Ajude a salvar vidas!

Estoque de leite materno atende apenas 50% da demanda

Banco do HU-Furg, o único da Zona Sul, tem atingido uma média de 30 litros por mês; Posto de Coleta do HE-UFPel poderá ajudar a ampliar volume

21 de Maio de 2022 - 09h15 Corrigir A + A -

Por: Michele Ferreira
michele@diariopopular.com.br 

Leite materno é fundamental para recuperação de bebês prematuros e de baixo peso (Foto: Divulgação HU-Furg)

Leite materno é fundamental para recuperação de bebês prematuros e de baixo peso (Foto: Divulgação HU-Furg)

Processo de pasteurização elimina todos os microorganismos patógenos, que representariam risco à saúde, e permite armazenamento por até seis meses (Foto: Divulgação HU-Furg)

Processo de pasteurização elimina todos os microorganismos patógenos, que representariam risco à saúde, e permite armazenamento por até seis meses (Foto: Divulgação HU-Furg)

Coordenadora do Banco de Leite do HU-Furg, Grace Santos, lembra que 1 ml já pode ser o suficiente para alimentar um dos pacientes (Foto: Divulgação HU-Furg)

Coordenadora do Banco de Leite do HU-Furg, Grace Santos, lembra que 1 ml já pode ser o suficiente para alimentar um dos pacientes (Foto: Divulgação HU-Furg)

A canguçuense Lissandra Malue comemora o fato de poder amamentar Mirella, mas segue extraindo leite para a caçula ser alimentada quando ela não está no HE-UFPel (Foto: Arquivo pessoal)

A canguçuense Lissandra Malue comemora o fato de poder amamentar Mirella, mas segue extraindo leite para a caçula ser alimentada quando ela não está no HE-UFPel (Foto: Arquivo pessoal)

Olhar técnico. Profissionais como a nutricionista Verónica Márquez orientam as mães que passam pelo Posto de Coleta de Leite no HE-UFPel (Foto: Divulgação)

Olhar técnico. Profissionais como a nutricionista Verónica Márquez orientam as mães que passam pelo Posto de Coleta de Leite no HE-UFPel (Foto: Divulgação)

Doe leite materno e receba a gratidão de uma vida. A campanha nacional repercute também na Zona Sul. O Banco de Leite Humano, do Hospital Dr. Miguel Riet Corrêa Jr. da Universidade Federal do Rio Grande (HU-Furg), reflete o cenário registrado no país e também está com os estoques abaixo do necessário. A demanda é de aproximadamente 60 litros por mês, para suprir a alimentação de 18 bebês internados nas Unidades de Tratamento Intensivo (UTI) Neonatal e Intermediária. A arrecadação, entretanto, equivale à metade: tem ficado em torno de 30 litros por mês.

Para aumentar o volume, destaque a duas estratégias: sensibilizar mais mães a realizarem as doações e reforçar o vínculo com o Posto de Coleta de Leite Humano do Hospital-Escola da Universidade Federal de Pelotas (HE-UFPel), que acaba de ser reconhecido oficialmente pela União como parceiro do Banco da Furg, que é o único instalado em toda a região.

"Essa é uma parceria que vai dar certo", projeta a coordenadora do Banco de Leite Humano do HU-Furg, Grace Santos. E lembra que toda a mulher que amamenta é uma doadora em potencial. "Não é preciso se preocupar com grandes volumes. O que pode parecer pouco para alguém, é muito para um prematuro, para um bebê de baixo peso", destaca a nutricionista. Basta 1ml e a alimentação de um dos pequenos já poderá estar garantida, conforme as quantidades prescritas pela equipe.

Padrão ouro, que assegura vidas

Os dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) confirmam o poder do leite materno: cerca de seis milhões de vidas são salvas por ano com a ampliação das taxas de amamentação até o sexto mês de idade. O aleitamento, todavia, deve ser mantido até os dois anos ou mais.

"É a alimentação padrão ouro, fundamental para o crescimento e o desenvolvimento saudável das crianças", enfatiza a coordenadora técnica do Posto de Coleta do HE-UFPel, Verónica Márquez. E quando os cuidados estão direcionados aos prematuros e os nenês de baixo peso, o leite materno torna-se ainda mais importante. Ganha status de bebida sagrada, ao elevar as chances de recuperação desses pequenos, ao protegê-los de infecções, diarreias e alergias. "É a principal medida para reduzir a mortalidade infantil", reitera a nutricionista uruguaia.

20 anos de história e de dedicação

Era 2002. O HU-Furg já possuía o selo de Hospital Amigo da Criança. Criar o Banco, então, era mais um passo nessa direção. E foi o que ocorreu. Já são duas décadas dedicadas aos três pilares: apoio, proteção e promoção do aleitamento. E as coletas de leite tanto com as mães dos bebês hospitalizados quanto com o público externo são apenas a primeira etapa do trabalho. A equipe envolve-se em processamento, controle de qualidade e distribuição do leite humano.

"Através da pasteurização, todos os microorganismos patógenos são eliminados", afirma a coordenadora Grace Santos. É um procedimento que, além de seguro, permite o armazenamento por até seis meses. Claro que, em decorrência dos estoques baixos, assim que liberado para uso, o leite é imediatamente distribuído aos pacientes.

Saiba mais 

* Quem pode doar?
Toda mulher que amamenta é uma doadora em potencial. Basta ser saudável e não tomar medicamentos que interfiram na amamentação.

* Como doar?
- Direto no Banco de Leite: As coletas podem ser feitas diariamente - inclusive domingos e feriados -, das 8h às 12h e das 12h30min às 18h.
Endereço: rua Visconde de Paranaguá, 102, no Centro de Rio Grande. Entrada pela portaria central, Acesso 4.
- Coletas a domicílio: As mulheres que optarem por realizar as coletas em casa devem fazer agendamento através do Teleamamentação, que funciona de segunda a sexta-feiras, das 8h às 18h. O contato deve ser feito através do telefone/WhatsApp
(53) 3233-8880. A equipe do Banco repassa todas as instruções que devem ser adotadas, principalmente com relação a cuidados de higienização, faz a entrega do kit e encarrega-se de buscar a doação.

Você sabia?

- 1 colher de sopa de leite materno equivale a 10 ml

- Com a orientação de que a amamentação deve ocorrer sob livre demanda, a tendência é de que o bebê mame entre 10 e 12 vezes por dia. Talvez até mais. Por isso, se em cada momento que seu filho vem ao peito, você aproveitar para coletar cerca de 10 ml, no final de um dia você terá reunido mais de 100 ml para doação; o dobro do mínimo necessário para que o leite possa passar pela pasteurização.

Se você está em Rio Grande, vá até lá!

Não raro, moradoras de Pelotas, São José do Norte e Santa Vitória do Palmar aproveitam a passagem por Rio Grande, para cumprir algum compromisso ou visitar parentes e amigos, e comparecem ao Banco de Leite. Detalhe: não é preciso estar com exames recentes em mãos, para comprovar as boas condições de saúde. É possível a mãe realizar a doação e, de volta à sua cidade, encaminhar cópia dos exames. Uma outra alternativa, se a última análise sanguínea for de um período acima dos seis meses, é a equipe do Banco encaminhar a mamãe parceira para o laboratório para coleta de sangue - explica a coordenadora.
Atualmente, o Banco de Leite conta com 22 mulheres, moradoras de Rio Grande, que contribuem com doações periódicas.

Um canal direto para tirar dúvidas!

O Teleamamentação, instituído em maio de 2020, pode ser acionado por qualquer mulher que deseje tirar dúvidas sobre aleitamento materno. Não precisa ser, necessariamente, uma interessada em agendar doação. As orientações - através do WhatsApp (53) 3233-8880 - podem ser repassadas pelos profissionais do HU-Furg através de videochamadas e envio de fotos, se facilitar a troca de informações.

"Foi uma alegria muito grande. Não tem nem como explicar"

A emoção segue viva. A comerciária Lissandra Heidemann Malue, 36, relembra da primeira vez em que a pequena Mirella Vitória pegou diretamente no peito, há cerca de duas semanas. "Foi uma alegria muito grande. Não tem nem como explicar", resume, com a voz embargada. "Até agora olho as fotos e assisto ao vídeo e choro", conta. E não é para menos. A caçula nasceu com 30 semanas de gestação, em 4 de março, com 890 gramas e 35 centímetros. Uma angústia para quem sonhava em voltar para casa, em Canguçu, com a família completa.

Agora, com 78 dias de vida, 2,610 quilos e 50 centímetros, a alta está mais perto. Nos próximos dias, a pequena deve ser liberada para a Enfermaria; último passo antes de deixar o Hospital-Escola (HE-UFPel). E o leite materno, claro, tem sido uma das armas para o fortalecimento de Mirella 'Vitória'. "Sempre tentei tirar o máximo de leite que eu podia, pra ela tomar do meu pela sondinha. Quando ela tomava leite de fórmula, ela vomitava", afirma.

Nos últimos dias, mãe e filha vivem a satisfação - e o aconchego - da amamentação. Com a ordenha diária e a orientação da equipe do Posto de Coleta, Lissandra tem uma certeza: poderão ficar longe das mamadeiras quando estiverem em casa. "Como sempre tirei bastante leite, consegui estimular a produção", comemora. E prepara-se para, em breve, viver a felicidade do encontro das manas Mirella e Rayla, de dez anos de idade. Um momento aguardado por familiares e amigos, ansiosos por ver a pequena, não apenas nas telas. Um prazer só experimentado pela mamãe Lissandra e o papai Marcelo Souza Malue.

Posto de Coleta - e de acolhimento

O slogan não se aplica apenas ao 19 de maio, quando se celebra o Dia Mundial de Doação de Leite Humano. Com a mensagem Gotas de amor para um mundo melhor, os profissionais do Posto de Coleta do HE-UFPel buscam reforçar a importância do leite materno. Até o momento, a estrutura só permite receber as mães dos bebês que estão internados. A intenção, entretanto, é de que mulheres que decidam se engajar à campanha também possam ir até lá para realizar as coletas e efetivar as doações.

O plano é que a unidade possa se transformar em um importante braço de captação para o Banco do HU-Furg. Por enquanto, todo o volume gerado no Posto é armazenado por até 12 horas. E como é leite cru só pode ser servido de mãe para filho. Daí a importância da pasteurização, que eleva o prazo para uso e garante a alimentação de qualquer paciente, independentemente, de quem é a doadora. Por isso, também, a relevância de todo o excedente gerado em Pelotas poder chegar a Rio Grande e passar pelo processamento.

Detalhe: "Sabemos que fatores emocionais, principalmente de mães de prematuros, influenciam na produção. Mas seis horas após o parto, a mãe já pode realizar a primeira ordenha. É como na sucção, quanto mais estimular, maior será o fluxo", enfatiza a coordenadora técnica do Posto de Coleta, Verónica Márquez.

Confira alguns dados nacionais 

- O Brasil é referência internacional em doação de leite humano. São 225 bancos e 217 pontos de coleta espalhados por todo o país.

- Apesar da complexa rede instalada, os volumes doados só têm atendido cerca de 55% de toda a demanda.

- De janeiro a dezembro de 2021 foram distribuídos 168 mil litros de leite para 237 mil recém-nascidos, um aumento de 7% em relação a 2020; primeiro ano da pandemia.

- Cerca de 340 mil bebês prematuros ou de baixo peso nascem todos os anos no Brasil, o que corresponde a 12% do total de nascidos vivos. Por isso, os estoques dependem de mais doação.

- Nos últimos 22 anos, mais de 3,2 milhões de bebês receberam leite materno doado no país.

 


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados