Série B

Nível de Série A, diz Leite sobre Hemerson Maria

Capitão xavante rasga elogios ao novo comandante rubro-negro para o restante da temporada

07 de Abril de 2020 - 22h10 Corrigir A + A -

Por: Vinícius Guerreiro
vinicius.guerreiro@diariopopular.com.br

Capitão rubro-negro pede por decisão das entidades que coordenam o futebol nacional (Foto: Jonathan Silva - Especial DP)

Capitão rubro-negro pede por decisão das entidades que coordenam o futebol nacional (Foto: Jonathan Silva - Especial DP)

Apesar de estar chateado com a demissão do técnico Gustavo Papa, com quem dividiu o vestiário do Bento Freitas por oito anos, o capitão Leandro Leite enalteceu a contratação de Hemerson Maria para o comando do rubro-negro. O líder xavante ressaltou o perfil vitorioso de Maria nas últimas temporadas e colocou o novo treinador no patamar mais alto do futebol nacional: a Série A.

"É um profissional que sai. Um profissional que se dedicou muito e ajudou muito o clube. Não só como atleta, mas quando assumiu o clube nos momentos difíceis. Ficamos chateados, mas é a direção que decide e sabe o que é melhor para o clube. Contratou um treinador de nível de Série A, treinador que já teve acesso à Série A. Treinador que duas vezes quase subiu o Vila Nova. É um treinador com nome no futebol brasileiro e vem com muita força para poder trabalhar e colocar o seu nome na história do Brasil", afirmou Leite que ainda completou: "Tem um perfil do Brasil, um perfil vencedor. Creio que o clube contratou um grande treinador. Tem tudo para dar certo".

Os primeiros trabalhos com a nova comissão técnica são realizados através de vídeos, devido à quarentena por causa da Covid-19. O preparador físico Alexandre Souza tem passado trabalhos preventivos todos os dias para os atletas rubro-negros. São cinco exercícios que buscam auxiliar na manutenção física e diminuir a possibilidade de lesões quando a bola voltar a rolar na Baixada.

"Dá para fazer core, propriocepção, alguns jogadores têm aparelho em casa. O Alexandre vem passando trabalhos para nós, com vídeos, para que a gente possa fazer. Coisas que fazemos no clube e é possível fazer dentro de casa. Trabalhos para evitar lesões. Estão passando trabalhos todos os dias", contou Leite.

Futuro
O futebol brasileiro irá decidir os próximos passos no dia 20 deste mês. Leandro revela que está no grupo de WhatsApp formado pelos capitães das equipes que disputam as três primeiras divisões do Nacional. Através da plataforma, os atletas têm debatido possíveis cenários para o futuro do futebol nacional, porém, Leite não vê nenhum caminho definido.

"Eu faço parte do grupo de capitães das séries A, B e C. O pessoal fala muito em não ter os estaduais, pois o calendário ficaria muito apertado para jogar os brasileiros. Outros falam que têm que continuar os estaduais. Então, é uma coisa que a Federação, a CBF e a Globo precisam definir. É difícil para o atleta essa indecisão", revela.

Outro assunto que pauta as discussões entre os líderes das equipes é a questão salarial. Alguns clubes da Série A anunciaram medidas de redução de 25% no salário dos jogadores. Por outro lado, na segunda-feira, a CBF liberou verbas para equipes das séries C e D e um adiantamento da cota de TV para os clubes de Série B. Para o capitão rubro-negro, cada negociação entre jogadores e clubes deverá ser analisada separadamente.

"Cada caso é diferente. Nós, jogadores do Brasil, não podemos comparar a questão salarial com equipes como São Paulo, Atlético Mineiro, por exemplo; são salários completamente diferentes. Em geral, terá um prejuízo muito grande, não só para os atletas, mas o trabalhador terá essa redução, pela dificuldade que estamos passando. Acho que cada clube precisa resolver da maneira que é bom para todos. Tem clube que o salário é lá embaixo e se tiver redução o jogador pode passar dificuldade; há clube grande que jogador ganha R$ 400 mil por mês e é muito diferente", afirmou.

Leite alerta para os clubes que estão tentando tirar vantagem desta situação. Clubes que vinham com salários atrasados e aproveitaram a pausa para demitir funcionários.
"O coronavírus chegou agora, mas tem muito clube que a crise chegou antes. Que não estavam pagando e usaram esse momento para demitir funcionários. É algo que o sindicato está atento. Vamos ver a melhor forma para poder se ajudar também. É preciso união", ponderou.

Na Baixada, Leite nega qualquer conversa da direção executiva no sentido de reduzir os salários dos atletas. "A única conversa que existiu com a direção foi que nos deram férias até o dia 20 de abril. Não foi passado nada para nós ou conversado nada em relação a uma possível diminuição salarial. Até por que a direção não sabe quando irá voltar", finalizou.

 

 


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados