Saúde pública

Moradores fazem protesto e cobram médico na UBS Cordeiro de Farias

Problema se arrasta há cerca de três meses; ao todo, ainda faltam nove médicos na rede básica de Pelotas

09 de Dezembro de 2019 - 20h37 Corrigir A + A -

Por: Michele Ferreira
michele@diariopopular.com.br 

Moradores enfrentaram o calor acima de 30ºC e realizaram ato na manhã desta segunda-feira (Foto: Paulo Rossi - DP)

Moradores enfrentaram o calor acima de 30ºC e realizaram ato na manhã desta segunda-feira (Foto: Paulo Rossi - DP)

Elizabeth Rehling conta que, não raro, a comunidade se sente abandonada, devido a vários problemas, não só na área da saúde (Foto: Paulo Rossi - DP)

Elizabeth Rehling conta que, não raro, a comunidade se sente abandonada, devido a vários problemas, não só na área da saúde (Foto: Paulo Rossi - DP)

Latas, garrafas PET e panela se transformaram em instrumentos para chamar a atenção, na manhã desta segunda-feira (9). Moradores do 5º distrito reuniram-se em protesto pela falta de médico na Unidade Básica de Saúde (UBS) Cordeiro de Farias. Um problema que se arrasta há cerca de três meses e já gerou, inclusive, abaixo-assinado. Ao todo, nove médicos desfalcam a rede básica de Pelotas, atualmente, e em três desses locais a população não tem outro profissional a quem recorrer. E o pior: as três situações ocorrem na colônia.

O misto de preocupação e indignação também foi expresso em cartazes: Cansamos de esperar. Queremos atendimento médico. O apelo se espalhou pela frente da UBS e contou com apoio de estudantes da Escola Estadual Santa Eulália. Com a enfermeira em férias e em vias de se aposentar, o quadro fica ainda mais delicado. A técnica em Enfermagem, não raro, se vê sem alternativa: ouve as demandas, sabe da importância dos atendimentos e do investimento em prevenção, mas fica restrita às atribuições que está legalmente apta a desempenhar. Coleta para exames de pré-câncer de colo de útero e acompanhamento de pré-natal, por exemplo, não podem ser realizados.

A jovem Greice Silva, 27, sabe bem. Com seis meses de gestação, passou até agora por apenas duas consultas; ambas na UBS Fraget, no bairro Fragata. "E complicado ter que ir até a cidade para poder fazer o pré-natal", lamenta. Referência como integrante do Conselho local da UBS Cordeiro de Farias, Elizabeth Hirdes Rehling, 61, também recebe várias reclamações da comunidade, que sabe da orientação de que devem buscar solução perto de casa, mas muitas vezes acabam por engrossar a superlotação do Pronto-Socorro de Pelotas (PSP) ou por bater à porta da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) porque a estrutura da UBS não é suficiente. "O pessoal vai se sentindo abandonado, porque não são só os problemas de saúde. Também têm a buraqueira das estradas e as questões de falta de segurança", desabafa Elizabeth.

Promessa é de solução em breve, mas não há data definida
A diretora da Atenção Primária, Sabrina Lima, garante que o objetivo da prefeitura é resolver os casos o mais rápido possível, mas não apresentou data para as equipes estarem completas. "Queremos resolver em breve; em um mês", projeta.

A secretária de Saúde, Roberta Paganini, faz referência ao término do Programa Mais Médicos - que ainda deixa consequências na rede básica - e destaca que a aprovação do projeto de lei que permitirá parceria com as universidades Católica e Federal de Pelotas, através dos cursos de Residência, é uma das possibilidades para superar o déficit de pessoal nas UBSs. Uma reunião nesta terça-feira (10) pela manhã servirá para verificar quantos médicos já estão inscritos para as residências. "Mas só teremos este quantitativo do número de profissionais que vamos conseguir, em janeiro, porque muitos se inscrevem em vários cursos e aguardam ser aprovados para escolher qual Residência vão fazer", explica.

A expectativa é de que, com o projeto de lei aprovado em 31 de outubro, a prefeitura de Pelotas possa complementar as bolsas oferecidas pelo Ministério da Educação (MEC) no valor de R$ 3,2 mil e repassar outros R$ 5,5 mil, por mês, aos residentes, para que eles se interessem de atuar na rede básica de saúde pelotense.

Confira onde faltam médicos atualmente 
- Na zona rural:
* Nas UBSs Cordeiro de Farias, Vila Maciel e Corrientes. Nos três locais, a população contava com apenas um profissional. Então, permanecem sem atendimento.

- Na zona urbana
* Nas UBSs Dunas, Guabiroba, Dom Pedro I, Navegantes (faltam dois profissionais) e Sítio Floresta


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados