De volta às origens

A técnica de se reenergizar

DP o convida a entrar no universo do bushcraft, a arte mateira que cresce no Brasil e no mundo

16 de Fevereiro de 2019 - 10h27 Corrigir A + A -

Por: Michele Ferreira
michele@diariopopular.com.br 

Um dos segredos é escolher a madeira e desfiá-la pelo lado de dentro, mais seco (Foto: Paulo Rossi - DP)

Um dos segredos é escolher a madeira e desfiá-la pelo lado de dentro, mais seco (Foto: Paulo Rossi - DP)

Uma pederneira é utilizada para criar a faísca (Foto: Paulo Rossi - DP)

Uma pederneira é utilizada para criar a faísca (Foto: Paulo Rossi - DP)

Resultado dá certo e pau-pena pega fogo, sem uso de isqueiro, fósforo ou álcool (Foto: Paulo Rossi - DP)

Resultado dá certo e pau-pena pega fogo, sem uso de isqueiro, fósforo ou álcool (Foto: Paulo Rossi - DP)

Um dos cenários preferidos é a área da antiga pedreira do Cerro do Estado, no Capão do Leão (Foto: Paulo Rossi - DP)

Um dos cenários preferidos é a área da antiga pedreira do Cerro do Estado, no Capão do Leão (Foto: Paulo Rossi - DP)

O convite é para uma imersão na natureza. Mas o chamamento vai bem além de contemplar o cenário e preservar o ambiente. O Diário Popular entra no universo do bushcraft, a arte mateira que cada vez mais se difunde no Brasil e no mundo. E quem nos desafia a quebrar a rotina e descobrir um pouco mais deste movimento é o designer gráfico Paulo Momento que há mais de dois anos mantém canal no Youtube para compartilhar conhecimentos e dar dicas a quem também deseja aprender técnicas primitivas, que vão de fazer fogo a preparar abrigos de palha.

A paisagem para o bate-papo foi em área da antiga pedreira do Cerro do Estado, no Capão do Leão, um dos locais que o pelotense de 43 anos mais tem desbravado. Às vezes, apenas por horas para se reenergizar. Não raro para pernoitar, ali mesmo, no acampamento natural. "É a minha terapia", resume. "Quando volto para casa estou renovado". É uma relação de integração com a natureza. É possível respeitá-la e, ao mesmo tempo, retirar dela recursos para sobreviver - se necessário fosse.

Mas, logo, Paulo Momento faz a ressalva: a cada empreitada, não é preciso lançar mão das antigas técnicas. Mas dominar o conhecimento e estar apto a realizá-las, em qualquer situação inesperada, torna-se desafiante. Vira diversão. E são essas curiosidades que o bushcrafter traz nos vídeos produzidos para o canal.

Pesquisar nunca é demais
A paixão por explorações começou ainda guri, entusiasmado em acampar e desvendar as belezas escondidas no mato. A vontade de aprender foi canalizada às muitas leituras: manuais de sobrevivência, informações da Defesa Civil, orientações militares. O adolescente não desprezava nenhuma fonte de pesquisa. Até hoje é assim. O designer estuda sobre materiais, ferramentas, estratégias para obter melhores resultados.

Para elevar o nível de motivação, muitas vezes volta as atenções ao Google Maps, onde identifica novas áreas em que tentará chegar. E nesse perseguir outros roteiros, no campo e na cidade, Paulo Momento admite: "Podemos valorizar e celebrar técnicas do passado sem desprezar os meios modernos. Não sou um homem primitivo", reforça. E exemplifica: em alguns momentos, o GPS do celular poderá ser usado.

Saiba mais
- Fogo sem fósforo, isqueiro ou álcool
É possível, sim! O Diário Popular acompanhou toda a demonstração, executada em poucos minutos. O primeiro passo foi a escolha da madeira. E o imprescindível: para dar certo, Paulo Momento dividiu o pedaço em quatro partes para poder desfiá-lo - com o uso de canivete - e criar o pau-pena, pelo lado de dentro da madeira, protegido da umidade. Na sequência, a fricção da lâmina do canivete na pederneira garantiu a faísca que deu início ao fogo. Sim, deu certo!

- Mochila sempre pronta: Alguns itens não podem faltar na hora de organizar a bagagem para as empreitadas. Fique atento:
* Canivetes: O ideal é sempre levar, no mínimo, dois para evitar qualquer imprevisto, caso algum deles apresente problemas.
* Lanterna e pederneira
* Touca ou boné, repelente e protetor solar
* Bebidas: Água e café são algumas das alternativas. Carregar pastilhas de cloro também pode ajudar, caso você precise forçar algum tipo de tratamento em água disponível no local.
* Seleção musical: Cada um montará a sua, claro. No setlist de Paulo Momento não pode faltar muito metal e folk, que estão entre os estilos preferidos do designer gráfico.

- Como se deslocar?
Os roteiros costumam ser cumpridos de duas maneiras: no Heisenberg, o Fusca ano 1978, ou de bicicleta. Com recomendações médicas de se exercitar, para evitar problemas com pressão alta, não raro, o bushcrafter faz questão de trocar o volante pelas pedaladas.


Planos para casa sobrevivencialista
Ainda não está definido quando, mas Paulo Momento projeta, sim, investir em uma casa sobrevivencialista; uma moradia funcional que conte com autonomia de água e de energia, ainda que existam falhas nos serviços públicos de abastecimento. Uma cisterna para abastecimento de água e a implantação de sistemas de energia solar e eólico estão nos planos. Uma dispensa variada, que assegure estoque de alimentação, também deve sair do papel.

São projetos, conceitos e aventuras - em casa ou junto à natureza - que Paulo Momento faz questão de viver ao lado da companheira Luana Quevedo e da filha Cecília, de apenas quatro meses. E para quem por vezes questiona as razões de querer 'passar trabalho' na hora de descansar, logo responde: "A verdadeira sobrevivência urbana é a corrida atrás de grana". Essa, sim, é uma corrida desgastante - defende.

- Acesse e assista!
Canal Paulo Momento - www.youtube.com/user/paulomomento
Atualmente são 3.835 inscritos


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados