Indignação

Faixa de segurança não é de decoração

Motoristas são vistos ultrapassando a área sem dar a devida preferência aos pedestres

14 de Fevereiro de 2019 - 08h30 Corrigir A + A -
A faixa de segurança na Avenida Bento esquina com a rua Quinze de Novembro é um dos pontos em que as reclamações são constantes (Foto: Carlos Queiroz - DP)

A faixa de segurança na Avenida Bento esquina com a rua Quinze de Novembro é um dos pontos em que as reclamações são constantes (Foto: Carlos Queiroz - DP)

O artigo 70 do Código de Trânsito Brasileiro estipula a prioridade de passagem nas vias de trânsito para os pedestres que estiverem atravessando sobre as faixas de segurança, mas a realidade das ruas e avenidas de Pelotas é diferente. Uma espécie de cultura foi criada entre os pelotenses e, principalmente, os visitantes, que acabam descrevendo os moradores como descuidados no trânsito. A infração é considerada gravíssima e prevê o pagamento de multa de até R$ 293,47.

Quanto aos motoristas que ignoram os pedestres à espera da travessia, a empresária Natalia Pereira, 35, afirma: "aqui parece mais umas listras pintadas no chão. Ninguém respeita". Ela esperava para atravessar na esquina da avenida Bento Gonçalves com a rua 15 de Novembro enquanto conversava com a reportagem, onde à tarde, local visto como crítico para a travessia de pedestres, apesar da existência da faixa de segurança. "No último final de semana estive em Gramado e lá os pedestres nem chegam a parar pra atravessar, seguem andando e os carros param", compara.

A empresária acredita que as infrações fazem parte da cultura do município. Já o secretário de Transporte e Trânsito (SMTT), Flávio Al Alam, discorda da descrição. "Pelotas é considerada hoje no Rio Grande do Sul a cidade que o motorista mais obedece as faixas de segurança", garante. Ele afirma que as operações das equipes dos Agentes de Trânsito fiscalizam as infrações diariamente enquanto estão nas vias. Contudo, o secretário reconhece a existência de condutores que desrespeitam as leis. Estima-se que Pelotas tenha hoje cerca de duas mil sinalizações desse tipo.

Diogo Sousa, estudante de 15 anos, foi parado pela reportagem após esperar a travessia na rua General Osório, esquina com a General Argolo. Ele observou a passagem de diversos veículos até conseguir a preferência prevista no Código de Trânsito. Sousa conta que passa frequentemente pelo trecho e "o pior é perto das 18h", durante o horário de pico.

Infrações com direito a multa
O Código de Trânsito Brasileiro prevê o pagamento de multa aos motoristas que não deem a preferência de passagem aos pedestres na faixa de segurança, acentuando pessoas portadoras de deficiência física, crianças, idosos e gestantes. A infração também estipula a prioridade aos utilizadores de veículos não motorizados, mesmo que não tenham completado a travessia e o sinal, caso tenha, esteja verde. A infração nesses casos é considerada gravíssima, custando ao motorista multa de R$ 293,47 e sete pontos na Carteira Nacional de Habilitação. Além disso, os condutores que pararem o veículo sobre a faixa de pedestres na mudança do sinal também pagam multa, essa de R$ 130,16 e quatro pontos na carteira. 


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados