Arte

Criatividade para transformar

Aposentado investe em hobby para manter-se ativo durante o período de isolamento social

13 de Julho de 2020 - 10h39 Corrigir A + A -

JF_8141 (1)Talento: Nídio junto com suas várias criações (Foto: Jô Folha - DP)

Para combater o ócio durante o período de isolamento social, o aposentado de 73 anos, Nídio Moraes, passou a investir naquilo que lhe traz paz: transformar materiais reciclados em arte. Argila, troncos de árvore, isopor, vidros e garrafas pet se tornam esculturas, quadros e até mesmo materiais educacionais. Na garagem de casa, ele produz manualmente as peças: “O meu mundo é ali, eu fico bem e tento esquecer das notícias ruins. Fico mergulhado naquilo”.

O objetivo do aposentado não é relativizar a pandemia da Covid-19, e sim encontrar na arte um refúgio em meio a tantos acontecimentos - essa foi a forma encontrada por ele para transformar o significado do atual momento e preencher a rotina. “Eu gosto de fazer. A madeira, principalmente, consigo olhar e já imaginar algo dali”, conta.

A criatividade de criar a partir dos materiais, no entanto, não surgiu na pandemia. Aos nove anos, aprendeu com o pai a modelar em argila. Depois, resolveu se aventurar ainda mais e passou a trabalhar também com o isopor, que gera quadros para decorar as paredes de casa. “Sempre fiz de tudo, na escola mesmo adorava desenho. Eu sou aquilo que as pessoas chamam de autodidata, sabe? Não tenho estudo. Já comecei alguns cursos para esculpir e desenhar em tela, mas ficava com vergonha e acabava desistindo”.

Durante os anos da vida adulta, trabalhou em supermercados, também colocando em prática o olhar artístico. Produtos em promoção e lançamentos chamavam a atenção pela criatividade como eram montados nos corredores. “Uma vez uma marca de cerveja entrou em promoção. Peguei um boneco e um copo de cerveja e juntei tudo com aquela canção ‘Eu bebo sim, estou vivendo’. Era muito legal ver o pessoal cantarolando a música com a cerveja no carrinho”, lembra. Também no emprego, aprendeu os desenhos que podem ser feitos com letras - habilidade conhecida como lettering - e atualmente faz cartazes para a Unidade Básica de Saúde do Areal, UBS próxima de onde mora.

Em família, as peças produzidas são motivo de orgulho e viram decoração até mesmo em celebrações, como casamentos. O incentivo por parte das filhas Elisa, Nidiara e Patrícia é um impulso para continuar; fora o braço direito, a esposa Iara, que está sempre ao seu lado. “Sou muito agradecido ao meu pai por ter me ensinado a mexer com argila e pela minha família”. A Elisa, inclusive, criou um perfil no Instagram para expor os trabalhados: é só buscar por Nídio Moraes na rede social.

O aprender pela arte

Ser autodidata agregou muito na trajetória do aposentado. Há cerca de dez anos, ele lecionou algumas aulas de como fazer esculturas. Até hoje alguns dos alunos ainda entram em contato para dar notícias, agradecendo o “pontapé inicial” no lado artístico. Mais recentemente, Nídio ajudou alunos da rede municipal de educação a aprenderem sobre o combate ao mosquito da dengue. Após convite da Secretaria Municipal de Educação (Smed), ele levou às escolas um mosquito feito de isopor para falar com as crianças sobre os cuidados que precisam ser tomados com a água parada em casa.

Na frente de casa, o rosto de isopor de uma mulher chama a atenção: maquiada, com brincos e de máscara, ela estampa ‘Estou fazendo a minha parte. Faça a sua!’. Além da frente da casa, os cômodos estão cheios de dezenas de esculturas, quadros e outras peças. “Tem gente que para aqui na frente de casa e tira aquela tal de selfie. Sempre faço alguma coisa para auxiliar a comunidade, gosto disso”, ressalta.

Invista em você

Assim como o seu Nídio, cada pessoa pode usar o tempo livre e ocioso durante a pandemia para trabalhar as habilidades, seja aquelas que já dominam, ou investir no aprendizado de novas. Na internet, são milhares as possibilidades de cursos gratuitos e vídeos com tutoriais em plataformas como o YouTube e o TikTok. Atividades longe das redes também podem ser colocadas em prática, como yoga, desenho, pintura e tantas outras.

Veja mais trabalhos de Nídio Moraes:


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados