Pandemia

Lockdown em Pelotas começa no fim de semana

Fechamento de atividades e restrição da circulação de pessoas será das 20h do sábado até o meio-dia de terça-feira; saiba o que vai funcionar

05 de Agosto de 2020 - 16h18 Corrigir A + A -

Por: Michele Ferreira
michele@diariopopular.com.br 

Fiscalização será intensificada para garantir o cumprimento do decreto (Foto: Leandro Lopes - DP)

Fiscalização será intensificada para garantir o cumprimento do decreto (Foto: Leandro Lopes - DP)

*Atualizada às 19h13min para acréscimo de informações.

Pelotas deve interromper as atividades por 64 horas. O lockdown começa a valer no sábado (8), às 20h, e se estende até as 12h de terça-feira. Comércio, supermercados, padarias, restaurantes, indústrias, bancos e lotéricas. Todos devem permanecer de portas cerradas. A circulação nas ruas também estará proibida. O transporte coletivo ficará suspenso. A fiscalização será ampliada, com direito à aplicação de multas.

O anúncio foi feito pela prefeita Paula Mascarenhas (PSDB), em transmissão ao vivo nas redes sociais, na tarde desta quarta-feira (5). O detalhamento sobre a medida, drástica, coincidiu com o pior dia da pandemia, em Pelotas. Cinco mortes foram notificadas e mais 64 casos positivos foram registrados; dois recordes lamentáveis.

"Queremos coletivizar o esforço por um benefício maior. Precisamos evitar o pior e o sofrimento", sustentou. E, ao mencionar por mais de uma vez que o lockdown não se trata de medida de um governo e sim uma ação de enfrentamento da Covid-19, Paula reiterou que nenhum prejuízo econômico é maior do que as mortes provocadas pelo avanço do novo coronavírus. "Isso, sim, é algo irrecuperável".

Confira o que poderá funcionar

- Farmácias e drogarias, para venda exclusiva de medicamentos

- Clínicas médicas, veterinárias e odontológicas, em regime de urgência e emergência

- Distribuidoras de gás, sem restrição de horários

- Postos de combustíveis apenas para abastecimento. No domingo não poderão abrir.

- Serviços funerários e cemitérios

- Serviços públicos essenciais, como o Sanep - apenas para casos de emergência

- Hospitais, Pronto-Socorro de Pelotas (PSP), Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) e Unidades Básicas de Saúde (UBSs)

- Forças de segurança

- Meios de comunicação, com preferência ao teletrabalho

- Manutenção de funcionamento de caldeiras e secadores de grãos em indústrias que desempenham atividades essenciais, com a presença de até dois funcionários.

(*) O atendimento nesses locais será limitado a, no máximo, uma pessoa por família, restrito a um cliente por atendente

Leitos de UTI seguem no limite

A ocupação das Unidades de Tratamento Intensivo (UTI), específicas para o tratamento da doença, desponta entre as preocupações do Poder Público e da comunidade em geral. Dados do boletim liberado pela Vigilância Epidemiológica, na tarde desta quarta, indicavam que 29 pacientes estavam internados em leitos de UTI; 28 adultos e uma criança. Havia, portanto, quatro vagas pediátricas e duas para adultos.

Paula Mascarenhas negou que Pelotas tenha atingido 100% da capacidade, na noite de terça-feira, e precisado transferir pacientes para a cidade de Bagé. O Diário Popular tentou contato com o Hospital-Escola da Universidade Federal de Pelotas (HE-UFPel) e com a Beneficência Portuguesa - referências no atendimento Covid -, mas as duas instituições decidiram não se manifestar sobre o assunto. Restringiram-se a explicar que toda a regulação para definir para onde vai cada paciente é feita pelo Município e preferiram não comentar como as equipes têm atuado, diante da tensão dos últimos dias.

Ampliação de leitos pode vir de três frentes

1) Através do programa federal Conta Comigo: A Secretaria de Saúde já solicitou apoio da União para o encaminhamento de 30 médicos. Atualmente, Pelotas dispõe de equipamentos para montagem de mais dez leitos de UTI, mas não consegue colocar o projeto em prática devido à falta de profissionais. "Estamos trabalhado incessantemente, mas não tem como comprar nem fabricar recursos humanos", enfatizou a prefeita durante a live.

2) Através da contratação de uma terceirizada: A hipótese é cogitada, sob o argumento de que através de uma Organização da Sociedade Civil, responsável pela contratação das equipes, um salário maior pudesse ser oferecido e, então, surgissem trabalhadores interessados. Uma empresa já teria se candidato a assumir a gestão de pessoal e a fase seria de trâmites burocráticos.

3) Novo contrato com hospital: As negociações também estão em andamento e a Procuradoria Geral do Município (PGM) analisa os termos dessa possível contratação. As tratativas, entretanto, não deverão garantir uma ampliação em prazo inferior a dez ou 15 dias.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados