Alimentação felina

Nada de jejum prolongado

Os gatos não devem permanecer muito tempo sem se alimentar; saiba como lidar com os bichanos de apetite caprichoso

10 de Agosto de 2020 - 10h44 Corrigir A + A -
Risco. Longos períodos sem alimentação podem causar danos 
ao fígado e levar à morte (Foto: Divulgação - DP)

Risco. Longos períodos sem alimentação podem causar danos ao fígado e levar à morte (Foto: Divulgação - DP)

Que alguns gatos são bem exigentes e muitos dão trabalho na hora de comer quase todo mundo já sabe. Mas é muito importante não os deixar sem se alimentar por muito tempo, pois o jejum prolongado é prejudicial à saúde dos bichanos.

“Este é um ponto de atenção com os gatos em particular porque o jejum por um período longo, que ultrapasse um ou dois dias (o tempo varia de indivíduo para indivíduo), pode desencadear neles um processo denominado lipidose hepática. Trata-se de uma degeneração gordurosa do fígado, capaz de evoluir para a morte no animal”, explica o médico veterinário Flavio Silva.

Para evitar esse quadro, é importante manter uma rotina de alimentação saudável. Aos gatos de apetite caprichoso, é importante oferecer um alimento de alta qualidade que seja palatável e ter paciência para condicionar o pet. “O que não pode ser feito é adotar uma conduta excessivamente severa e deixar o animal sem comer na tentativa de que, após dias de jejum, ele acabe cedendo e coma o que tem disponível no potinho”, orienta o médico.

Veja algumas dicas para lidar com os bichanos exigentes na hora de comer:
* Oferecer um alimento altamente palatável está entre as atitudes mais determinantes para a melhoria do quadro. E o sabor atraente para o bichano pode ser encontrado em produtos de alta qualidade e alto nível de aproveitamento, que são formulados com proteínas, gorduras e demais nutrientes provenientes de fontes nobres. Ou seja, são alimentos que fazem bem para a saúde e ainda agradam bastante o paladar do gato.

* É preciso observar outros fatores que influenciam a ingestão do alimento, como textura e tamanho dos grãos. Tudo tem que estar de acordo com as necessidades do bichano. Deve-se oferecer sempre um alimento de alta qualidade e próprio para a sua condição (considerando faixa etária, se é castrado ou não e se tem pelos longos, por exemplo).

* Se for oferecer um novo alimento ao gato, é importante fazer a troca gradual seguindo a recomendação do fabricante, pois a mudança repentina pode causar transtornos digestivos e dificultar a aceitação do novo produto.

* Tanto os adultos quanto os filhotes, devem receber a quantidade de alimento recomendada pelo médico veterinário ou também pelo fabricante. Verifique sempre na embalagem do produto que você utiliza qual é recomendação diária de consumo.

* É possível deixar a quantidade diária recomendada disponível para que o pet estabeleça o número de refeições adequado às suas necessidades. Dessa forma, o número de refeições poderá ser determinado pelo gato, mas a quantidade ofertada/dia será controlada pelo tutor.

* Gatos são mais receptivos aos alimentos quando oferecidos em ambiente adequado e familiar. Por isso, é bom estar atento para manter um local fixo e nunca colocar a vasilha de comida perto da caixinha de areia onde ele faz suas necessidades, pois isso prejudica a aceitação.

* Gatos são animais de hábitos noturnos e muitos podem querer comer ao longo da noite. Assim, fique atento, pois há possibilidade de ter de deixar o alimento disponível durante a madrugada.

* Se possível, é interessante acostumar o pet a ser alimentado por diferentes pessoas, para evitar que ele fique sem comer na ausência do tutor.

* Ao oferecer um alimento úmido como petisco, é possível misturá-lo ao alimento seco ou ofertar em um recipiente separado. Porém, o alimento úmido não deve ficar exposto por mais de 30 minutos. Sobras devem ser descartadas e o comedouro higienizado com água e sabão.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados