Retorno

Novamente com as portas abertas

BPP retorna com parte das atividades nesta quarta; comunidade poderá acessar o local a partir das 8h

20 de Outubro de 2020 - 21h55 Corrigir A + A -
Local precisou ser fechado em março deste ano (Foto: Jô Folha - DP)

Local precisou ser fechado em março deste ano (Foto: Jô Folha - DP)

Fechada desde março, devido à pandemia da Covid-19, a Bibliotheca Pública Pelotense (BPP) reabrirá a partir desta terça-feira (21), às 8h. Mesmo com alguns serviços restritos, o público poderá prestigiar o local de segunda a sexta, das 8h às 12h e das 13h às 17h. O horário do meio-dia, que tradicionalmente recebia os que almoçavam pelo Centro e depois optavam por ler um livro, será destinado à higienização. Disponibilização de álcool gel, uso obrigatório de máscara e distanciamento são algumas das medidas adotadas pela Bibliotheca.

A diretora-presidente da BPP, Lisarb Crespo da Costa, conta que o grupo optou por uma retomada gradual, mas responsável. Neste primeiro momento, os empréstimos dos livros estão liberados, serviço que só estava ocorrendo por agendamento. Ela explica que após a devolução, as obras passarão por uma espécie de quarentena e só depois retornarão às estantes para serem emprestadas novamente. Além disso, a BPP também estará aberta aos que desejam realizar alguma leitura por lá. Quatro mesas, cada uma com uma cadeira, estarão disponíveis. O setor de pesquisa e hemeroteca permitirá que três pesquisadores por turno acessem a sala.

A parte superior do prédio ficará fechada, sendo liberada apenas para os pesquisadores. Por enquanto, o Museu da BPP, o setor infanto-juvenil, que foi todo reformulado recentemente, e as atividades com o ônibus seguem suspensos. "Ainda não é o momento", frisa a diretora. Os impactos econômicos que o local sofreu durante os três meses de fechamento integral e depois com retorno do serviço interno foram significativos. Entretanto, Lisarb acredita que a retomada seja um ponto crucial para reverter a situação. Muitos dos sócios acabaram não pagando a mensalidade nesse período, outros tantos conseguiram manter em dia e realizaram os pagamentos via transferência bancária, por exemplo. "E muitos dos que não estavam tendo condições de pagar já estão nos procurando", conta .

Antes da crise sanitária, cerca de cem pessoas passavam pela BPP diariamente. Ter que fechá-la causou tristeza à diretora-presidente. "Eu fiquei muito frustrada", diz. Porém, ressalta a importância da cultura nesse momento de isolamento e pede que os governantes percebam que fomentar arte é fundamental. "Ninguém nesse período ficou sem assistir uma live, ler um livro, que o Poder Público entenda que investir em artistas, bibliotecas e teatros é essencial".

Agora, a BPP espera a comunidade pelotense, seja para uma breve leitura, uma pesquisa e até mesmo para virar sócio e ajudar na retomada. "Estamos voltando com tudo, prontos para atender nosso público e manter nossa casa viva", completa Lisarb, animada.

 


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados