Ensino

No Brasil, apenas 10,3% dos jovens sabem o inglês

Domínio do idioma é fundamental no desenvolvimento de uma carreira

02 de Fevereiro de 2020 - 08h33 Corrigir A + A -
Dificuldade. E você consegue se comunicar neste idioma?

(Foto: Divulgação)

Dificuldade. E você consegue se comunicar neste idioma? (Foto: Divulgação)

Formar melhor os professores e definir formas de ensinar que sejam mais atraentes aos estudantes são alguns dos principais desafios que o Brasil deve enfrentar para de fato aprender inglês. A partir deste ano, o país começa a implementar, no Ensino Fundamental, a Base Nacional Comum Curricular, um documento que define o mínimo que todos os estudantes no país têm direito de aprender, e o inglês está previsto nesse documento.

Aulas de inglês não são novidade nem em escolas públicas, nem em particulares, uma vez que a maioria oferece o idioma, mas um estudo do British Council mostra que apenas 10,3% dos jovens, de 18 a 24 anos, dizem saber inglês. O percentual é menor se consideradas as pessoas mais velhas, com mais de 16 anos, chega a 5,1%.

"A gente não para pra pensar por que não está aprendendo inglês. Então, se a gente quer mudar esse cenário (precisa se perguntar) o que precisa mudar na maneira como se tem aprendido inglês porque provavelmente não está funcionando", diz a gerente sênior de Inglês do British Council Brasil, Cíntia Gonçalves.

As respostas vêm de vários eixos, de acordo com o estudo do conselho, um deles a formação de professores. "O Brasil tem em torno de 62 mil professores de inglês nos ensinos Fundamental e Médio e há grande contingente de professores que não estão habilitados em língua estrangeira ou inglesa", diz.

Além disso, aulas muito voltadas para a gramática e aspectos pouco práticos tendem a não ser tão atraentes aos estudantes. "Buscamos nos currículos qual a visão que os estados têm de inglês e língua estrangeira porque isso vai orientar a sala de aula. Vimos que a maior parte dos estados tem uma visão predominantemente ou totalmente voltada para gramática." Há bons exemplos em todo o país, mas, de acordo com Cíntia, ainda é preciso definir um objetivo claro de onde queremos chegar como nação, para que as boas práticas cheguem a todas as escolas. "Antes de falar que precisa melhorar o ensino de inglês, tem que se definir onde quer chegar. A partir desses objetivos, traçar metas e ter plano de ação. Isso que o Brasil precisa definir como nação. O que a gente quer com os alunos aprendendo inglês? Para quê? Porque é isso que vai pautar o ensino e aprendizado."

No Ensino Superior
Ter um boa base de inglês é o que fará com que os brasileiros possam ter maior internacionalização do Ensino Superior, fazendo com que as pesquisas desenvolvidas no país ganhem uma dimensão global. "Hoje em dia, a informação que circula no mundo acadêmico é produção em inglês. Há demanda por ter acesso à produção corrente, à troca. Entrar no circuito de discussão sobre pesquisa a aprendizagem de inglês é fundamental", diz a professora da Universidade Federal de Minas Gerais, Maria Lúcia Castanheira.

Maria Lúcia é uma das responsáveis pelo estudo Paisagens de língua e letramento em mudança nas universidades brasileiras - O Inglês no desenvolvimento da política e da prática linguística, desenvolvido em parceria com a Universidade de Brasília e a Universidade de Birmingham, no Reino Unido.

O grupo mostrou que as formas como cada instituição trabalha com o uso de outros idiomas além do português varia. Há disciplinas inteiramente ministradas em outros idiomas, em que os estudantes leem textos em idiomas estrangeiros, mas as discussões são feitas em português.

Estrangeiras
A aprendizagem de inglês em diversos países é feita nas principais universidades do mundo. Uma das formas de ensinar é o chamado inglês como meio de instrução. Trata-se de ensinar não apenas o inglês, mas determinada disciplina ou conteúdo em inglês, como é feito, por exemplo, em escolas bilíngues.

Estudos mostram, no entanto, que nem sempre os estudantes conseguem, sem uma base forte na língua estrangeira, absorver todo o conteúdo. "Observamos que os alunos (de universidades de outros países) que têm acesso a aulas de apoio de inglês com propósitos acadêmicos (ou seja, com os jargões de cada área) têm mais sucesso do que aqueles que têm acesso apenas ao conteúdo ensinado em inglês", diz o professor associado em linguística aplicada da Universidade de Oxford, Heath Rose.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados