Irresponsabilidade

Estudante picado por cobra naja deve sair da UTI

Espécie exótica, originária da África e da Ásia, é proibida no Brasil e era criada em residência sem permissão

10 de Julho de 2020 - 19h32 Corrigir A + A -

Agência Brasil

Quem quer? Ibama busca instituições para acolher o animal (Foto: Divulgação - Butantan)

Quem quer? Ibama busca instituições para acolher o animal (Foto: Divulgação - Butantan)

A cobra naja de 1,5 metro que picou um estudante de veterinária em Brasília está no zoológico da capital federal e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) vai consultar instituições habilitadas, como outros zoológicos e centros de pesquisa, sobre o interesse em receber a cobra.

De acordo com o zoológico, trata-se de um animal de alto risco, por ser uma das espécies mais venenosas, e por não ter, até o momento, em território nacional, soro antiofídico. A naja não é nativa do Brasil e é encontrada na Ásia e na África. Não é permitido a posse deste tipo de animal em cativeiro no país.

O estudante de veterinária Pedro Henrique Santos Krambeck Lehmkul foi picado pelo animal, em situação que ainda está sendo apurada. Ele deve receber alta neste sábado da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) de um hospital particular, na cidade do Gama, localizada a 37 quilômetros de Brasília. Pedro Henrique teve o suporte ventilatório retirado e acordou do coma induzido.

Histórico

Ele foi picado na terça-feira (7), na casa onde mora no Distrito Federal. Segundo investigações da Polícia Civil, o jovem criava e mantinha o animal em residência sem permissão. A multa aplicada pelo Ibama nesses casos pode variar entre R$ 500 e R$ 5 mil, e ser aplicada ao criador ou ao proprietário da residência onde estava o animal.

O soro antiofídico necessário para a anulação do veneno veio pelo Instituto Butantan, em São Paulo, e chegou a Brasília na noite de terça-feira. Ele estava estocado para eventuais acidentes com pesquisadores que realizam estudos com o animal na instituição, informou o Butantan por meio de nota oficial.

Na última quinta-feira o Batalhão de Polícia Militar Ambiental encontrou, em uma área rural de Planaltina, que fica a cerca de 40 quilômetros de Brasília, mais 16 serpentes escondidas em caixas. Segundo a corporação, a descoberta têm relação com a naja encontrada anteriormente. A operação foi motivada por uma denúncia anônima. O dono da chácara onde as serpentes foram encontradas informou que não sabe como os animais foram parar ali. As serpentes também serão encaminhadas ao Ibama.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados