Obras

Governo autoriza início da dragagem do Canal da Feitoria em Pelotas

Investimento de R$ 16,4 milhões garantirá navegabilidade e segurança ao trecho da hidrovia na Lagoa dos Patos, no Sul do Estado

29 de Maio de 2020 - 11h05 Corrigir A + A -
Assinatura da ordem de serviço para início da obra foi realizada no Palácio Piratini. (Foto: Felipe Dalla Valle/Palácio Piratini)

Assinatura da ordem de serviço para início da obra foi realizada no Palácio Piratini. (Foto: Felipe Dalla Valle/Palácio Piratini)

Considerado um dos mais importantes trechos da hidrovia que liga os portos de Porto Alegre e de Rio Grande, o Canal da Feitoria, localizado ao sul da Lagoa dos Patos, passará por uma dragagem depois de 12 anos. Em um ato realizado no Palácio Piratini, na tarde de quinta-feira (28), o governador Eduardo Leite e o superintendente dos Portos do Rio Grande do Sul (Portos RS), Fernando Estima, assinaram a ordem de serviço para início da obra orçada em R$ 16,4 milhões.

Com o agravamento da situação da hidrovia devido à estiagem e os constantes encalhes de embarcações – que, além de interromper as navegações, levam sedimentos ao canal e provocam movimentação nos desencalhes –, a dragagem de 11 dos 17 quilômetros do canal é considerada fundamental para manter uma navegabilidade segura do trecho.

“Esse e outros investimentos que já estamos providenciando para a hidrovia são uma importante alavanca para o desenvolvimento do nosso Estado. A gente enfrenta a pandemia, enfrenta a estiagem e segue investindo para que o Rio Grande do Sul seja mais competitivo e, consequentemente, assim que a crise da pandemia passar, possamos ser um Estado mais acolhedor aos investidores privados, gerando mais emprego e renda para a população”, destacou o governador.

O Canal da Feitoria fica na região de Pelotas e faz parte da principal hidrovia gaúcha. Além de conectar os principais portos públicos gaúchos (de Porto Alegre, Rio Grande e Pelotas), faz a ligação de 11 terminais privados e cinco terminais concedidos. Juntos, formam um complexo hídrico que movimenta aproximadamente 58 milhões de toneladas ao ano.

Contratada após disputa por pregão devido ao caráter de emergencialidade da estiagem, a Jan De Nul do Brasil Dragagem será responsável pela obra. A empresa utilizará a draga argentina Afonso de Albuquerque, que já chegou ao Estado e deve começar a operar na próxima segunda-feira (1º).

O prazo para conclusão dos trabalhos é de 180 dias, mas a empresa apresentou um cronograma para finalizá-la em 40 dias. A previsão é de retirar 1 milhão de metros cúbicos de sedimentos ao longo da dragagem.

Segundo o superintendente dos Portos RS, o Estado está pagando pouco mais de R$ 14 pelo metro cúbico – bem abaixo dos mais de R$ 20 investidos pelo governo nos últimos dez anos em dragagens.

Estima ressaltou que a obra no Canal da Feitoria vai recuperar o calado operacional de 5,18 metros, o que significa que os navios poderão chegar ao porto da Capital, de acordo com a estrutura da embarcação, com até 15 mil toneladas.

“Isso tudo com todos os cuidados ao meio ambiente, dando melhor e maior segurança à navegação de embarcações que acessam os nossos portos e facilitando o acesso também aos terminais privados do interior. É um ganho expressivo da navegação no Estado”, ressaltou o superintendente.

O governador ressaltou a importância do trabalho conjunto realizado entre a superintendência dos Portos RS e as equipes da Procuradoria-Geral do Estado (PGE) e das secretarias de Logística e Transportes, Governança e Gestão Estratégica, Meio Ambiente e Infraestrutura, junto com a Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam-RS) e a Defesa Civil Estadual, para que o investimento se realizasse.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados