Futebol

Xavante intensifica treinos físicos

Preparador Alexandre Souza acredita que atletas vão se reapresentar em nível superior ao apresentado em pré-temporadas

21 de Maio de 2020 - 10h40 Corrigir A + A -

Por: Vinícius Guerreiro
vinicius.guerreiro@diariopopular.com.br

Treinos estão sendo passados online aos profissionais (Foto: Reprodução)

Treinos estão sendo passados online aos profissionais (Foto: Reprodução)

Nesta segunda-feira (18) a comissão técnica do Brasil intensificou os treinos físicos enquanto aguarda a liberação para o recomeço dos treinamentos no Bento Freitas. Desde o início da semana os atletas passaram a treinar em sistema 2x1 (dois turno de treinamento em um dia e um turno no dia seguinte) com corridas pela manhã, e à tarde com trabalhos específicos de força, de potência e de prevenção. Os trabalhos ocorrem de segunda a sábado, com o domingo sendo de folga.

O preparador físico Alexandre Souza mostra otimismo com o trabalho. Ele e o restante da comissão técnica, chefiada pelo técnico Hemerson Maria, acreditam que o elenco rubro-negro irá se apresentar em um nível físico superior ao que os jogadores apresentam em uma pré-temporada. O objetivo, assim que forem retomados os treinos na Baixada, é que a parte tática seja priorizada.

“Acredito sim (que os atletas irão se apresentar em boas condições) e essa é a ideia. A comissão conversa diariamente. A FGF nos deu um norte importante fornecendo uma direção de data de retomada. Está sendo tudo muito novo. Claro que não é a melhor maneira treinar em casa, mas estamos conseguindo nos virar bem. Os atletas devem se apresentar melhor que o nível de pré-temporada, em nível superior a quando retornam de férias”, contou o preparador rubro-negro.

Souza revela que nem todos os jogadores estão conseguindo realizar as atividades de corrida pelo turno da manhã. Em algumas cidades ainda estão proibidos os exercícios individuais, mesmo ao ar livre. Porém, a grande maioria consegue executar as duas atividades projetadas pelo preparador. São trabalhos aeróbicos de resistência, de velocidade, de aceleração e de intensidade. Os movimentos buscam simular sistemas energéticos de um jogo.

Os treinos estão seguindo orientações de segurança repassadas pelo doutor Guto Lahm, vice-presidente médico do Brasil, como realizar as atividades sozinhos sempre utilizando máscaras e evitando aglomerações. Além da higienização constante das mãos e equipamentos com álcool gel.

Desafio

Não é somente para os atletas a grande mudança de rotina e o aumento no desafio dos trabalhos nesta quarentena. Para Alexandre, o isolamento social exigiu sair da zona de conforto e encarar a tecnologia. O preparador precisou aprender a utilizar novas ferramentas, como aplicativos de questionários rápidos e editores de vídeos, visando aumentar o rendimento dos treinos junto aos jogadores.

“É muito difícil. Muita conversa com os atletas. Montamos atividades em características gerais de um jogador de futebol. Faço novos treinos diariamente. Preciso baixar vídeos de algumas plataformas e editá-los para poder passar para os atletas. Gera uma dificuldade que não temos no dia a dia. Pessoalmente eu demonstrava, corrigia alguma coisa e já não era fácil. Imagina com essa distância. Além de precisar controlar o descanso, a alimentação. Mas ao mesmo tempo é instigante. Nos faz trabalhar com novas tecnologias e aplicativos. Ainda bem que temos a tecnologia a nosso favor neste momento”, revelou o preparador.

Preocupação

No final de semana o Campeonato Alemão voltou. Após analisar os jogos, o preparador rubro-negro ligou um alerta. Foram oito lesões musculares registradas na rodada de reabertura da competição.

“Em um grupo com preparadores físicos temos debatido. No futebol brasileiro sempre tivemos esse tempo curto, mas agora extrapolou, pois os atletas estão há muito tempo parados. A Alemanha costuma ter um número alto de lesões, se não me engano a cada mil horas há três lesões musculares, mas eles têm um investimento maior em elencos que compensa. Aqui no futebol brasileiro não temos a mesma condição”, alertou o profissional.

Outro número que assusta foi revelado pelo São José. O Zequinha se reapresentou no início da semana no Passo D’Areia. O preparador físico, Rafael Dias, em entrevista à Rádio Grenal, revelou que os atletas tiveram uma alta queda física.

“O grupo perdeu 14% de força e mais de 10% na capacidade aeróbica. Mas tem casos individuais de atletas que perderam até 20%. É uma coisa que não se consegue recuperar com menos de quatro semanas de treinamentos”, afirmou Dias na entrevista.

Sobre os dados, o preparador do Xavante ponderou. “O que estamos fazendo com os treinos online e os não presenciais de corrida é justamente tentar minimizar essas perdas. Não vai ser fácil”.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados