Estiagem

Lara reúne entidades do setor agrícola para tratar da estiagem

Lara destacou que, além das medidas já anunciadas pelo Estado, será necessário reforçar o pedido de apoio ao governo federal

21 de Janeiro de 2020 - 20h20 Corrigir A + A -

Por: Redação
web@diariopopular.com.br

Lara disse que será necessário reforçar o pedido de apoio ao governo federal (Foto: Divulgação - DP)

Lara disse que será necessário reforçar o pedido de apoio ao governo federal (Foto: Divulgação - DP)

O governo do estado monitora a situação da estiagem desde que os registros de precipitação começaram a minguar, no começo de dezembro. Dando sequência ao tema, o governador em exercício, Luís Augusto Lara, recebeu, na manhã desta terça-feira (21), no Palácio Piratini, representantes do setor agrícola, de movimentos sociais e dos municípios para fazer um levantamento das perdas causadas pela ausência de chuva.

Lara destacou que, além das medidas já anunciadas pelo Estado, será necessário reforçar o pedido de apoio ao governo federal. “Esse é o tema que mais angustia os gaúchos no momento. A cada cinco anos, enfrentamos o problema, mas sempre parece que é a primeira vez. Temos de enfrentar o tema com pressão política, vontade e orçamento”, garantiu o governador em exercício.

Entre as medidas, estão as solicitações, direcionadas ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, de prorrogação do prazo de zoneamento agrícola e de reserva de cota extra do seguro agrícola. “O secretário Covatti Filho está em contato com a ministra Tereza Cristina”, garantiu o secretário em exercício de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural, Luiz Fernando Rodriguez Júnior.

A pasta vem acompanhando as perdas registradas nas principais lavouras e culturas. Desde o começo de janeiro, foram realizadas diversas reuniões com entidades do setor para verificar a situação e mitigar as perdas. O boletim mais recente da Defesa Civil contabiliza, até o momento, 74 municípios em situação de emergência devido à estiagem. As culturas mais afetadas são milho, fumo, soja e feijão.

 


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados