Pandemia

Falta de profissionais dificulta a abertura de novos leitos Covid

Hospitais também dependem de obras para reforçar as redes de energia e de gás; em Pelotas, expectativa é por ampliação de mais dez leitos de UTI no HE-UFPel e também no Centro Covid

09 de Julho de 2020 - 21h32 Corrigir A + A -

Por: Michele Ferreira
michele@diariopopular.com.br 

Hospital-Escola da UFPel é uma das referências da região no atendimento do novo coronavírus (Foto: Carlos Queiroz - DP)

Hospital-Escola da UFPel é uma das referências da região no atendimento do novo coronavírus (Foto: Carlos Queiroz - DP)

A ampliação de leitos para o enfrentamento da Covid-19 segue sem data certa para ocorrer, na região. Em Pelotas, a dificuldade para contratação das equipes, com experiência no tratamento de pacientes graves, é uma das principais barreiras. E o pior: a escassez de pessoal afeta os dois planos: a abertura de leitos para adultos no Centro Covid - que desde 24 de abril atende apenas crianças - e a disponibilidade de mais dez vagas de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI), no Hospital-Escola da Universidade Federal de Pelotas.

No HE-UFPel, a superintendência já está no quarto processo de seleção na tentativa de montar um grupo que permita criar escalas e elevar a capacidade de acolhimento aos infectados da Zona Sul. O primeiro dos três Kits de equipamentos que serão locados da empresa RTS Rio SA - do Rio de Janeiro - já chegou a Pelotas.

Para poder colocar os dez novos leitos de UTI em operação, entretanto, o hospital também precisará realizar ajustes no sistema elétrico, mas ainda aguarda o encaminhamento de materiais que a prefeitura deverá disponibilizar. Foi o que ficou pactuado em Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) firmado junto ao Ministério Público (MP).

Em resposta via assessoria de imprensa, na manhã desta quinta-feira (9), a direção do HE argumentou que as redes elétrica e de gases medicinais do espaço que a Santa Casa de Misericórdia irá ceder para ampliação da ala Covid do HE não comportam aumento de leitos, com suporte ventilatório, sem que ocorram as reformas.

A posição da Secretaria de Saúde de Pelotas

A secretária Roberta Paganini ressalta que Pelotas possui apenas 12 médicos intensivistas vinculados ao Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). Dois processos seletivos já foram abertos pela prefeitura, mas em nenhum deles surgiu profissionais com o perfil ideal para atuar em UTI Covid, que requer trabalhadores com experiência.

Para aumentar as chances de contratação, no caso do Centro Covid, o Executivo já trabalha em um Termo de Referência que permita repassar a gestão de pessoal a uma empresa terceirizada, nos moldes do que ocorre na UPA Areal, em que haveria a possibilidade de o valor a ser oferecido pela hora-plantão ser mais atrativo. "O que não é garantia, porque o que existe mesmo é falta de pessoal no mercado", enfatiza Roberta.

Quanto às obras, a secretária explica que os materiais já foram adquiridos para que o HE possa dar início à adequação elétrica. O Município também assinou contrato, nesta quinta, com empresa que - dentro de aproximadamente 15 dias - deverá efetuar ampliação da rede de gás e reforma em ambulatório da Santa Casa, para que o local possa ser transformado em maternidade Covid, com cumprimento de todos os protocolos de barreira.

Projeção é de mais 30 leitos em Rio Grande

Até o final deste mês mais 20 vagas semi-intensivas devem entrar em operação no Hospital Doutor Miguel Riet Corrêa Júnior, da Universidade Federal do Rio Grande (HU-Furg). A obra está em fase final e os próximos passos ainda incluem a chegada de equipamentos e a montagem de equipes. "Estamos trabalhando para solucionar todas as questões, em especial, a falta de profissionais no mercado e de medicamentos para intubação", afirma o superintendente em exercício, Fábio Lopes.

Para poder montar a nova estrutura, a instituição adaptou a Unidade de Clínica Cirúrgica. Uma área de 507 metros quadrados foi separada do restante do andar, através de barreiras físicas criadas para servir como área de paramentação e desparamentação das equipes. Entre as intervenções, destaque para renovação da rede elétrica para dar suporte aos novos equipamentos, instalação de prateleiras para monitores e bombas de infusão e de suportes para soro e ampliação da rede de vácuo e de oxigênio.

O investimento, iniciado no mês de maio, também contemplou pintura, reforma em banheiros e troca de portas de acesso às enfermarias, substituídas por modelos com proteção em inox, visor e fechamento automático, para dar praticidade e segurança aos profissionais e pacientes.

Na Santa Casa, a expectativa é pela abertura de mais dez leitos de UTI adulto. Os respiradores liberados pelo Ministério da Saúde já estão na cidade. A expectativa é de que a expansão também possa ter início ainda no mês de julho.

Relevância das medidas

A ampliação de estrutura é fundamental. Nas últimas duas semanas, o número de casos confirmados mais do que dobrou na região. Até as 21h eram 1.103 diagnósticos positivos na Zona Sul. O número de casos graves e de mortes também avança. Nesta quinta, a região atingiu a marca de 27 óbitos em decorrência da Covid-19.

 


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados