Covid-19

Gabinete de Crise discute evolução da pandemia

Coordenador Marcelo Alves e a secretária de Saúde, Arita Bergmann, debateram com representantes dos comitês regionais

13 de Janeiro de 2022 - 21h00 Corrigir A + A -
Média semanal de casos confirmados no Rio Grande do Sul cresceu mais de cinco vezes. (Foto: Neemias Freitas - SES)

Média semanal de casos confirmados no Rio Grande do Sul cresceu mais de cinco vezes. (Foto: Neemias Freitas - SES)

O coordenador do Gabinete de Crise, Marcelo Alves, e a secretária da Saúde, Arita Bergmann, conduziram ontem uma reunião com todos os comitês das regiões Covid, do sistema 3As, com o qual o governo do Estado gerencia a pandemia no Rio Grande do Sul. Participaram membros dos grupos de trabalho Protocolos e Saúde, além de técnicos da Secretaria da Saúde (SES). Convidar as regiões para atualizar e debater o aumento de casos registrados no Estado e nas regiões foi decisão da mais recente reunião do Gabinete de Crise, na última terça-feira.

"Ainda estamos em tempo de pensarmos em alternativas para evitarmos que esse crescimento de casos se reflita em necessidade de leitos. Precisamos definir, em conjunto, estratégias para se fazer cumprir os protocolos obrigatórios e recomendados pelo Sistema 3As de Monitoramento", destacou Arita.

Nos últimos sete dias, a média semanal de casos confirmados no Rio Grande do Sul cresceu mais de cinco vezes, passando de 81,9 para 411,5. Há também um aumento do número de internados em leitos clínicos, ainda que em menor proporção do que o crescimento de casos confirmados. Atualmente, há 603 leitos clínicos ocupados por pacientes com quadro confirmado ou suspeito de Covid-19; em 2 de janeiro, eram 297.

"Estamos aqui discutindo para que o Estado não precise tomar nenhuma outra medida além das tomadas até agora. Os municípios já têm os protocolos recomendados e obrigatórios e também têm, nas suas regiões, a condição de enxergar quais são as medidas necessárias em cada local", destacou a secretária adjunta da Saúde, Ana Costa.

Um dos encaminhamentos da reunião foi a elaboração de um ofício, por parte do governo do Estado, ao Ministério da Saúde, solicitando a manutenção do custeio de leitos clínicos e de UTI para o tratamento da Covid-19, a fim de evitar o colapso no sentido da falta de leitos. O ministério anunciou, em dezembro, que deixará de custear os leitos Covid a partir de 1º de fevereiro.

Os comitês regionais ainda devem se reunir separadamente para discutir medidas que possam ser adotadas em cada uma das regiões, conforme a autonomia dos municípios estabelecida em decreto.

Infecções simultâneas

O Laboratório Central do Estado (Lacen/RS) confirmou mais três casos de codetecções simultâneas dos vírus Influenza e coronavírus. Eles foram identificados em residentes de Carazinho, Santa Maria e Santa Rosa. No final de dezembro, um outro caso já havia sido registrado em Porto Alegre.

Esses últimos três casos tiveram resultado no Lacen pelo exame de RT-PCR que detectou a presença tanto do coronavírus (SARS-CoV-2) quanto o da Influenza do tipo A. Um segundo exame mais detalhado ainda é esperado para saber qual é a cepa do vírus: A-H1N1 ou A-H3N2.

Os casos mais recentes tratam-se todos do sexo masculino: 63 anos o de Carazinho, 20 anos o de Santa Maria e 54 anos o de Santa Rosa. O caso anterior, de Porto Alegre, era um rapaz de 21 anos.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados