Recomeço

Ajuda para renascer das cinzas

Depois de perder tudo em um incêndio, casal conta com o apoio de amigos para recomeçar a vida junto ao filho, de apenas três meses

27 de Julho de 2021 - 10h09 Corrigir A + A -
Imóvel fica localizado na rua Félix da Cunha, 908 (Foto: Jô Folha - DP)

Imóvel fica localizado na rua Félix da Cunha, 908 (Foto: Jô Folha - DP)

Os objetos foram queimados ou derretidos. Os poucos que se salvaram estão inutilizáveis pelo risco de intoxicação (Foto: Jô Folha - DP)

Os objetos foram queimados ou derretidos. Os poucos que se salvaram estão inutilizáveis pelo risco de intoxicação (Foto: Jô Folha - DP)

Fogo se alastrou rapidamente e consumiu toda a casa (Foto: Jô Folha - DP)

Fogo se alastrou rapidamente e consumiu toda a casa (Foto: Jô Folha - DP)

Incêndio ocorreu na última quarta-feira (21) (Foto: Jô Folha - DP)

Incêndio ocorreu na última quarta-feira (21) (Foto: Jô Folha - DP)

Luaãn saiu de casa às pressas com a esposa Samanta e o filho Lucaa, de apenas três meses de vida (Foto: Jô Folha - DP)

Luaãn saiu de casa às pressas com a esposa Samanta e o filho Lucaa, de apenas três meses de vida (Foto: Jô Folha - DP)

Incêndio trouxe perda total para a família Moreira (Foto: Jô Folha - DP)

Incêndio trouxe perda total para a família Moreira (Foto: Jô Folha - DP)

Eram 20h15min do dia 21 de julho e o terapeuta psicanalista Luaãn Moreira estava no quarto de seu filho, Lucca, de apenas três meses, dando banho nele. Acompanhado da esposa, Samanta, ele vivia mais uma quarta-feira tranquila na casa da família Moreira, alugada e localizada na rua Félix da Cunha. Até que um cheiro de queimado invadiu o ambiente. Luaãn estranhou e foi ver do que se tratava. Ao sair do quarto, se deparou com um cenário assustador: uma fumaça preta saía de um dos quartos, tomando conta da cozinha e invadindo os outros cômodos da casa.

A partir daí, a família viveu momentos de desespero. Ao buscar a origem do fogo Luaãn viu que as chamas já haviam consumido o quarto do casal. Diante desta cena, ele nem pensou duas vezes em sair de casa. "O cheiro era muito forte. Eu fui ver de onde estava vindo o fogo e já tava tudo em chamas. Guarda-roupa, cama, cômoda, armário, tudo já estava queimando. A cozinha, que é a primeira peça depois desse quartinho, já estava destruída. Puxei minha esposa, meu filho e saímos pra rua. Liguei pros bombeiros, foi tudo muito rápido", conta o terapeuta.

A cena de horror só acabou após as chamas serem controladas. Porém, houve perda total. Móveis, colchões, aparelhos domésticos, roupas, tudo queimado. O que não foi completamente destruído, derreteu. "Nós saímos apenas com a roupa do corpo e com algumas coisas do bebê que deu pra salvar, mas por conta da fumaça e do fogo o bombeiro já orientou que não era aconselhável que a criança usasse, porque poderia ser intoxicada. Mesmo lavando, não seria apropriado pelo estado que as roupas estavam", explica.

Com a perícia do Corpo de Bombeiros, foi identificada a causa do incêndio. O laudo apontou que um curto-circuito em uma tomada na cabeceira da cama foi a responsável pelas chamas. "No curto que se deu, é provável que os fios tenham entrado em contato com a cama e o fogo se alastrado. O teto é de madeira e foi consumido muito rápido, destruindo tudo mesmo. Ficou tão quente e abafado que o que não queimou, derreteu, o fogo se espalhou por toda a casa", conta Moreira.

Dos males, o menor

As perdas que Luaãn sofreu foram apenas materiais. Ele, a esposa e o filho escaparam ilesos do incêndio. Tanto ele como Samanta são naturais de São Paulo e estão em Pelotas para trabalhar. Neste momento, eles estão provisoriamente instalados na casa de amigos, na Cohabpel, e contam com o suporte da imobiliária responsável pela casa. "Não temos ninguém aqui. Nossos amigos nos estenderam a mão e estamos tendo suporte para buscar um novo local para morar. Eu sou grato à imobiliária, que está nos dando o suporte para nos colocar em outro lugar, mas ainda não temos móveis e não encontramos uma casa apropriada", conta. A família seguirá contando com o abrigo dos amigos até poder reiniciar a vida.

Quem quiser ajudar Luaãn e sua família, pode entrar em contato através dos telefones (53) 981520884 e 999683306.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados