Saúde

Funcionários da Santa Casa podem entrar em greve

Situação está condicionada ao pagamento de salários atrasados e deve ser definida nesta quarta-feira

14 de Janeiro de 2020 - 21h17 Corrigir A + A -
Segundo a assessoria, a administração do hospital deve se manifestar nesta quarta. (Foto: Infocenter DP)

Segundo a assessoria, a administração do hospital deve se manifestar nesta quarta. (Foto: Infocenter DP)

Funcionários da Santa Casa de Pelotas poderão paralisar as atividades nos próximos dias. Os trabalhadores não receberam o salário referente ao mês de dezembro e alegam ausência de condições básicas para a prestação de serviços médicos de forma adequada, além da falta de pagamento de benefícios como o 13º salário, férias e vale transporte. A decisão está condicionada ao pagamento de parte dos salários do último mês nesta quarta-feira (15), e pode ser confirmada após assembleia a ser realizada na quinta, às 19h, que pode aprovar o indicativo de greve.

Durante a tarde da última segunda-feira, trabalhadores da Santa Casa fizeram um ato em frente ao Hospital. Em seguida, foi realizada uma reunião entre o Sindicato dos Trabalhadores em Serviços de Saúde em Pelotas, e a administração do hospital, com a presença do provedor João Francisco Neves da Silva. De acordo com a presidente do Sindicato, Bianca D' Carla, foi definido o prazo até às 19h desta quinta para que haja o pagamento de parte da remuneração referente ao mês de dezembro. Caso a condição não seja cumprida, uma assembleia da categoria poderá decretar o indicativo de greve. "Estamos dialogando com a direção, esperamos que não chegue a esse ponto", afirma. Na ocasião, segundo Bianca, também houve uma atualização sobre o acordo entre a instituição e o Banrisul, que poderia apontar uma perspectiva para a regularização dos salários. "Foi passado que ele estaria em vias de ser assinado", conta.

Atrasos causam problemas

Para um funcionário da casa de saúde, que preferiu não ser identificado, caso não haja a liberação de ao menos 50% do salário do último mês, a tendência é de aprovação de uma greve. Um acordo firmado entre as partes em audiência realizada no final do mês de outubro previu o parcelamento dos salários dos funcionários, com metade da remuneração no início do mês, e outra metade ao final. No entanto, segundo o funcionário, o acordo não foi cumprido. Na última sexta, foi comunicado pela direção do hospital que seriam pagos 6% restantes do salário referente ao mês de novembro. "Não conseguimos fazer nada com esse valor", afirma o funcionário. Segundo ele, a situação vem sendo repetida nos últimos quatro anos, com dificuldades também no recebimento de férias, 13º salário e vale transporte, o que acarreta em problemas na parte psicológica dos funcionários. "A gente não vê luz no fim do túnel", lamenta o funcionário, citando casos de colegas que já apresentam dívidas em instituições financeiras. O funcionário também relata casos em que há falta de medicamentos em áreas como a de oncologia, em que são atendidos de 30 a 40 paciente por dia, e períodos em que há falta de gaze em áreas como a Unidade de Tratamento Intensivo (UTI). "Desse jeito não dá para trabalhar", conta.

Hospital se manifestará nesta quarta

Ao Diário Popular, a assessoria de comunicação do hospital informou que uma resposta definitiva sobre o caso deve ser comunicada nesta quarta. Na última segunda, a instituição divulgou em seu site a liberação de verbas parlamentares que somam R$ 1 milhão. Metade do valor foi destinada pelo Deputado Federal Marlon Santos (PDT), e parte por outros deputados. A nota, no entanto, informa que os recursos devem cumprir uma destinação específica, e serão utilizados no custeio de serviços setores de alta e média complexidade, com a aquisição de insumos e qualificação da estrutura do parque tecnológico. No entanto, ainda não há prazo para o recebimento do recurso.

A Santa Casa de Pelotas conta com cerca de 900 funcionários e oferece serviços como traumatologia, maternidade, oncologia, hemodiálise e maternidade para 23 municípios da região. Em média, são realizados até 300 atendimentos por dia.

 


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados