Série D

Outra agressividade

Oscilando fora de casa, Pelotas descansa para retomar desempenho dentro da Boca do Lobo

20 de Outubro de 2020 - 13h47 Corrigir A + A -

Por: Vinícius Guerreiro
vinicius.guerreiro@diariopopular.com.br

Colbachini acabou avaliando o empate em coletiva nesta segunda-feira (Foto: Tales Leal/ECP)

Colbachini acabou avaliando o empate em coletiva nesta segunda-feira (Foto: Tales Leal/ECP)

Novamente o Pelotas não conseguiu uma vitória fora de casa e outra vez acabou não apresentando o mesmo desempenho dos jogos na Boca do Lobo. O técnico Ricardo Colbachini falou sobre o jogo na segunda-feira (19) à tarde na reapresentação do elenco visando o jogo dessa quarta (21) contra o Tubarão, às 15h, na Boca do Lobo.

“A ideia era manter os mesmos conceitos de jogo das partidas realizadas na Boca do Lobo. Não foi aquilo que esperávamos e que projetávamos, ficamos um pouco abaixo do rendimento projetado. Não tivemos a mesma agressividade para controlar a bola como controlamos em outros jogos e agora é olhar para frente”, analisou o treinador

Para o confronto dessa quarta, Colbachini não contará com Itaqui. O volante recebeu o terceiro cartão amarelo e está suspenso. O provável substituto é Vini Garcia, mas Maylson, recuperado de lesão, também surge como opção. Na entrevista, o treinador destacou o equilíbrio do elenco.

“A ideia é manter a base e sempre vamos fazer ajustes por causa de desgaste. Temos uma base legal e muitos atletas que podem dar conta do recado”, destacou.

A definição do substituto deverá ocorrer no trabalho marcado para a manhã desta terça-feira. O único dos titulares antes do confronto contra o Tubarão.

A estratégia
Colbachini reconheceu o bom desempenho do Tubarão no confronto em Santa Catarina. “Tem muitos méritos do adversário, que conseguiu fazer um grande jogo. E não conseguimos repetir a mesma atuação em relação aos outros confrontos. Foi um jogo abaixo na questão técnica”, afirmou o comandante.

A estratégia dos catarinenses foi congestionar a saída de bola do Lobo. Assim os defensores não tiveram liberdade para avançar. Outro ponto dentro do 4-4-3 por zona do Tubarão foi a utilização do falso 9 para fechar a linha de passe até Moisés.

Com dificuldade de construir desde trás, o Lobo acabou utilizando muito o chutão e não conseguiu controlar a posse e as ações do jogo.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados