Exemplo

Ex-recuperando da Apac inaugura empreendimento gastronômico

Recuperandos e profissionais da Associação de Proteção e Assistência aos Condenados se reuniram para conhecer a experiência do ex-colega

26 de Maio de 2022 - 21h44 Corrigir A + A -
Fábio da Cunha criou o Mundo do Sabor e hoje se dedica à gastronomia (Foto: Divulgação - DP)

Fábio da Cunha criou o Mundo do Sabor e hoje se dedica à gastronomia (Foto: Divulgação - DP)

Um evento realizado no início da semana, na Associação de Proteção e Assistência aos Condenados (Apac) de Pelotas, que constitui um novo modelo de sistema prisional e integra o Pacto Pelotas pela Paz, reuniu recuperandos, membros da equipe e representantes de entidades envolvidas com a instituição, para conhecerem o empreendimento gastronômico criado, há algumas semanas, por Fábio Marques da Cunha, que saiu em semiliberdade. Ele retornou ao local e compartilhou com colegas seus pratos diferenciados, além de proporcionar a troca de experiências e reforçar a esperança de uma nova vida longe do crime por meio da ressocialização.

O gosto por cozinhar e o manejo com alimentos sempre acompanharam Cunha, que completou 38 anos neste mês. Quando estava no regime fechado, passou a atuar na cozinha do Presídio Regional de Pelotas (PRP), onde iniciou o seu sonho de trabalhar no ramo gastronômico quando em liberdade. Ao chegar à Apac, ele se viu em um ambiente totalmente diferente, que trata os recuperandos de outra forma, dando suporte e preparando-os para o retorno após a pena. “O processo de ressocialização é bem difícil, porque a sociedade pode não nos aceitar. É uma luta diária, em estender a mão e poder sair fora daquilo que nos levou até lá, pois muitos acabam voltando para o crime por não serem aceitos de volta”, detalhou.

Cunha conversou com o presidente da instituição, Leandro Thurow, que o incentivou a colocar a ideia em prática. Ele começou a pesquisar sobre alimentos, temperos e como criar sua marca. Surgiu o “Mundo do Sabor”, food truck que serve bauru, cachorro quente e pizza. Mas o lanche mais famoso - e mais peculiar - é o Pizzabuuu, prato que vem se tornando sucesso na cidade, por ser exclusivo, criado pelo ex-recuperando. É uma mistura de pizza e bauru. Os sabores são temáticos - cada um representa um país. O sabor França, por exemplo, é feito com carne produzida na panela de pressão em homenagem ao criador do utensílio, um cientista francês. O Inglaterra é feito com carne ao molho madeira, pois foram os ingleses que o lançaram. Todo esse conhecimento foi adquirido durante o cumprimento de pena na Apac, que tem como um dos pilares o estudo.

“Lá na Apac eles resgatam o ser humano que a gente perdeu dentro do sistema prisional. O sistema comum não pode te ressocializar, mas a Apac te traz vida, porque tu és tratado com amor, com afeto, teus familiares recebem respeito. Eles te deixam manter um laço estreito com a família. Tu voltas a acreditar em ti e a ter amor próprio e, assim, tua dignidade volta aos poucos. Esse processo é o que faz tu te transformar”, afirmou.
O voto de confiança dado, tanto pela Apac quanto pelo juiz da Vara de Execuções Criminais (VEC) de Pelotas, Afonço Carlos Bierhals, que autorizou a licença para sua atuação durante o período da noite, são motivos de gratidão para Cunha, bem como o apoio mútuo entre ex-colegas e eternos amigos. Cada um se inspira no outro para trilhar caminhos em busca de uma nova perspectiva de vida. A expectativa é de que a oficina realizada na última segunda-feira seja fonte de motivação e que cada recuperando que alcance a liberdade retorne à Associação com afeto e carinho, em retribuição a tudo que foi dado a eles lá dentro.
“Eu agradeço a prefeita Paula Mascarenhas, pelo Pacto Pelotas pela Paz, no qual ela apoia a Apac e outros projetos de ressocialização, e também o Leandro Thurow, por fazer parte desse projeto lindo, que é capaz de mudar vidas. Quero ser um exemplo para que outros possam seguir o mesmo caminho”, destacou Cunha.

Para desenvolver pessoas melhores, recuperadas e mais potentes
No mesmo dia da apresentação dos pratos do Mundo do Sabor, foi dada a informação que dois recuperandos da Apac haviam sido beneficiados com a progressão para o regime semiaberto. O juiz da VEC, Afonço Bierhals, que foi convidado por Cunha e pela equipe da instituição para o evento, acompanhou a ação e se mostrou emocionado, principalmente devido ao sentimento de pertencimento ao grupo e à comemoração pelas conquistas uns dos outros, conforme explicou.

“É um sistema muito diferenciado, que valoriza o ser humano e tenta, de todas as formas, resgatar a pessoa e os valores, além de dar oportunidade de crescimento. Nós notamos a diferença nos modelos de cumprimento de pena. A Apac proporciona um resgate de vínculos importante e uma mudança muito profunda nas pessoas que passam por lá e isso é um diferencial da instituição, além de dar novas oportunidades para que saiam muito melhores. Isso impacta a vida, melhora a realidade, dá perspectivas e muda o que essas pessoas buscam. Esperamos que, em um futuro próximo, possamos ampliar o número de vagas, para que mais indivíduos tenham essa oportunidade”, pontuou Bierhals.

Durante a entrega do alvará aos dois recuperandos, seus próprios familiares fizeram a entrega simbólica dos documentos. “É um momento de muita emoção e de sensação de missão cumprida. A construção da recuperação do ser humano precisa ser pautada em exemplos positivos e quando esse exemplo vem de alguém igual ele é muito mais potente”, frisou o presidente da Associação, Leandro Thurow.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados