Série B

O que esperar de Ponte Preta e Brasil?

Enquanto a Macaca cresce na competição visando sair da zona de baixo, Xavante precisa da superação para ainda sonhar com uma reação

26 de Setembro de 2021 - 11h36 Corrigir A + A -

Por: Vinícius Guerreiro
vinicius.guerreiro@diariopopular.com.br

A torcida e o clube ainda devem acreditar, apesar da realidade estampar que dificilmente o Brasil vai conseguir escapar do rebaixamento para a Série C do Brasileiro. O cenário para o duelo deste domingo às 18h15min em Campinas pela 26ª rodada é o pior possível. Enquanto a Ponte Preta apresenta um crescimento técnico e coletivo, o Xavante ainda busca treinador pensando também na próxima temporada. O clube deverá fechar com Jerson Testoniex-Brusque. 

Contexto 
A Ponte vem de uma vitória de dar moral na última rodada. Além da boa atuação ofensiva frente ao Operário, marcada por muita velocidade pelos lados do campo, a Macaca segurou oito minutos com dois jogadores a menos o placar de 2 a 1, mesmo atuando fora de casa. Os paulistas não perdem a seis jogos em casa, sendo cinco vitórias e um empate. 

Do lado do Xavante, a equipe busca finalmente vencer após 13 partidas e será comandada pelo auxiliar técnico permanente Cirilo. A direção deverá contratar Jerson Testoni já pensando no Gauchão 2022. O treinador é esperado segunda-feira no Bento Freitas. 

Brasil x Ponte Preta

Como joga a Ponte Preta 
Momento ofensivo
 
 
Pode-se considerar a Ponte um time simples em termos ofensivos, mas com bons valores individuais e que sabe chegar rápido ao gol adversário. Basicamente a equipe aposta na transição pelos lados com Moisés e Richard que são velozes e possuem uma boa qualidade nos duelos individuais. Ambos também têm a forte característica de finalizarem de média distância. Moisés é um ponta que está entre os melhores da competição e que gera muita chance a partir da capacidade individual. 

A primeira e segunda bola ofensiva é bastante usada pelo time de Gilson Kleina. A ideia é buscar Rodrigão no alto e aproximar os jogadores dele para ganhar a segunda bola. Moisés e Richard fechando mais à frente para ficar com a casquinha e os meias próximos para a segunda bola.  

Em fase de construção o time parte do 4-1-4-1 tendo variação para a saída de três, ora com um volante entre os zagueiros, ora com um lateral. A equipe possui mais qualidade para construir o jogo pelo lado direito com Felipe Albuquerque, ex-Brasil, em passe curto. O lateral direito deve voltar ao time após não jogar diante do Operário. 

A Ponte acaba tendo dificuldade de circular essa bola por dentro, apesar de Fassin ter elevado o nível da equipe. A maioria das jogadas quando cai pelo centro tem o objetivo de abrir para pegar os pontas no 1x1 pelos corredores. Rodrigão também é acionado com frequência para fazer o pivô e entregar a bola de frente para quem vem de trás. 

A Macaca costuma atacar com bastante gente e tenta pesar a área a partir dos cruzamentos. Moisés vira um segundo atacante quando a bola cai pelo lado direito.  

Momento defensivo 
 
A defesa é o ponto mais frágil da Ponte Preta. É uma das equipes com menos desarmes e que menos força o adversário a perda da posse de bola. A boa notícia para os paulistas nos últimos jogos foi o retorno do capitão e goleiro Ivan.  
 
No momento defensivo a Ponte se projeta para marcar no 4-1-4-1 tentando diminuir as perseguições nos encaixes e mostrando maior compactação em bloco médio e baixo. Quando a equipe acaba subindo, a marcação alta é facilmente quebrada pelo adversário. 

O ponto vulnerável defensivamente é a transição, pois a equipe ataca com muita gente e demora a reagir. Não tem uma boa pressão pós-perda e a maioria do time busca correr para trás. Porém, a recomposição pelos lados é lenta, principalmente pela esquerda onde fica Moisés. 

O atacante é quem acaba tendo maior dificuldade de manter a linha e o adversário consegue explorar esse espaço. Outro ponto vulnerável da Macaca é o espaçamento entre os jogadores nas linhas. Isso faz a bola do adversário entrar entre as linhas de maneira tranquila, inclusive deixando brecha para infiltração e ataque à última linha. 

WhatsApp Image 2021-09-26 at 11.35.40

O que projetar da partida? 
São duas equipes que não possuem afeição pela posse de bola e acabam atacando mais em transição. Porém, pelo contexto do jogo deverá ser a Ponte Preta que tomará a iniciativa e tentará pressionar o Xavante desde o começo. 

Ao Brasil deve sobrar uma postura mais cautelosa e buscando explorar a deficitária transição defensiva dos paulistas. Inclusive é isso que indica a entrada de Alan Dias ao lado de Wesley. Cirilo deverá optar por um jogador com maior poder de marcação.  

Como o Brasil pode tirar vantagem? 
A situação no Xavante é conturbada e o clube precisará tirar forças de onde parece não ter. Em estratégia dentro de campo, há algumas maneiras de neutralizar a Ponte. Uma marcação compacta e dobrando nos lados do campo quando os pontas pegarem a bola, é fundamental para roubar e sair em velocidade aproveitando os espaços no contra-ataque. Rildo e Caio Rangel podem ser as peças desse movimento. 

Com a bola, a volta de Arthur Henrique é uma boa notícia. O zagueiro consegue encontrar passes por dentro que podem quebrar uma tentativa de marcação alta da Macaca. A marcação alta também poderá ser uma arma. O Brasil repetindo o que fez no primeiro tempo contra o CRB, poderá aproveitar a dificuldade da Ponte de construir de trás roubando a bola no campo de ataque. O cuidado é que os paulistas lidam bem com o jogo de primeira e segunda bola, então forçar o chutão pode ser perigoso se o Brasil não for concentrado nos duelos físicos. 

Ponte Preta 
Plataforma: 4-1-4-1 
Variações: 4-2-3-1, 4-3-3, 4-4-2 e 3-4-3 
Pontos fortes: transição ofensiva, jogo de primeira e segunda bola 
Pontos fracos: espaçamento entre os jogadores nas linhas, transição defensiva 
Olho nele: Moisés 
Provável Ponte Preta: Ivan, Felipe Albuquerque, CleyltonRayan e Rafael Santos; Marcos Júnior, Lucas Cândido e Fessin; Richard, Moisés e Rodrigão.  
Provável Brasil: Marcelo; Vidal, Icaro, Arthur Henrique e Paulinho; Alan Dias, Wesley, Caio Rangel, Rildo e Renatinho; Erison. Técnico: Cirilo 

 

Notícias relacionadas


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados