Gauchão 2019

Um novo horizonte

Em decisão unânime, Conselho Deliberativo do Pelotas aprova obras no entorno da Boca do Lobo e dá ânimo financeiro ao clube já em 2019

06 de Dezembro de 2018 - 21h30 Corrigir A + A -
Presidente Gilmar Schneider falou sobre a importância do projeto aprovado pelo Conselho (Foto: Tales Leal/ECP)

Presidente Gilmar Schneider falou sobre a importância do projeto aprovado pelo Conselho (Foto: Tales Leal/ECP)

O ano de 2018, mesmo com alguns percalços, ficará marcado positivamente na história do Pelotas. Além do título na Série A2 e o retorno à elite do futebol gaúcho, o clube ganhou motivos extras para retomar o caminho do crescimento. Em reunião do Conselho Deliberativo realizada na noite da última quarta-feira, as obras de requalificação no entorno do estádio da Boca do Lobo foram aprovadas por unanimidade. A primeira etapa do projeto prevê uma injeção de R$ 8,5 milhões aos cofres do clube já a partir de 2019, com a construção de um hotel da rede Laghetto.

Embora ainda seja cedo para mensurar valores finais do projeto, a aprovação dos conselheiros áureo-cerúleos traz resultado imediato ao caixa do clube. "Foi uma decisão unânime, algo muito importante. Isso nos possibilita iniciar o Gauchão em condições normais de investimento porque já havíamos recebido o adiantamento de R$ 1,3 milhão por parte da FGF para o pagamento de dívidas, quantia que vamos repor com esse acerto", destaca o presidente Gilmar Schneider.

Além do ânimo para fazer futebol na próxima temporada, Schneider acredita na possibilidade de, em pouco tempo, zerar todas as dívidas e pendências do clube. "Baseado no que temos de passivo, que gira em torno de R$ 6,5 milhões, podemos dizer que o Pelotas será um clube sem nenhuma dívida nos próximos anos", aponta.

Estiveram presentes na reunião do Conselho os representantes da rede hoteleira Laghetto e da construtora Zecon Engenharia, responsável pela execução das obras. O próximo passo é detalhar o projeto e encaminhá-lo à prefeitura. "Todo esse processo deve levar entre seis e oito meses para que então as obram se iniciem. Em até 30 meses devemos ter a conclusão", projeta.

A primeira parte do projeto se dará na avenida Bento Gonçalves e no parque Dom Antônio Zattera, na área que compreende o Pavilhão Social da Boca do Lobo. A mudança no entorno do estádio também gera outras negociações, segundo o presidente.

"Estamos conversando com os inquilinos porque nessas áreas existem as lojas. São grandes parceiros, que sabem da importância da obra para o clube", completa Schneider.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados