Números

Feira Municipal Uvas de Pelotas registra 4,5 toneladas vendidas

Durante duas semanas, dos dias 5 a 21 deste mês, população teve oportunidade de adquirir a fruta diretamente do produtor

22 de Fevereiro de 2021 - 17h54 Corrigir A + A -
Zona rural produz Niágara, Bordô e Isabel (Foto: Gustavo Vara - Ascom)

Zona rural produz Niágara, Bordô e Isabel (Foto: Gustavo Vara - Ascom)

O município fechou o balanço da comercialização de uvas da safra 2021, nas bancas da Feira Municipal Uvas de Pelotas, apontando a venda de 4,5 toneladas da fruta in natura, em duas semanas, dos dias 5 a 21, além de suco, geleia, cucas e produções coloniais. No período, pontos fixos no Largo do Mercado Central e em bairros proporcionaram a venda direta do produtor ao consumidor. 

A Feira é organizada pela prefeitura, com a coordenação da Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR). De todos os pontos de comercialização, o Mercado e o Laranjal lideraram o movimento de vendas.

“Desde 2006, a zona rural vem trabalhando com produção tecnificada de uva – produção comercial, não mais a de pomares caseiros. Trinta e oito famílias dedicam-se ao cultivo em 46 hectares, com produtividade média de 30 a 40 toneladas por hectare na colônia de Pelotas”, informa o secretário de Desenvolvimento Rural, Jair Seidel.

As áreas da zona rural com maior concentração de produtores são das colônias Maciel, São Manoel, Rincão da Cruz, Santo Antônio e Vila Nova.

“Atingimos alto nível de qualidade da uva de Pelotas, garantindo-lhe sabor diferenciado. Com a Feira e o evento de abertura oficial da colheita, virtual neste ano, mas com festividades em anos anteriores e futuros, queremos valorizar a produção local da fruta, que se sobressai diante das demais, devido à superioridade do sabor. Isso é importante para a remuneração do próprio produtor”, observa o secretário.

Além da venda na Feira, a comercialização da safra de uvas está garantida nos mercados locais, regionais e ainda mais longe, como Santa Maria, por exemplo. Pelotas produz as variedades Niágara rosa e branca, Bordô e Isabel.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados