Série B

Tem coisa que não muda

Brasil vence o Juventude, crava permanência na Série B e mantém larga vantagem sobre rival gaúcho na Série B

12 de Janeiro de 2021 - 21h27 Corrigir A + A -

Por: Vinícius Guerreiro
vinicius.guerreiro@diariopopular.com.br

Grupo comemorou no gramado a permanência na Série B (Foto: Carlos Queiroz - DP)

Grupo comemorou no gramado a permanência na Série B (Foto: Carlos Queiroz - DP)

Diego Ivo marcou o gol que deu a vitória ao Brasil (Foto: Carlos Queiroz - DP)

Diego Ivo marcou o gol que deu a vitória ao Brasil (Foto: Carlos Queiroz - DP)

 

A temporada 2020/21 é a mais atípica por causa da pandemia da Covid-19. Mas têm coisas que não mudam. Uma delas é a vantagem do Brasil sobre o Juventude. Na noite desta terça-feira (12) o Xavante manteve a escrita de nunca perder para o time de Caxias na Série B do Brasileiro e venceu por 2 a 1 de virada pela 34ª rodada da competição. O que também não mudou é o rubro-negro disputando a segunda divisão nacional, com os 47 pontos o Brasil garantiu a permanência para a próxima edição.

A vitória fez o Brasil saltar para 10ª colocado antes da partida contra o Figueirense  na próxima sexta-feira às 17h30min em Florianópolis.

O jogo
O Juventude bem que tentou quebrar o tabu de nunca ter vencido o Brasil na Série B do Brasileiro. A estratégia de pressionar a saída de bola com Grampola encaixando no zagueiro, Cajá fechando o volante que dava opção de passe e Buchecha pressionando o outro volante, dificultou muito a construção rubro-negra que precisou apelar para o chutão. Logo no começo Rafael Martins realizou duas grandes defesas para evitar que os visitantes saíssem no placar.

Aos 25, porém, a bola acabou na rede. Grampola venceu a disputa com Héverton e rolou para Capixaba que tocou na saída de Rafael. O Brasil mostrou poder de reação imediato e soube explorar o cobertor curto do Jaconero. Como pressionava alto, Buchecha deixava espaços às costas e era ali que Matheus Oliveira desfilava. O meia conduziu o Brasil e aos 29 minutos acabou cruzando para Bruno José. O atacante puxou o voleio e a bola pegou na mão do adversário. Pênalti que Matheus converteu.

No lance seguinte, após bola levantada para a área, Diego Ivo aproveitou o desvio de Sousa e virou o placar. Ivo fez valer a famosa “lei do ex”.

Pressão e gol perdido
O segundo tempo foi marcado por um Juventude que tentou pressionar desde o início e um Brasil que perdeu muitos gols. Primeiro o Ju acertou a trave com Rogério, que pouco ainda exigiu de Rafael nova grande defesa na finalização seguinte. Depois Sousa quase marcou um gol de placa. O volante, que teve grande atuação, roubou a bola na intermediária e avançou em velocidade. Entrou na área a dribles e finalizou. A bola acabou subindo e parando no travessão. No rebote, Bruno José perdeu um gol feito.

Bruno José perderia, aos 17 minutos, outra chance clara. Matheus Oliveira deixou o atacante livre na cara do gol e ele chutou para fora. No restante, o Juventude se lançou totalmente ao ataque. Tencati reforçou a marcação e o resultado foi o Brasil segurando a permanência e a vantagem histórica contra o Juventude.

Ficha técnica
Brasil: Rafael Martins; Felipe, Diego Ivo, Héverton e Bruno Santos; Sousa, Pablo (Luiz Felipe), Matheus Oliveira (Camilo), Matheuzinho (Wellissol), Bruno José (Cazonatti) e Luiz Henrique (Rodrigo Ferreira).  Técnico: Cláudio Tencati

Juventude: Marcelo Carné; Igor, Wellington, Emerson Silva (Gabriel Bispo), Helder; João Paulo, Gustavo Bucheca (Everton), Renato Cajá (Neto), Rogério (Bambam), Rafael Grampola e Capixaba (Matheuzinho). Técnico: Pintado.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados