Universidade

A Ciência de forma acessível

Evento " 3MT - Sua tese em três minutos" desafiou doutorandos dos Programas de Pós-Graduação da UFPel; atividade lotou o auditório da Faem

23 de Outubro de 2019 - 21h41 Corrigir A + A -
Evento lotou o auditório da Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel (Foto: Carlos Queiroz - DP)

Evento lotou o auditório da Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel (Foto: Carlos Queiroz - DP)

Com um cronômetro ao lado, um slide de apoio e a plateia a frente, 17 doutorandos apresentaram em 180 segundos e, com uma linguagem acessível e dinâmica, os trabalhos que desenvolvem nos programas de Pós-Graduação da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), durante a realização da segunda edição do "3MT - Sua tese em três minutos". A atividade, nesta quarta-feira (23), marcou o terceiro dia da 5ª Semana Integrada de Inovação, Ensino, Pesquisa e Extensão (SIIEPE) que vai até sexta.

 Durante as apresentações, o silêncio e a torcida para que ninguém extrapolasse o tempo prevaleceram no auditório lotado da Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel (Faem), no Campus Capão do Leão da UFPel. Os conteúdos expostos pelos participantes foram avaliados por uma comissão julgadora, que escolheu dois vencedores, e pelos presentes na plateia, que escolheram um. Os ganhadores receberam brindes e certificados

O primeiro lugar pela escolha do júri foi para Ângela Maria Casaril, do Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia (PPGB) da UFPel, que apresentou o trabalho "Efeito tipo-antidepressivo de um composto orgânico de selênio". De acordo com a doutoranda, o trabalho consiste na busca por novas moléculas com efeitos antidepressivos, como alternativa aos medicamentos que estão no mercado, que produzem efeitos colaterais à quem os utiliza. No momento, a pesquisa está em fase de testes em camundongos e, conforme Ângela, os efeitos observados são promissores.

Ela, que está no quarto ano do doutorado, conta que ficou nervosa durante a apresentação e teve de lidar também com os tremores. "O mais difícil é falar de forma acessível, encontrar a nomenclatura adequada para que as pessoas entendam". Apesar do desafio, a possibilidade de mostrar os impactos da pesquisa científica na vida das pessoas e de contribuir para a popularização da ciência, são gratificantes e recompensadores.

O segundo lugar pela escolha do juri ficou com Fernanda Cardoso Teixeira, discente do Programa de Pós-Graduação em Bioquímica e Bioprospecção, que apresentou o trabalho "Efeitos do tratamento com inosina em parâmetros comportamentais e bioquímicos em modelos experimentais in vitro e in vivo para a doença de Alzheimer". A escolha da plateia foi para a apresentação "Artificial Skin produzido através de gel nanofibrilar de celulose vegetal _ Ensaio in vitro", da doutoranda Débora Duarte Ribes, do Programa de Pós-Graduação em Ciência e Engenharia de Materiais.

Oportunidade para divulgar a ciência

Esta foi a segunda edição do evento na Universidade, que contou com a participação de 18 Programas de Pós-Graduação da UFPel. Para o coordenador de Pesquisa da Universidade, Marcos Corrêa, a atividade é um enorme desafio aos doutorandos, que precisam transmitir o conhecimento para o público de forma acessível. Além disso, a oportunidade possibilita o exercício comunicativo em ciência, de forma que o conteúdo não fique restrito a artigos acadêmicos e que o conhecimento seja difundido entre a comunidade. "É uma amostra da pesquisa feita na UFPEL", afirma.

Programação da SIIEPE termina na sexta-feira

 O "3MT - Sua tese em três minutos" faz parte da programação da 5ª SIIEPE, que iniciou na última segunda-feira (21) e vai até sexta. A semana reúne de forma integrada o 3º Congresso de Inovação Tecnológica (CIT), o 5º Congresso de Ensino de Graduação (CEG), o 6º Congresso de Extensão e Cultura (CEC), o 21º Encontro de Pós-graduação (ENPOS) e o 28º Congresso de iniciação Científica (CIC).

A coordenadora adjunta da semana, Taís Fonseca, explica que o evento é uma oportunidade de integração entre diversas áreas, colaborando com a construção de um conhecimento coletivo e um crescimento, a partir de outras visões. "É o momento onde as pessoas saem dos seus nichos", afirma. Segundo ela, houve um aumento no número de inscrições para apresentação de trabalhos e ouvintes nesta edição, em relação ao ano anterior. O crescimento, conta, foi acima das expectativas, considerando que a edição deste ano é realizada no Campus Capão do Leão da UFPel, fator que seria considerado como limitador pela distância do local.

Conforme a Coordenadoria de Comunicação Social (CCS) da UFPel, foram 4.099 inscrições homologadas nos eventos, e mais 565 participantes como ouvintes. No Enpos, houve o aumento de 412 pesquisadores em relação à edição de 2018 da semana.

Uma das pesquisadoras que apresentou no encontro foi Gessiele Corrêa, com o trabalho "Levantamento de termos específicos da disciplina de química na Língua brasileira de Sinais para elaboração e aplicação de uma unidade didática para alunos surdos". A mestranda profissional do programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática da Faculdade de Educação da UFPel, conta que a motivação para o desenvolvimento surgiu ainda na graduação de licenciatura em Química, em uma das turmas em que atuava pelo Programa Institucional de Bolsas à Iniciação à Docência (PIBID). Com isso sentiu que alunos surdos apresentavam dificuldades com conceitos específicos da área Química.

Para ela, a SIIEPE representa uma oportunidade de divulgar da produção científica produzida na Universidade, fato que ganha ainda mais importância no cenário político atual.

 As apresentações dos trabalhos nos congressos e no ENPOS vão até sexta-feira. Para às 19h está programada a realização de um show da Orquestra de Instrumentos Autóctones e Novas Tecnologias (OIANT), da Argentina, que marca o encerramento da semana e a comemoração aos 50 anos da Universidade. O espetáculo acontecerá no Teatro Guarany. A apresentação é gratuita, mas é preciso retirar os ingressos mediante a doação de um quilo de alimento não perecível na Pró-Reitoria de Extensão e Cultura, localizada no Campus Anglo da UFPel, ou no Sesc Pelotas, rua Gonçalves Chaves, 914.

A iniciativa é da UFPel uma parceria com o Sesc-RS, a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e a Universidade Federal do Rio Grande (FURG)


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados