Nosso Bairro

No São Gonçalo, esporte e lazer na água

Velejar é uma opção esportiva que traz ganhos físicos e mentais para quem pratica, com a vantagem do contato direto com a natureza

01 de Julho de 2022 - 11h07 Corrigir A + A -

[banner site] nosso bairroSGNo último episódio desta primeira passagem do Nosso Bairro pela região do São Gonçalo, o canal que dá nome à localidade é protagonista. Através dele, historicamente esportes náuticos são praticados. No Veleiros Saldanha da Gama, a tradição se mantém até hoje, com campeonatos anuais e pelo menos 50 veleiros ainda em atividade.

O canal São Gonçalo é ideal para a prática da vela, segundo o gerente do clube, Gladmir Amaral. Ele cita a mais tradicional das regatas da instituição, a Francisco Caruccio, que consiste na ida e volta a Rio Grande, em dois dias, no final do ano. Porém, o gestor nota uma queda no interesse pelo esporte. "Agora tá muito parado. Falta renovação", lamenta, citando que o público acabou envelhecendo e não há tantos jovens em substituição.

E a juventude é justamente a melhor época para iniciar, segundo ele. "Pelotas tem muito potencial para isso", analisa. Ainda na infância, nos pequenos barcos Optimist, é possível velejar a partir dos cinco anos de idade. O clube tem estrutura e, embora a escola oficial esteja parada, há diversos membros que dão aulas particulares.

Um deles é Jalbo Teixeira. Com 67 anos de idade, ele passou a vida inteira próximo das águas. Há mais de 50, veleja. De família com histórico em navegação comercial na Lagoa dos Patos, hoje seu veleiro, o Just, é seu grande companheiro nos momentos de lazer. "É maravilhoso", garante. Teixeira diz que a grande beleza da vela é a sintonia com a natureza, uma interação entre pessoa, água e animais, em uma prática que não gera poluição, já que os barcos são movidos pelo vento.

WhatsApp Image 2022-06-30 at 19.15.46
Jalbo Teixeira tem o veleiro Just como um grande companheiro para os momentos de descanso (Foto: Carlos Queiroz - DP)

Para Jalbo Teixeira, o principal ganho de velejar é o mental. Ele pondera que a tecnologia dos últimos anos diminuiu o serviço braçal, mas o contexto de paz e a necessidade de atenção e cuidados com o veleiro faz um bem geral. Para aprender, ele diz que os alunos levam cerca de quatro aulas, de quatro horas, para saírem velejando, com o aprendizado aliando teoria e prática.

Navegantes, o berço de um ídolo
Em uma das maiores áreas do bairro São Gonçalo, no Navegantes, saiu um dos principais ídolos do futebol gaúcho atualmente: o capitão do Internacional, Taison, sempre faz questão de reforçar o papel de seu chão na sua formação, que iniciou no campo do Osório, antes de ir para o Progresso e, então, rodar o mundo.

Em uma das primeiras reportagens do Diário Popular com ele, em 2009, a então promessa colorada falou sobre sua ligação com o bairro, durante uma ação social promovida por sua família na comunidade. "É bom demais", resumiu. "Eu já passei por isso, de estar onde eles estão, e por isso fico feliz demais em poder dar um presente para essa criançada". Na oportunidade, também comemorou o fato de ser um exemplo para os jovens da região, que costuma visitar até hoje nos períodos de férias.

Para participar do Nosso Bairro!
O DP quer ouvir suas sugestões de pauta e apresentar reivindicações, projetos sociais e bons exemplos de cada localidade de Pelotas. Até agora o Nosso Bairro já cruzou por Laranjal, Areal, Fragata, Três Vendas e hoje conclui a região do São Gonçalo. Mas a pauta não para por aqui e seguiremos, após as apresentações, abordando a realidade. Portanto, participe! Você pode entrar em contato pelos e-mails nossobairro@diariopopular.com.br e lucas.kurz@diariopopular.com.br ou pelos telefones (53) 3284-7023 ou pelo WhatsApp (53) 99147-4781. Se preferir, pode dirigir-se à sede do Jornal, na rua 15 de Novembro, 718.

 

 


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados