Lembrança

Homenagem em tom de alerta

Amigos de João Pedro Nunes e Silva, vítima do primeiro latrocínio do ano em Pelotas, promovem manifestação para honrar a memória do amigo e alertar contra a violência

17 de Janeiro de 2020 - 19h45 Corrigir A + A -
João Pedro completaria 23 anos no domingo (Foto: Reprodução - Facebook)

João Pedro completaria 23 anos no domingo (Foto: Reprodução - Facebook)

"Perdemos um amigo por causa de um celular". Carregada de tristeza, essa é a forma que Otávio de Souza, de 28 anos, define o sentimento dos amigos de João Pedro Nunes e Silva, jovem de 22 anos e vítima do primeiro latrocínio no ano em Pelotas. Uma ferida que nunca cicatrizará nos familiares e amigos, mas que motivou para honrar a memória de João. Os amigos da vítima organizaram uma manifestação neste sábado (18), a partir das 16h30min, em frente aos Correios, na rua Tiradentes.

Este domingo marcaria o aniversário de 23 anos da vítima. João Pedro morreu esta semana, em decorrência de um tiro enquanto caminhava pela rua Almirante Barroso com os amigos. Ao tentar fugir de um assalto, na última terça-feira, acabou atingido na perna. Família e amigos perderam um ente querido, e Pelotas perde mais um jovem para a violência. "Perdemos um talento. Ele tinha um livro de poesias, escrevia bem. A gente nunca vai saber onde ele poderia chegar por causa disso que aconteceu. E nós vamos homenageá-lo, ouvindo suas músicas e andando de skate, que eram coisas que ele gostava bastante" declarou Otávio, que está à frente da organização do ato.

A homenagem foi planejada para, além de honrar a memória da vítima, alertar a população sobre a violência na cidade. Segundo dados da prefeitura de Pelotas, aconteceram oito latrocínios durante o ano passado. Foram registradas também 74 vítimas dos Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI), entre as quais 34 tinham idades entre 15 e 29 anos, no mesmo período. A expectativa é que cerca de cem pessoas participem das atividades. Serão realizadas sessões de skate e tocarão músicas compostas por João, além de leituras de seu livro de poesias.

Preconceito contra o esporte
Outro tema que será abordado na manifestação é o preconceito contra pessoas que andam de skate. O esporte, que foi confirmado pelo Comitê Olímpico Internacional (COI) como modalidade olímpica e estreia nas Olimpíadas em Tóquio este ano, ainda é encarado de maneira preconceituosa. "Pelo fato da gente usufruir muito do urbanismo da cidade, estar muito na rua, as pessoas acabam tendo uma impressão ruim de nós. Estamos cansados disso, saturados. As pessoas têm esse preconceito por andarmos na rua muito tempo. Se incomodam com a gente andando de skate e não reclamam de outros problemas do país" desabafou Otávio.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados