e pela UFPel, para que possamos mensurar aspectos importantes relativos ao vírus e pensar em estratégias futuras", destaca o prefeito Divaldo Lara (PTB).

Confira alguns resultados
- O primeiro ciclo para coleta de dados ocorreu nos dias 8 e 9 de maio.
- Apenas 1 teste rápido teve resultado positivo, o que indicou uma prevalência de 0,3%. Na prática, equivale a afirmar que aproximadamente 363 cidadãos já estiveram infectados pelo novo coronavírus em Bagé.
- O relatório também trouxe dados sobre os sintomas. Um em cada dez entrevistados relatou ter apresentado tosse nas duas semanas anteriores à entrevista.
- Pouco mais de 5% dos participantes relataram ter tido dor de garganta, palpitação ou diarreia.
- Cerca de 3,5% mencionaram dificuldade de respirar ou ter sentido menos cheiro.
- Menos de 2% relatou febre ou vômitos.
- Quanto às medidas de distanciamento social, quase 60% dos entrevistados relataram estar conseguindo cumprir as regras para prevenir a expansão da doença.

 


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados