Resgate

Mais quatro meninos são resgatados de caverna na Tailândia nesta segunda

O perigoso resgate é feito por passagens escuras e apertadas, cheias de água barrenta e correntes fortes, e também sem muito oxigênio

09 de Julho de 2018 - 15h41 Corrigir A + A -

Por: Folhapess

Mais quatro meninos foram resgatados da caverna na província de Chiang Rai, na Tailândia, nesta segunda (9), segundo fontes ouvidas pela agência Reuters, depois de quatro garotos serem retirados da gruta no domingo (8).​

Um grupo de 12 meninos e o treinador de futebol deles haviam ficado presos na caverna alagadiça há duas semanas. Após os resgates desta segunda, quatro meninos e o treinador, de 25 anos, seguem na caverna.
O perigoso resgate é feito por passagens escuras e apertadas, cheias de água barrenta e correntes fortes, e também sem muito oxigênio. Um ex-SEAL da marinha tailandesa desmaiou fazendo o mergulho nesta sexta-feira e morreu.

O governador em exercício de Chiang Rai, Narongsak Osatanakorn, disse nesta segunda que as condições para o resgate eram tão boas quanto no dia anterior. "Vamos fazer [o resgate] mais rápido porque temos medo da chuva", disse ele.

As autoridades decidiram acelerar os esforços para retirar os meninos da caverna devido à preocupação com as chuvas. Apesar da tempestade durante a madrugada, o nível da água não subiu dentro da caverna nesta segunda, mas as autoridades continuam bombeando água para fora do local.

Os quatro meninos resgatados no domingo estão felizes e saudáveis, segundo o governo tailandês. "Hoje de manhã eles estavam com fome e queriam comer khao pad grapao", disse Narongsak, referindo-se a um prato tailandês de carne frita, chili e manjericão servido com arroz.

Os garotos resgatados estão passando por exames no hospital e ainda não puderam ter contato físico com seus familiares, devido a preocupações com infecções.

Os 12 meninos estavam explorando as cavernas de Tham Luang Nang Non em 23 de junho e ficaram presos quando o local alagou devido a chuvas. Eles foram localizados dez dias depois.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados