Aumento de casamentos

2021 com mais registros de "sim" no altar

Com a liberação de eventos, aumento de cerimônias casamentos já é notado; expectativa do setor é de melhora em 2022

24 de Novembro de 2021 - 08h31 Corrigir A + A -
 Com o avanço da vacinação, a retomada de eventos de grande porte fez com que os casamentos registrassem alta em 2021 (Foto: Jô Folha - DP)

Com o avanço da vacinação, a retomada de eventos de grande porte fez com que os casamentos registrassem alta em 2021 (Foto: Jô Folha - DP)

Foram meses de espera para ouvir o "felizes para sempre". Adiamentos, frustrações e preparativos sem uma data definida até que casais pudessem subir no altar e falar o "sim" tão esperado. Com o avanço da vacinação, a retomada de eventos de grande porte fez com que os casamentos registrassem alta em 2021. Alegria para os noivos e alívio para o setor, que viu sua receita zerar no ano passado.

De acordo com dados da Associação de Registradores de Pessoas Naturais do Rio Grande do Sul (Arpen-RS), o Estado registrou 28.963 casamentos no civil até outubro deste ano, já durante em 2020 foram 27.259 registros emitidos. Em Pelotas, os cartórios registraram aumento de 16% nas cerimônias nos dez primeiros meses, entre janeiro e outubro de 2021, em comparação com o mesmo período do ano passado.

A maior alta estadual foi da união entre casais homoafetivos, de 37%. Até setembro deste ano foram feitos 7.541 registros entre pessoas do mesmo sexo, enquanto no mesmo período do ano anterior foram 5.504. O mês de abril de 2020 apresentou o menor número de registros do ano, com apenas 300. Por outro lado, em 2021, o mês com o menor número de casamentos foi fevereiro, com pouco menos de 700 celebrações.

A juíza de paz do Cartório de Registro Civil da Segunda Zona de Pelotas, Délia Louzada, afirma que o aumento nas celebrações matrimoniais neste ano se deve a importantes fatores, como a flexibilização das restrições sanitárias, bem como a retomada do setor de eventos de forma gradativa e controlada. "As pessoas estão sentindo a necessidade de voltarem à vida, depois de terem adiado repetidas vezes as datas de suas celebrações", avalia.

A tendência, segundo a juíza, é de aumento dos casamentos, tanto nos cartórios de registro civis quanto em reduzidas comemorações, com formatos mais adequados à pandemia e ela dá dicas de como transformar a data em um evento seguro. "O ideal é o casal procurar fornecedores e organizadores que busquem o melhor, tanto para os convidados quanto para família. Dentre os exemplos está a realização ao ar livre ou em ambientes intimistas com poucas adesões. Com o advento da vacina as pessoas estão se sentindo mais seguras e protegidas para realizarem o tão desejado sonho de casar", finaliza.

À espera do altar em 2022

Juntos desde outubro de 2013, a coordenadora de produtos digitais, Vanessa Conrad, 28, e o exportador Lucas Silva, 29, ficaram noivos em dezembro de 2020. Devido ao momento, um dos períodos mais críticos da pandemia, o pedido de casamento foi em momento apenas dos dois. "Gostaríamos de ter comemorado com os amigos, mas não foi possível pois a vacinação ainda não estava avançada", conta Vanessa.

Após o noivado, veio o momento de procurar uma data, marcada para o segundo semestre de 2022, como precaução de evitar possíveis mudanças. "Seria a melhor opção pois acreditávamos que haveria um tsunami de casamentos depois da aceleração da vacina e retomada dos eventos. Queríamos já marcar uma data com esperança na vacina e buscando não precisar remarcar". O aviso à família veio apenas em abril, três meses após a decisão. "Desde que noivamos já trabalhamos com uma data bem espaçada, para evitar riscos. Alguns amigos nos dizem que fomos muito antecipados, mas a gente já vem notando que não". A coordenadora conta que alguns serviços já são escassos para a época, uma vez que o ano deve ser marcado por um aumento expressivo de cerimônias.

Alívio ao setor de eventos

O sentimento de felicidade não fica restrito apenas aos noivos e convidados, mas atinge um mercado com cerca de seis milhões de profissionais no país, que ficaram parados durante a pandemia. O fôlego vem através do horizonte de um 2022 ainda mais movimentado.

A cerimonialista Ana Bonilla conta que os últimos meses foram delicados, uma vez que as restrições se estenderam por um ano e sete meses. Como consequência da ausência de trabalho, a renda da atividade foi reduzida a zero. Dentre as cerimônias organizadas por ela, foram cerca de 20 eventos adiados, que serão cumpridos em 2022. Com a liberação de festividades de grande porte, o primeiro evento de 2021 aconteceu em setembro e a expectativa é que até dezembro 20 eventos sejam realizados. "Cancelamentos, tivemos poucos, os clientes resistiram, seguem acreditando e sonhando", conta.

Quanto à retomada, Ana pontua como "desafiadora", deparando-se com o aumento gradual e o acúmulo de cerimônias que precisaram ser postergadas. "Estamos tendo procura para eventos em dias de semana e aos domingos, que antes não eram muito comuns. Sentimos que as pessoas estão confiantes, com a chegada da vacina, respeitando os protocolos e tomando todos os cuidados, estamos voltando! O ano de 2022 promete."


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados