Saúde

Necessário na hora de procurar o médico

Cartão SUS é confeccionado em novo endereço em Pelotas, e é requisitado para qualquer serviço na rede pública ou para convênios particulares

05 de Abril de 2019 - 09h00 Corrigir A + A -
Quem possui o cartão sem o número sete como primeiro dígito, precisa procurar o DAU para atualizá-lo (Foto: Jô Folha - DP)

Quem possui o cartão sem o número sete como primeiro dígito, precisa procurar o DAU para atualizá-lo (Foto: Jô Folha - DP)

Item de extrema importância na procura pelo atendimento na rede pública de saúde, o Cartão SUS agora é confeccionado em novo endereço em Pelotas. Localizado na antiga Estação Férrea, o Departamento de Acolhimento ao Usuário (DAU) é um dos locais onde o documento pode ser feito. As Unidades Básicas de Saúde (UBS) dos bairros e os agentes de saúde também podem gerar a identificação à comunidade.

Todo o usuário do sistema público e de planos de saúde deve obter a identificação. É uma espécie de "passaporte", explica a chefe do departamento, Ana Carolina Perez Barão. Ela conta que o público pelotense é bastante engajado em emitir o documento, mas a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) não possui dados de quantos moradores possuem o cartão, ou o tamanho da defasagem. No entanto, apenas no DAU, cerca de mil a 1,2 mil são confeccionados mensalmente. A grande maioria é de solicitação por segundas vias, atualização de cadastros, inserção de recém nascidos e adição de novos moradores no município.

Não possuir o cartão não significa a impossibilidade de receber atendimentos de emergência. No entanto, ele é necessário à continuidade de tratamentos eletivos. Para recebê-lo, é necessário comprovação de moradia em Pelotas, além de identidade e CPF. Para crianças de até quatro anos, a certidão de nascimento, junto ao comprovante, já basta. Migrantes novos no município precisam comprovar também o estabelecimento do vínculo, seja com prontuário de atendimento em UBS, comprovante de residência (reconhecido em cartório caso esteja no nome de terceiros), carteira de trabalho com vínculo ou matrícula escolar. "É um acesso para qualquer serviço", explica Ana Carolina. Tratamentos dentários ou recebimento de vacinas são dois exemplos.

Ado Ricardi, na tarde desta quinta (4), resolveu fazer o primeiro cartão do filho de três anos de idade. Por prevenção, segundo ele. "O pediatra pediu que fizesse, por qualquer necessidade", explica. Ele próprio já possuía o cartão. Embora utilize-se mais da rede particular, até mesmo para obter planos privados de saúde necessita do cadastro junto ao SUS.

Atualização
É necessário manter o cadastro sempre atualizado. Algumas UBS do município possuem estratégias voltadas à saúde da família, por isso é preciso ter mapeado todos os moradores da região. Além disso, o usuário que já possui o cartão, mas seu número de identificação inicia com um dígito diferente do número sete, precisa fazer a atualização. Isso é uma demanda do Ministério da Saúde.

Outras funções
O espaço funciona também para a concessão de auxílio de transporte para Tratamento Fora de Domicílio (TFD), ou seja, para quem precisa consultar especialistas em outras cidades. Isso é feito sob orientação da UBS ou do médico que o paciente consultou.

A mudança de endereço do DAU ocorreu por questões de economia, explica a chefe do departamento. Agora, está em espaço próprio do município e próximo ao Centro de Referência em Saúde do Trabalhador (Cerest). Ele fica na praça Rio Branco, número 5, prédio da antiga Estação Férrea. O horário de funcionamento é, de segunda à sexta-feira, das 12h30min às 18h20min.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados