De olho

Casos de monkeypox mais que dobram no RS em uma semana

Com salto de cinco para 12 ocorrências em uma semana, homens são a maioria dos infectados; Zona Sul ainda não tem nenhum caso

03 de Agosto de 2022 - 22h15 Corrigir A + A -
Entre o total, são sete homens e cinco mulheres.  (Foto: Divulgação - DP)

Entre o total, são sete homens e cinco mulheres. (Foto: Divulgação - DP)

O número de casos de monkeypox confirmados no Rio Grande do Sul chegou a 12. Sete deles foram confirmados pela Secretaria da Saúde (SES) nos últimos sete dias. Entre o total, são sete homens e cinco mulheres. 

Situação da monkeypox no RS em 3 de agosto
Casos confirmados por município:  

  • Canoas: 1
  • Caxias do Sul: 2
  • Garibaldi: 1
  • Igrejinha: 1
  • Porto Alegre: 5 (sendo um deles residente do exterior em viagem à cidade)
  • Uruguaiana: 1
  • Viamão: 1

Sobre a doença
A monkeypox é uma causada por um vírus. Foi diagnosticada e identificada na década de 1960 primeiro em macacos, por isso ficou conhecida como “varíola dos macacos”. Essa doença tem caráter endêmico em alguns países da África Central e da África Ocidental. Ao longo da história da saúde pública mundial, houve surtos em alguns países, como, por exemplo, nos Estados Unidos, mas com poucos casos. Porém, neste ano foi identificado o primeiro grande surto em países não endêmicos, ou seja, países que não são da África Central e da África Ocidental, com circulação sustentada do vírus. 

Transmissão, prevenção e tratamento
A principal forma de transmissão é por meio do contato pele com pele, secreções ou por objetos pessoais do paciente infectado. O período de incubação (tempo entre o contágio e o aparecimento de sintomas) é geralmente de seis a 13 dias, mas podendo chegar a até 21. Inicialmente a pessoa apresenta febre, dor de cabeça intensa, dor nas costas e inchaço nos linfonodos (pescoço, axila ou virilha). Lesões na pele costumam surgir mais frequentemente na face e extremidades.  

Considerando que a transmissão ocorre por contato direto prolongado com pessoas infectadas ou por objetos contaminados (como toalhas, lençóis, talheres), recomendam-se como formas de prevenção o isolamento dos doentes (com uso de máscara) e a intensificação de medidas de higiene individuais (lavagem de mãos) e ambientais (desinfecção de superfícies de toque do paciente).

Os pacientes diagnosticados devem receber líquidos e alimentos para manter o estado nutricional adequado e manter as lesões cutâneas limpas e secas.

Mais informações com orientações sobre a doença, prevenção e notas técnicas direcionadas aos serviços de saúde estão disponíveis no site da Atenção Básica da SES.

 


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados