Contágios em alta

Covid-19 suspende aulas em duas escolas da rede estadual em Pelotas

Assis Brasil e Parque do Obelisco ficaram três dias sem atividades para tentar barrar a transmissão do vírus; na segunda-feira portas voltam a abrir

13 de Maio de 2022 - 21h34 Corrigir A + A -

Por: Michele Ferreira
michele@diariopopular.com.br 

Na Escola Parque do Obelisco, no bairro Areal, o coronavírus atingiu em cheio a equipe diretiva e os quadros suspeitos também passavam a crescer (Foto: Carlos Queiroz - DP)

Na Escola Parque do Obelisco, no bairro Areal, o coronavírus atingiu em cheio a equipe diretiva e os quadros suspeitos também passavam a crescer (Foto: Carlos Queiroz - DP)

No Instituto de Educação Assis Brasil (IEAB), os resultados positivos incluíram professores, funcionários e alunos, em um total de 15 pessoas (Foto: Carlos Queiroz - DP)

No Instituto de Educação Assis Brasil (IEAB), os resultados positivos incluíram professores, funcionários e alunos, em um total de 15 pessoas (Foto: Carlos Queiroz - DP)

Duas escolas da rede estadual de ensino precisaram interromper as atividades em decorrência de casos de Covid-19, em Pelotas. Em ambas, as aulas retornam na segunda-feira (16). No Instituto de Educação Assis Brasil (IEAB), os resultados positivos incluíram professores, funcionários e alunos, em um total de 15 pessoas. E, embora a desinfecção do prédio fosse ocorrer só no final da tarde desta sexta-feira (13), a direção decidiu suspender as atividades na quarta, dia 11, para tentar barrar a transmissão. Já na Escola Parque do Obelisco, no bairro Areal, o coronavírus atingiu em cheio a equipe diretiva e os quadros suspeitos também passavam a crescer.

Um cartaz escrito à mão, afixado na porta, oficializava a decisão à comunidade escolar do IEAB: Aulas canceladas até sexta-feira. "Não tínhamos como arriscar. É a vida das pessoas e temos colegas com comorbidades", explica o vice-diretor Vanderley Gutierres Pimentel. "Foi um efeito dominó". Os oito professores que tiveram diagnóstico confirmado são do Ensino Médio. Os quatro estudantes também. Os três funcionários são de setores diferentes - um monitor, uma merendeira e um profissional da limpeza -, mas as medidas de controle se mostravam urgentes.

O Instituto é a maior instituição de ensino estadual de Pelotas. Atualmente, são cerca de 1,7 mil alunos divididos entre os três turnos. Em torno de 800 integram o Ensino Médio e estão matriculados pela manhã. Com vários ambientes de uso compartilhado, a ação mais acertada era cessar o contato. E foi o que a direção decidiu fazer.

No IEAB aulas retornam, mas no Médio seguem os problemas

Mesmo com a desinfecção realizada por empresa especializada e uma limpeza geral, as atividades não poderão voltar ao normal para os adolescentes do Médio, a partir de segunda-feira. E a situação não está relacionada apenas à Covid-19 e aos atestados que ainda estão em vigor entre os professores.

Desde o começo do ano letivo, em 20 de fevereiro, a equipe do Ensino Médio está desfalcada. Nenhuma das 28 turmas - entre as dez de 1º Ano, oito de 2º Ano, sete de 3º Ano e três do Normal - conta com todos os professores à disposição. Faltam profissionais nas áreas de Biologia, Inglês, Literatura, Matemática, Física, Português e Cultura e Tecnologias Digitais. Para cada um dos Anos e das turmas, há um tipo de desfalque.

Um quebra-cabeça a ser montado, com estudantes que entram mais tarde ou saem mais cedo, conforme o dia da semana; admite o vice-diretor, ao lamentar a demora do governo para a solução efetiva.

Aulas segunda, mas só à tarde na Parque do Obelisco

O alerta também está em destaque na porta de entrada: Retornaremos às aulas na segunda-feira, 16, de tarde. Pela manhã, servidores da limpeza, da merenda, da biblioteca e integrantes da própria equipe diretiva devem desencadear grande mutirão de higienização da escola. Na última semana, a vice-diretora Ana Carla Vieira e os dois encarregados da supervisão pedagógica testaram positivo para Covid-19. Com a suspeita do orientador educacional e de mais três funcionárias e três professores, soou o sinal vermelho.

Com os membros da direção fora de combate, o dia a dia da instituição torna-se inviável. Não raro, são eles próprios quem abrem e fecham portas, recepcionam alunos e conversam com pais. "É um incêndio para apagar por segundo", compara Ana Carla. Diante do risco de outros trabalhadores também serem contaminados, parar as atividades era o melhor caminho. Atualmente, a Escola Parque do Obelisco possui aproximadamente 300 alunos.

A posição da 5ª CRE

A titular da 5ª Coordenadoria Regional de Educação, Alice Szezepanski, fala sobre os ofícios protocolados pelas duas instituições com o anúncio da suspensão das aulas, mas garante que nenhuma das outras 123 instituições espalhadas pelos 18 municípios da área de cobertura precisaram fechar as portas em decorrência da Covid-19, em 2022.

"As duas escolas já receberam a determinação para mudança do calendário", ressalta. Assis Brasil e Parque do Obelisco precisarão definir de que forma irão recuperar as aulas não ministradas durante esses três dias: aos sábados, no meio do ano ou ao final de ano letivo. As propostas serão revisadas e precisarão de aval da 5ª CRE para serem adotadas.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados