Raquete

Tênis de mesa: projeto da UFPel busca verbas

Veiculada à Esef, iniciativa voltada ao esporte é única na Zona Sul e sofre impactos, também, do corte do orçamento do MEC

30 de Junho de 2022 - 20h54 Corrigir A + A -
Programa esteve no Ruas de Lazer do último domingo, com a intenção de aumentar o interesse pela modalidade. Crianças participaram bastante (Foto: Jô Folha - DP)

Programa esteve no Ruas de Lazer do último domingo, com a intenção de aumentar o interesse pela modalidade. Crianças participaram bastante (Foto: Jô Folha - DP)

Iniciativa única na Zona Sul do Estado, o Projeto Tênis de Mesa para a Comunidade, da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), ligado à Escola Superior de Educação Física (Esef), busca auxílio financeiro para ter continuidade e crescer. Em paralelo, vagas estão abertas para interessados em participar das atividades, que ocorrem três vezes por semana – no momento, porém, há pausa de férias.

Bruno Macedo, coordenador do programa ao lado do professor Eduardo Merino, ressalta ao Diário Popular que o principal objetivo não é exatamente formar atleta, apesar do foco no alto rendimento a partir do desenvolvimento de técnicas. “Trazer um esporte novo, como lazer, para as pessoas que quiserem”, ele completa.

Apesar da ligação direta com a UFPel, não é preciso ser estudante da instituição para integrar as atividades. Hoje, 12 pessoas fazem parte do Tênis de Mesa para a Comunidade. O principal problema é estrutural, já que a baixa quantidade de mesas não é compatível com o número de jogadores.

“Não temos onde colocar gente nas duas mesas que temos. A ideia é aumentar o público, para mostrar visibilidade para a UFPel, e a UFPel então conseguir material para nós”, explica Bruno. Nesse sentido, o recente corte orçamentário do Ministério da Educação (MEC), que comprometeu ainda mais a situação econômica das universidades federais, acaba impactando os projetos de extensão, como é o caso.

“A gente entrou com pedido de material. Uma mesa, cinco raquetes e bolinhas. Como ocorreu um novo corte de verbas, esse pedido está com um impasse. Talvez venha o pedido, mas se vier nesse ano vai ser só no final. Temos urgência, porque o projeto realmente não tem condição”, acrescenta.

Participação no Ruas de Lazer

No último domingo, o Tênis de Mesa para a Comunidade marcou presença no Ruas de Lazer, iniciativa da prefeitura de Pelotas, junto à UFPel, que leva opções de entretenimento, esporte e lazer ao público. Como mostram as imagens, a atração despertou interesse principalmente de crianças, várias tendo o primeiro contato com a modalidade.

“A gente vai exatamente para isso. Mostrar o projeto para quem não conhece. Às vezes as pessoas se descobrem”, afirma Bruno. Com relação ao limite mínimo de idade para integrar o programa, ele explica, citando também outros empecilhos.

“Às vezes chega uma criança de oito anos com desenvolvimento motor muito maior que o de uma criança de 12. São casos à parte. É difícil que elas possam ir até a Esef. O Ruas de Lazer muitas vezes pega crianças com condição financeira mais baixa. Os treinos das 19h às 21h também complicam na hora de ir embora para casa”.

Auxílio é necessário

Para manter o projeto vivo e inclusive facilitar a inscrição em campeonatos, os coordenadores do programa reforçam a importância de apoio financeiro. Patrocínios são aceitos, por exemplo. Para mais informações, basta entrar em contato pelo Instagram, no perfil @tenisdemesaufpel.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados