Mais receitas

Xavante tem presença confirmada na Copa do Brasil de 2022

Cotas da primeira fase giram em torno de R$ 600 mil. Se repetir 2020 e avançar duas fases, Rubro-Negro pode embolsar R$ 3 milhões

29 de Novembro de 2021 - 20h39 Corrigir A + A -
Nova direção do clube deve manter pouquíssimos nomes do elenco de 2020 (Foto: Volmer Perez - GEB)

Nova direção do clube deve manter pouquíssimos nomes do elenco de 2020 (Foto: Volmer Perez - GEB)

Está finalmente confirmada a participação do Xavante na Copa do Brasil da próxima temporada. Bastavam apenas certezas matemáticas na Série A do Campeonato Brasileiro, e o fato de o Corinthians ter assegurado vaga na Libertadores da América já serviu para que o Rubro-Negro da Baixada, via Ranking Nacional de Clubes (RNC) da CBF, garanta um lugar no torneio eliminatório.

Para o Grêmio Esportivo Brasil, trata-se de uma excelente oportunidade de um respiro financeiro. A simples presença na primeira fase da competição rende uma cota de cerca de R$ 580 mil, considerando o reajuste padrão de 4% que a CBF tem promovido nos últimos anos. E o valor é esse pois o Xavante figura no último dos três grupos conforme a posição no ranking - se estivesse melhor colocado, poderia arrecadar um montante superior.

Superar a etapa inicial, que acontece em jogo único com o Rubro-Negro atuando fora de casa e tendo a vantagem do empate, significaria embolsar mais aproximadamente R$ 700 mil. A partir da terceira fase, a cota paga aos clubes passa a ser igual, sem depender do lugar no ranking: R$ 1,8 milhão. Foi nesse estágio que o Brasil parou na edição de 2020, quando eliminou Gama e Manaus, caindo para o Brusque.

Adversários possíveis

Segundo projeção da página @FutMaranhao, no Twitter, o Brasil ocupa o 37º lugar no ranking da CBF. O sorteio da primeira fase coloca frente a frente as equipes dos potes A x E, B x F, C x G e D x H, e o Xavante deve estar no C, de acordo com sua colocação.

Partindo dessa premissa e considerando a projeção, o Rubro-Negro poderia enfrentar um entre Operário-MT, Ceilândia-DF, Real Noroeste-DF, Lagarto-SE, Trem-AP, Maricá-RJ, Pouso Alegre-MG, Azuriz-PR, Icasa-CE e Grêmio Anápolis-GO.

Vale lembrar que o clube pelotense seria o último integrante de seu pote. Ou seja, se o ranking oficial da CBF apresentar alguma divergência e times como Náutico, Londrina e Paysandu acabarem na frente, o Brasil cairia para o pote D, enfrentando equipes do H, que têm a menor pontuação no ranking entre todos os participantes do torneio.

Cotas aproximadas por fase

  • Primeira fase: R$ 580 mil;
  • Segunda fase: R$ 700 mil;
  • Terceira fase: R$ 1,8 milhão;
  • Quarta fase (oitavas de final): R$ 2,8 milhões;
  • Quinta fase (quartas de final): R$ 3,6 milhões;
  • Sexta fase (semifinais): R$ 7,6 milhões;
  • Finais: R$ 25 milhões para o vice e R$ 60 milhões para o campeão.

Saídas começando

Além dos homenageados Matheus Nogueira e Heverton, o meia Rildo, emprestado pelo Grêmio, não permanecerá na Baixada. Ao contrário de Patrick, que segue em Pelotas para o Gauchão, o jogador já nem integrou a delegação na viagem para encarar o CSA e teve publicado no Boletim Informativo Diário (BID) da CBF o retorno ao Tricolor. O volante Sousa também não fica.

O preparador físico Walter Grassmann é outro que deixa o Brasil. O profissional se despediu do Xavante por meio de publicação nas redes sociais, na noite da última quinta-feira. Integrante da comissão do técnico Jerson Testoni, Marcos Abella fica a cargo da preparação física vermelha e preta.

Por outro lado, segundo informações do repórter Fernando Monassa, da Rádio Pelotense, a direção deve renovar o contrato com Leandro Camilo. O experiente zagueiro completará 36 anos em fevereiro e, caso continue, irá para a oitava temporada no clube. Conforme Monassa, Renatinho e Bruno Matias tendem a se despedir, enquanto Caio Rangel ainda conversaria com a direção.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados