Rural

Evento sobre pecuária e mudanças climáticas reúne pesquisadores da Embrapa

Diretor da Embrapa Guy de Capdeville e o deputado federal Christino Aureo na abertura do seminário

18 de Novembro de 2021 - 17h48 Corrigir A + A -
Realizou-se de forma virtual no último dia 16 o Seminário Sustentabilidade da Pecuária de Corte em Sistemas de Baixo Carbono

Realizou-se de forma virtual no último dia 16 o Seminário Sustentabilidade da Pecuária de Corte em Sistemas de Baixo Carbono

Em uma ação conjunta entre 05 Unidades da Embrapa, de três estados diferentes (RS, RJ, MS) e com o apoio da diretoria executiva da empresa, realizou-se de forma virtual no último dia 16 o Seminário Sustentabilidade da Pecuária de Corte em Sistemas de Baixo Carbono, quando foram apresentados resultados de pesquisa voltados para a promoção de uma pecuária com reduzido impacto ambiental e capaz de contribuir para a mitigação dos gases de efeito estufa (GEE).

Durante todo o dia, pesquisadores de diferentes unidades da Embrapa do país relataram os trabalhos e pesquisas que vêm sendo realizadas há alguns anos e que visam à adoção de práticas e manejos que buscam uma menor emissão e maior mitigação de GEE pela atividade e uma maior sustentabilidade na produção de carne no país.

Tendo sido o primeiro encontro científico, após o encerramento da COP26, a tratar de soluções para o cumprimento do Acordo internacional para redução das emissões de metano, o evento foi aberto por Guy de Capdeville, diretor-executivo de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa, que está interinamente respondendo pela presidência da empresa, que destacou a atuação inovadora e o trabalho em rede da instituição para a realização de pesquisas para esse importante tema. “É preciso entender a lógica da sustentabilidade como o caminho para a agropecuária dos próximos 30 anos”.

O deputado federal Christino Áureo (PP-RJ), que possibilitou a realização do seminário e também de novas pesquisas sobre o tema por meio de uma emenda parlamentar, ressaltou o senso de oportunidade da Embrapa ao promover esse debate justamente após os compromissos assumidos pelo Brasil na COP26 para a redução das emissões de metano.

Para o diretor-executivo de Gestão Institucional, Tiago Toledo Ferreira, a discussão sobre a sustentabilidade na agropecuária é um caminho sem volta, salientando que o país já vem trabalhando no tema há alguns anos e que os resultados já podem ser vistos. “A sustentabilidade deixa de ser um conceito emergente para se constituir em condicionante para a participação nos mercados”, afirmou o diretor.

O primeiro painel do seminário, mediado por Marcos Borba, chefe de pesquisa e desenvolvimento da Embrapa Pecuária Sul, reuniu os chefes das  unidades organizadoras do evento - Antônio Rosa (Embrapa Gado de Corte), Cristhiane Amâncio (Embrapa Agrobiologia), Fernando Cardoso (Embrapa Pecuária Sul), Karina Olbrich dos Santos (Embrapa Agroindústria de Alimentos) e Maria de Lourdes Mendonça Santos Brefin (Embrapa Solos) -, que relataram sobre as iniciativas que cada unidade vem desenvolvendo relacionadas à pecuária e às mudanças climáticas. Nas apresentações também foi ressaltada a importância do trabalho realizado em rede, em diferentes regiões do país, que contribuem para a compreensão da pecuária do Brasil como um todo além das questões locais.

Emissões e serviços ambientais na pecuária foi o tema do segundo painel, que teve a mediação de Rodrigo da Costa Gomes, pesquisador da Embrapa Gado de Corte. A pesquisadora Cristina Genro, da Embrapa Pecuária Sul, abordou os resultados da medição da emissão de metano entérico pela pecuária no bioma Pampa, que é feita há mais de 10 anos.

Segundo ela, a avaliação do processo em diferentes sistemas de produção mostrou que é possível reduzir a emissão em mais de 30% (limite do Acordo firmado na COP26) desse gás apenas com o correto manejo da pastagem. Já o pesquisador da Embrapa Agrobiologia Bruno Rodrigues Alves falou sobre a emissão de óxido nitroso pela pecuária. De acordo com Alves, esse gás, formado pela ação de microrganismos do solo a partir do nitrogênio, presentes especialmente na urina, mas também nas fezes dos bovinos, permanece por mais tempo na atmosfera, por isso a necessidade de diferentes ações para reduzir as emissões nos sistemas de produção.

Para finalizar o painel, a pesquisadora Rachel Bardy Prado, da Embrapa Solos, apresentou como a abordagem dos Serviços Ecossistêmicos pode trazer oportunidades ao setor pecuário, como o acesso aos mercados verdes, pagamentos por serviços ambientais e certificações. Para ela, o setor também deve assumir cada vez mais compromissos que se relacionam à adoção do manejo adequado das pastagens e dos sistemas integrados de produção, bem como a manutenção do componente arbóreo na paisagem e o manejo correto da água.

O terceiro painel, mediado por Renato Rodrigues, pesquisador da Embrapa Solos, teve como tema a remoção de gases da atmosfera. A primeira apresentação foi do pesquisador Manuel Motta Macedo, da Embrapa Gado de Corte, que abordou o estoque de carbono no solo. Macedo apresentou como se dá a dinâmica entre a emissão e o sequestro de carbono pela atividade pecuária. Segundo ele, o manejo e práticas conservacionistas contribuem de forma significativa para que o balanço de carbono seja mais positivo na pecuária. Já o pesquisador Robert Bodey, da Embrapa Agrobiologia, falou sobre a pegada de carbono da carne em sistemas de Integração Lavoura-Pecuária.

O quarto e último painel, mediado por Elen Nalério, pesquisadora da Embrapa Pecuária Sul, foi sobre produtos gerados pela pecuária de baixo carbono. A principal abordagem nesse momento foram as iniciativas da Embrapa para a criação de marcas-conceito e dos protocolos para a Carne Baixo Carbono (CBC), iniciativa que deverá estar disponível no mercado consumidor no próximo ano.

O coordenador desse programa, o pesquisador Roberto Giolo, da Embrapa Gado de Corte, relatou sobre os protocolos definidos para a CBC, tanto para produtores como para frigoríficos, para a certificação desse produto que, segundo ele, irá valorizar não só o produto carne como toda a cadeia produtiva envolvida.

A pesquisadora Márcia Silveira, da Embrapa Pecuária Sul, apresentou os primeiros resultados do acompanhamento de uma Unidade Demonstrativa no Sul da Bahia que está adotando esses protocolos, salientando os ganhos ambientais e também produtivos com a iniciativa. Já o pesquisador Gelson Feijó, da Embrapa Gado de Corte, abordou esse tipo de produção do ponto de vista do consumidor, ressaltando que a certificação ou selo pode trazer ganhos tanto para o produtor quanto para o consumidor final.

Quem quiser ver o seminário na íntegra é só acessar o canal da Embrapa no youtube, ou pelo link https://www.youtube.com/watch?v=OtjGVgu0yas.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados