Pedaladas

Pouca idade, longas distâncias

Ciclista pelotense de 20 anos será o mais jovem integrante de equipe brasileira em prova na França

12 de Agosto de 2019 - 13h35 Corrigir A + A -
Motivação. Felipe Gonçalves leva estilo de vida baseado em sua relação com a bicicleta. (Foto: reprodução)

Motivação. Felipe Gonçalves leva estilo de vida baseado em sua relação com a bicicleta. (Foto: reprodução)

Uma verdadeira relação de amor com a bicicleta. O sentimento carregado por Felipe Gonçalves, de apenas 20 anos, trouxe não apenas resultados esportivos à vida do atleta. Sua conexão com o pedal ocorreu depois da retomada de uma brincadeira de infância que se transformou em profissão e estilo de vida. Todas estas experiências somadas fazem de Felipe o mais jovem integrante da delegação brasileira que irá participar da Paris-Brest-Paris (PBP), clássica prova de longa distância do ciclismo, no próximo dia 18, na França.

De todos os 134 representantes brasileiros que estarão na prova, Felipe é o caçula, com 20 anos. A média de idade é de 44 anos, diferença que passa do dobro de sua idade, fato que impressiona o jovem atleta. “Sempre fui muito determinado em tudo que me proponho a fazer, mas não esperava uma coisa assim. Dá um medo, um frio na barriga, mas me sinto feliz e preparado”, conta.

As coisas mudaram na vida de Felipe aos 15 anos, quando ele ganhou uma nova bicicleta e, pouco depois, começou a disputar provas de moutain bike. Em 2017, o atleta foi vice-campeão na categoria sub-30. No ano seguinte, acabou ficando com o título. Os resultados esportivos apenas reforçaram o pensamento do jovem sobre a construção de um novo estilo de vida.

“Me reconectei comigo mesmo. O Felipe antes de pedalar e depois é outro. Abri uma empresa de entregas de bicicleta que hoje tem um ano e quatro meses e prima por uma relação sustentável e mais humanizada. Ela me ajudou a subsidiar a minha viagem à França”, contou o empreendedor e estudante de Psicologia.

Diariamente, Felipe pedala no mínimo 20 quilômetros entre lazer, trabalho e locomoção. Três vezes na semana, entram em cena os treinos de longas distâncias. Para se credenciar ao PBP, o atleta precisou disputar provas de 200, 300, 400 e 600 quilômetros, todas organizadas pelo clube Audax Brasil e seus filiados. Além disso, Felipe conseguiu completar a prova de 1.000 quilômetros Bagé-Punta del Este-Bagé em 71 horas e 30 minutos, distância semelhante à que irá encontrar na França.

O trajeto de 1.219 quilômetros do Paris-Brest-Paris deve ser concluído em até 90 horas pelos participantes. Será a primeira vez de Felipe Gonçalves no evento, que terá 6.668 ciclistas de 66 países e mais de 2,5 mil voluntários de todo o mundo.

Felipe parte para o sonho de disputar o PBP nesta terça-feira (13), quando se despede de solo brasileiro. Além de subsidiar boa parte de sua logística a partir do trabalho com a bicicleta, o atleta conta com o apoio de Rabassa Seguros e Jacques Georges.

 


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados