Impasse

Cedência de prédio da Faculdade de Medicina para Ebserh gera discussão

Tema estará na pauta da reunião do Conselho Universitário na manhã de terça; nesta segunda Paliteiro ganhou abraço simbólico de quem é contra a medida

25 de Outubro de 2021 - 19h23 Corrigir A + A -

Por: Michele Ferreira
michele@diariopopular.com.br 

Professores, servidores, alunos e pacientes participaram do ato para dizer não à cedência do imóvel (Foto: Jô Folha - DP)

Professores, servidores, alunos e pacientes participaram do ato para dizer não à cedência do imóvel (Foto: Jô Folha - DP)

Paliteiro, como local é conhecido, é referência para toda a região em atendimentos a pacientes com HIV-Aids (Foto: Jô Folha - DP)

Paliteiro, como local é conhecido, é referência para toda a região em atendimentos a pacientes com HIV-Aids (Foto: Jô Folha - DP)

A cessão do prédio do Ambulatório Central da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Pelotas (Famed-UFPel) à Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) segue gerando discussão. Professores, servidores, alunos e pacientes uniram-se na manhã desta segunda (25), em abraço simbólico, para dizer não à cedência do imóvel. Em assembleia geral da Famed - que reúne os cursos de Medicina, Psicologia e Terapia Ocupacional -, na última quinta-feira (21), a medida foi rejeitada por unanimidade.

Nesta terça (26), a regularização do contrato firmado - em 2014 - entre o Hospital-Escola (HE) e a Ebserh entrará na pauta da reunião do Conselho Universitário (Consun), instância máxima das decisões da UFPel. Ao conversar com o Diário Popular, depois do ato, a diretora da Famed, Julieta Fripp, afirmou que a preocupação é com o que estaria por vir após a cessão do Paliteiro, como o prédio do Ambulatório é conhecido.

"Perderíamos completamente a autonomia sobre a gestão. E somos nós quem temos conhecimento da melhor forma de ensinar o nosso aluno, de qual a melhor forma de atender o nosso paciente", sustenta a médica. E ao falar com o peso de quem era a superintendente do HE quando o contrato com a Ebserh foi assinado - e a cedência de patrimônio da Famed não estava prevista -, Julieta defende que a cessão do prédio só ocorra quando as obras do novo hospital estiverem por começar, já que parte da área é a mesma onde será realizada a construção.

"A hora que estiver organizado, com dinheiro garantido e forem licitar, nós vamos, inclusive, ter protagonismo de decidir onde vamos colocar as coisas que acontecem aqui, sem dissolução de continuidade", argumenta. E reforça: "Hoje não tem data. O projeto nem pronto está, não tem licitação nem dinheiro. O MEC já disse que tem que buscar emenda parlamentar para construir".

Em coro

A coordenadora do colegiado do curso de Medicina, Sílvia Macedo, também destaca a preocupação com a gestão administrativa, no caso de a cessão ser confirmada neste momento. "É mais do que a questão física do prédio. É o gerenciamento de tudo que ali dentro ocorre e a nossa visão é de privilegiar ensino, assistência, pesquisa e extensão".
A pneumologista também fala na preservação do protagonismo na hora de decidir para onde serão transferidas as atividades, quando o Paliteiro for ser demolido.

A palavra da reitoria

Em vídeo de 11 minutos, o pró-reitor de Planejamento e Desenvolvimento, Paulo Ferreira Júnior, refere-se ao tema como falsa polêmica. Ao fazer rápido histórico e apresentar material de forma didática, argumenta que desde 2012 o Ambulatório funciona em local onde será instalado o novo hospital, mas garante que os blocos 1 e 2 terão estrutura para abrigar os ambulatórios da Famed.

"Nós estamos discutindo a cedência de um terreno, para regularizar aquele contrato [de 2014]", sustenta. E enfatiza que o Paliteiro será "totalmente demolido" para construção do novo HE.
Paulo Ferreira Júnior também refuta as afirmações de que a cessão do prédio atingiria a gestão do trabalho desenvolvido. O pró-reitor de Planejamento ainda faz questão de mencionar a cláusula quarta - da cessão do patrimônio: Ao término do contrato, os bens e direitos cedidos serão, a qualquer tempo, devolvidos à contratante.

"Cessão é uma espécie de empréstimo para que fique sob a gestão daquela entidade, durante aquele período, o imóvel para que possa fazer benfeitorias e os investimentos", afirma. "Ebserh é UFPel. O Hospital-Escola é da UFPel".

Saiba mais 

O Ambulatório Central realiza em torno de dois mil atendimentos por mês, distribuídos em 12 horas de atividades por dia. Além de acolher o Serviço de Assistência Especializada (SAE), referência a pacientes com diagnóstico de HIV-Aids e hepatites virais de toda a região, o Paliteiro também recebe pessoas em tratamento em várias áreas, como reumatologia, pneumologia e clínica médica.

 


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados